A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

| 30 Nov 2022

Árvore

“Deus ajudar-nos-á a restaurar a memória em nós, a boa memória, a memória justa, limpando e varrendo os restos da nossa maldade, para que fique só a paz.” Foto © Fabrice Villard/Unsplash

 

 

É difícil descortinar Deus na vida toda: a que nos agrada e a que não nos agrada, a que nos edifica e a que nos abate, a que entendemos e a que nos lança na escuridão. Todos os dias vivemos muitos momentos que nos atiram para tudo isso, e só não percebemos estas nuances se não as quisermos ver.

É fácil encontrarmos Deus quando a vida corre bem: tudo encaixa, os nossos talentos estão à vista e vão crescendo, somos reconhecidos, acordamos com vontade para novos dias, que vão ser cheios de coisas boas, previsíveis nas suas causas e nos seus efeitos.

Vem o tempo (sempre vem o tempo) em que nada encaixa, em que os nossos talentos não estão à vista nem vão crescendo, em que não somos reconhecidos, em que não acordamos com vontade para novos dias, que pressentimos não irem estar cheios de coisas boas, nada previsíveis nas suas causas e nos seus efeitos.

Apossa-se de nós um sentimento de rejeição. A aparente rejeição de pessoas e das circunstâncias faz-nos ser invadidos pela certeza de rejeição de Deus. Deus não nos ama. Deus carrega-nos com fardos impossíveis de suportar. Deus não está connosco.

Deixando-nos tomar por estes sentimentos, deixamos de nos amar a nós mesmos e à vida toda à nossa volta. Rejeitando as nossas circunstâncias, rejeitamo-nos a nós e a toda a criação envolvida. Passamos a viver em sobrecarga, em contramão, num enorme cansaço sem aparente fim à vista, a não ser talvez a via das ruturas.

Normalmente (e não por acaso) este processo inicia-se exatamente nesse lugar onde somos mais chamados a amar: a família. A família torna-se uma carga demasiado pesada, onde o ambiente de rejeição dói de forma mais terrível e aparentemente mais irremediável: “Que feridas são estas nas tuas mãos? Dirá ele: São feridas com que fui ferido em casa dos meus amigos.” (Zac.13,6)

Quando negamos qualquer parcela da nossa realidade, viramos as costas a Deus e entramos numa espiral de desamor connosco mesmos. O amor de Deus implica que recebamos tudo na nossa vida de coração aberto, aceitando tudo de nós nesse gesto, incluindo a repulsa pelo momento que estamos a viver.

A condição para percebermos Deus em nós e na vida toda, sobretudo naquela que nos repugna, é fazê-Lo vivê-la connosco, a Ele que nos pôs na situação e está a confiar-nos esse valente legado.

Com o nosso coração em fuga não é possível darmos este salto, mas ele é evidentemente necessário para nos colocarmos no lugar certo da nossa existência: a sintonia com Deus, que se faz presente quando aceitamos tudo de nós e não negamos nada da nossa vida, antes conseguimos recebê-la através dos Seus olhos cheios de bondade.

Pode não ser fácil esse salto, porque levamos uma memória manchada pelos nossos maus olhares interiores, pelas nossas más vibrações e por um acumulado de argumentos tristes e vazios de sentido e de amor. Levamos a memória cheia dos argumentos da rejeição. Uma tristeza, essa tristeza que nos invade.

Deus ajudar-nos-á a restaurar a memória em nós, a boa memória, a memória justa, limpando e varrendo os restos da nossa maldade, para que fique só a paz. A paz de Deus que nos permite perceber e acreditar que Ele está em toda a nossa vida, mesmo (ou sobretudo) naquela em que Ele parece rejeitar-nos, a que pede de nós o que, se não for Ele, nós não saberemos receber.

Faz-se então real em nós a experiência de S. Paulo: “O Senhor disse-me: Basta-te a minha graça, porque o meu poder manifesta-se na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.” (2Cor 12, 9,10)

A espera de Deus que os cristãos estão agora a viver revela-nos especialmente este drama humano, que é sempre uma escolha divina: fora da zona de conforto, fora até da zona da dignidade e sem qualquer apoio humano. Tudo o que é preciso são corações disponíveis para se deixarem tomar pelo amor de Deus em qualquer circunstância, recebendo totalmente o que a vida (Deus) lhes apresenta. E fazendo dessa vida a boa memória, a memória eterna, que tem as suas raízes no coração de Deus.

 

Dina Matos Ferreira é consultora e docente universitária. Contacto: dina.matosferreira@gmail.com

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This