A viagem do vestido de casamento

| 19 Abr 21

Noiva africana

Uma noiva africana (neste caso, nos Camarões): o vestido ainda é “o cerne das cerimónias de casamento”. Foto © Freddy Nzalli Mambou / Wikimedia Commons.

 

O cerne da questão das cerimónias de casamento, na minha sociedade, é o vestido de noiva.

A existência do vestido de noiva é antecedida pelo anúncio do casamento, que traz felicidade a alguns familiares, tanto da noiva, quanto do noivo. Digo alguns, porque um casamento, para além da graça que carrega, reúne em torno de si muita agrura. Casar e ter filhos ainda é das coisas mais importantes na minha sociedade. Existe muito pouco deleite acima disso.

Após o anúncio de casamento, a noiva, acompanhada ou não de sua madrinha ou de uma amiga ou quem quer que seja que ela escolha, compra ou manda fazer o vestido. A selecção não envolve o noivo, para quem o vestido será uma surpresa. O vestido é comprado ou mandado costurar. E aí inicia a sua primeira viagem. O próprio já feito ou os seus panos, fazem a sua primeira viagem, antes de serem entregues à sua dona. Depois, há uma segunda viagem para casa dela. Mais tarde, deverá ser entregue às irmãs ou madrinha da noiva, que deverá ir entregá-lo à família do noivo. Este último é excluído do evento. A família, deverá, na véspera do casamento, realizar a cerimónia de entrega do vestido de casamento à família da noiva. Independentemente de quem pague o vestido este, supostamente, “foi comprado pelo noivo”. E assim é que deve ser.

Segue-se a viagem de entrega do vestido, na casa dos pais da noiva; antes disso, há um ritual em casa do noivo: numa esteira, coloca-se um mucume, uma capulana específica. Depois, por cima deste, são expostas todas as coisas que a noiva irá usar no dia do casamento. Do conjunto, constam o vestido, a roupa interior, outros objectos como joias, por exemplo. Segue-se uma oração de agradecimento e pedem-se bênçãos para que a cerimónia de casamento corra bem. E aí o vestido segue para casa dos familiares da noiva. Há quem diga que é nesse momento que os invejosos lançam azares ou feitiço sobre o vestido. Mas isso é pano para outras mangas.

No dia seguinte, a viagem segue os diferentes locais de realização do acontecimento, nomeadamente: de casa à igreja, da igreja ao palácio dos casamentos ou notário, de lá para um jardim, onde os noivos e a sua família e amigos tiram fotos, depois seguem para o salão de festas, para o copo de água. Depois deste, segue-se para o local onde terá lugar a lua de mel. O vestido descansa e no dia seguinte a sua dona vai com ele ao xiguiane, cerimónia de entrega de prendas à noiva.

Em alguns momentos, a viagem tem uma pausa mais longa, em casa da noiva-recém-casada ou numa lavandaria, para depois, em alguns casos, voltar a ser usado, numa segunda cerimónia, na terra ou junto à família de um dos noivos-recém-casados, por esta não ter podido estar presente na primeira cerimónia.

Geralmente, esta segunda cerimónia é feita junto à família do noivo, porque esta tem muita necessidade de ver a sua nora e é obrigação desta ir de vestido de noiva, para ser vista tal como esteve nas cerimónias iniciais. O vestido faz depois uma curta viagem, antes do seu repouso: lavandaria e mala da dona. Nesta última, fica a aguardar pelo dia da sua última viagem. O “ser vista” deve ter a ver com algo difícil de explicar, mas cuja ilação pode ser feita, de entre outros modos, com o que já narrei aqui no 7MARGENS.

A última viagem que o vestido faz é a da tristeza. Vai para a morgue e finalmente para a sepultura, juntamente com a sua proprietária, que o tem de usar, ainda que já não lhe sirva. Se for o caso, há técnicas para tal: abre-se dos lados e arranja-se na parte de frente, colocando-o de modo a que fique bem vestido na sua dona. Ela é enterrada bonita. Razão pela qual ela é obrigada a guardar o vestido de casamento após a cerimónia. Não interessa o quão (in)feliz ela possa ter vivido. A verdade é que nós não alugamos vestidos de noiva, porque dá azar. E, por consequência, não o vendemos após o casamento.

Quem infringe a regra, paga por isso. Conto uma das histórias que conheço relativamente ao facto. Certo dia, um familiar meu separou-se da esposa e foi viver com a sua amante. Passados anos, quis se casar com ela e como não tinha posses, foi à casa da antiga esposa buscar o seu vestido de noiva. Após muita luta conseguiu levá-lo. Entretanto, o seu casamento com a outra acabou não se realizando, por razões nunca explicadas à família. A verdade é que a primeira mulher acabou morrendo e a sua família foi ter com ele, para uma prestação de contas. A cerimónia fúnebre não deveria ser realizada sem que o vestido aparecesse. O homem teve de o devolver. E lá se foi o vestido em viagem para o além. Voltou à sua dona.

Nisto das penalizações ligadas ao casamento, há muito que se lhe diga. Lembro-me também de uma outra história, que se pretende breve neste texto. Num outro casal de familiares meus, a senhora viveu maritalmente cerca de vinte anos. Quando faleceu, a família determinou que, por tradição, ela não deveria ser sepultada, sem ser lobolada. O lobolo é um dote que a família de um noivo paga à família de uma noiva e simboliza, também, o casamento tradicional. Abro um parêntese, para dizer que, depois disto, podem-se seguir outros actos oficiosos como os narrados acima: casar pela igreja e pelo registo civil. Então, interromperam-se os preparativos para o funeral e foram se fazer as compras do quite-lobolo, para que este fosse entregue aos familiares da senhora, ao que se seguiu o seu enterro.

 

Sara Jona Laisse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica (Maputo) e integra o Graal – Movimento Internacional de Mulheres Cristãs. Contacto: saralaisse@yahoo.com.br.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This