A viagem do vestido de casamento

| 19 Abr 21

Noiva africana

Uma noiva africana (neste caso, nos Camarões): o vestido ainda é “o cerne das cerimónias de casamento”. Foto © Freddy Nzalli Mambou / Wikimedia Commons.

 

O cerne da questão das cerimónias de casamento, na minha sociedade, é o vestido de noiva.

A existência do vestido de noiva é antecedida pelo anúncio do casamento, que traz felicidade a alguns familiares, tanto da noiva, quanto do noivo. Digo alguns, porque um casamento, para além da graça que carrega, reúne em torno de si muita agrura. Casar e ter filhos ainda é das coisas mais importantes na minha sociedade. Existe muito pouco deleite acima disso.

Após o anúncio de casamento, a noiva, acompanhada ou não de sua madrinha ou de uma amiga ou quem quer que seja que ela escolha, compra ou manda fazer o vestido. A selecção não envolve o noivo, para quem o vestido será uma surpresa. O vestido é comprado ou mandado costurar. E aí inicia a sua primeira viagem. O próprio já feito ou os seus panos, fazem a sua primeira viagem, antes de serem entregues à sua dona. Depois, há uma segunda viagem para casa dela. Mais tarde, deverá ser entregue às irmãs ou madrinha da noiva, que deverá ir entregá-lo à família do noivo. Este último é excluído do evento. A família, deverá, na véspera do casamento, realizar a cerimónia de entrega do vestido de casamento à família da noiva. Independentemente de quem pague o vestido este, supostamente, “foi comprado pelo noivo”. E assim é que deve ser.

Segue-se a viagem de entrega do vestido, na casa dos pais da noiva; antes disso, há um ritual em casa do noivo: numa esteira, coloca-se um mucume, uma capulana específica. Depois, por cima deste, são expostas todas as coisas que a noiva irá usar no dia do casamento. Do conjunto, constam o vestido, a roupa interior, outros objectos como joias, por exemplo. Segue-se uma oração de agradecimento e pedem-se bênçãos para que a cerimónia de casamento corra bem. E aí o vestido segue para casa dos familiares da noiva. Há quem diga que é nesse momento que os invejosos lançam azares ou feitiço sobre o vestido. Mas isso é pano para outras mangas.

No dia seguinte, a viagem segue os diferentes locais de realização do acontecimento, nomeadamente: de casa à igreja, da igreja ao palácio dos casamentos ou notário, de lá para um jardim, onde os noivos e a sua família e amigos tiram fotos, depois seguem para o salão de festas, para o copo de água. Depois deste, segue-se para o local onde terá lugar a lua de mel. O vestido descansa e no dia seguinte a sua dona vai com ele ao xiguiane, cerimónia de entrega de prendas à noiva.

Em alguns momentos, a viagem tem uma pausa mais longa, em casa da noiva-recém-casada ou numa lavandaria, para depois, em alguns casos, voltar a ser usado, numa segunda cerimónia, na terra ou junto à família de um dos noivos-recém-casados, por esta não ter podido estar presente na primeira cerimónia.

Geralmente, esta segunda cerimónia é feita junto à família do noivo, porque esta tem muita necessidade de ver a sua nora e é obrigação desta ir de vestido de noiva, para ser vista tal como esteve nas cerimónias iniciais. O vestido faz depois uma curta viagem, antes do seu repouso: lavandaria e mala da dona. Nesta última, fica a aguardar pelo dia da sua última viagem. O “ser vista” deve ter a ver com algo difícil de explicar, mas cuja ilação pode ser feita, de entre outros modos, com o que já narrei aqui no 7MARGENS.

A última viagem que o vestido faz é a da tristeza. Vai para a morgue e finalmente para a sepultura, juntamente com a sua proprietária, que o tem de usar, ainda que já não lhe sirva. Se for o caso, há técnicas para tal: abre-se dos lados e arranja-se na parte de frente, colocando-o de modo a que fique bem vestido na sua dona. Ela é enterrada bonita. Razão pela qual ela é obrigada a guardar o vestido de casamento após a cerimónia. Não interessa o quão (in)feliz ela possa ter vivido. A verdade é que nós não alugamos vestidos de noiva, porque dá azar. E, por consequência, não o vendemos após o casamento.

Quem infringe a regra, paga por isso. Conto uma das histórias que conheço relativamente ao facto. Certo dia, um familiar meu separou-se da esposa e foi viver com a sua amante. Passados anos, quis se casar com ela e como não tinha posses, foi à casa da antiga esposa buscar o seu vestido de noiva. Após muita luta conseguiu levá-lo. Entretanto, o seu casamento com a outra acabou não se realizando, por razões nunca explicadas à família. A verdade é que a primeira mulher acabou morrendo e a sua família foi ter com ele, para uma prestação de contas. A cerimónia fúnebre não deveria ser realizada sem que o vestido aparecesse. O homem teve de o devolver. E lá se foi o vestido em viagem para o além. Voltou à sua dona.

Nisto das penalizações ligadas ao casamento, há muito que se lhe diga. Lembro-me também de uma outra história, que se pretende breve neste texto. Num outro casal de familiares meus, a senhora viveu maritalmente cerca de vinte anos. Quando faleceu, a família determinou que, por tradição, ela não deveria ser sepultada, sem ser lobolada. O lobolo é um dote que a família de um noivo paga à família de uma noiva e simboliza, também, o casamento tradicional. Abro um parêntese, para dizer que, depois disto, podem-se seguir outros actos oficiosos como os narrados acima: casar pela igreja e pelo registo civil. Então, interromperam-se os preparativos para o funeral e foram se fazer as compras do quite-lobolo, para que este fosse entregue aos familiares da senhora, ao que se seguiu o seu enterro.

 

Sara Jona Laisse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica (Maputo) e integra o Graal – Movimento Internacional de Mulheres Cristãs. Contacto: saralaisse@yahoo.com.br.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This