A virtude foi de férias?

| 5 Set 19

Diz o povo que no meio é que está a virtude. Só que não se consegue encontrar a senhora em lado nenhum. E, se foi de férias, ninguém sabe para onde.

Talvez não valha a pena responsabilizar apenas as redes sociais por esta fase de profunda crispação nas relações humanas, que permite aos seus utilizadores esconderem-se atrás dum monitor e debitarem num teclado toda a espécie de acusações infundadas, disparates e diatribes contra quem quer que seja, tanto no plano político como nas relações sociais e profissionais.

Talvez este estado de coisas seja resultado também da onda de notícias falsas (fake news), da debilidade mental de boa parte das lideranças políticas do nosso tempo, do ressurgimento dos regimes autocráticos com aparência democrática, da desvalorização da ciência e dos saberes e subsequente glorificação da ignorância. E quem sabe até se as alterações climáticas que parece estarem a torrar os miolos de muita gente não terão aqui também alguma responsabilidade.

O facto é que resvalámos para um perigoso extremismo político pela mão dos populismos de direita e de esquerda, assistindo-se presentemente a uma tendência no sentido do desaparecimento das figuras moderadas e suas ideias e propostas, que foram sendo substituídas pela ascensão dos sectários, duma intolerância generalizada inexplicável e de proto-fascismos ideológicos de ambos os lados do espectro político. Bem sei que o fascismo enquanto regime político clássico do ponto de vista conceptual não está aí, mas o fascismo ideológico sim e mete-se pelos olhos dentro. Dum modo geral, chamamos-lhes movimentos populistas.

Existe hoje uma profunda crise democrática no centro do espectro político. O que se vê são posições ideológicas extremadas, sempre associadas à emergência dos nacionalismos, da xenofobia, do racismo, do medo e do ódio ao imigrante, ao refugiado e ao estrangeiro. As opções ideológicas passaram a ser caracterizadas pelo tudo ou nada, vacilando entre um extremo e o outro. Se aparecem vozes de bom senso apelando ao equilíbrio, à moderação, à negociação e à diplomacia, são pouco ouvidas.

Os governantes recorrem hoje ao Twitter e outras redes sociais para insultar os seus interlocutores ou destilar ódios e boçalidade. Radicalizam. Dividem os governados. Já não se ouve dizer a um presidente, no discurso de vitória em noite de eleições, que vai trabalhar em favor de todos os compatriotas. Pelo contrário, governa em campanha permanente para criar tensões e cavar fossos entre faixas da população, agindo permanentemente como chefe de facção, a fim de manter os apoiantes em histeria de sustentação das suas posições, que por sua vez tendem a desculpar-lhes todas as asneiras, em nome da guerra que o seu eleito está a travar contra o “inimigo”. É o velho truque do “dividir para reinar”.

Compreende-se que o nacionalismo seja uma tentativa de resposta ao multilateralismo face a receio da perda de identidade ou poder. Mesmo no âmbito do projecto europeu se verifica a pulsão nacionalista, que abriu a porta ao “Brexit” e a fenómenos como os proto-fascistas Salvini, em Itália ou o húngaro Viktor Orbán, mas também a movimentos idênticos na Alemanha (AfD), França (Front National), Espanha (Vox) e outros. Mas o pior nacionalismo é aquele que se mascara de patriotismo. Dizia Umberto Eco: “Alguém disse que o patriotismo é o último refúgio do cobarde; aqueles que não têm princípios morais normalmente enrolam-se numa bandeira e esses bastardos falam sempre na pureza da raça” (Cemitério de Praga, 2010).

Mas a origem dos populismos radica sobretudo na corrupção, em fenómenos associados à imigração, na política sem alma e num pragmatismo que destruiu qualquer tom ideológico na governação. Os jovens europeus que se deixaram seduzir pelo extremismo islâmico e aderiram ao Daesh procuravam sobretudo uma bandeira, embora de forma atabalhoada. Essa bandeira não era agitada em França desde o Maio de 1968 e na Alemanha desde 1989, quando caiu o Muro de Berlim e o país foi reunificado. Tal como aconteceu com o ocaso do comunismo no Bloco de Leste, a actual crise do capitalismo está aí e o sistema contorce-se à procura de algo novo.

Talvez a juventude europeia assuma agora a defesa do ambiente como a sua nova bandeira. Pelo menos é uma causa planetária que não divide países nem continentes, sendo do interesse de todos, até porque, em última análise, é da sobrevivência humana que se trata.

Em todo o caso valerá a pena lembrar aos cristãos, nestes tempos extremados, que a moderação é uma virtude a cultivar: “Porque Deus não nos deu o espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação (2 Timóteo 1:7).

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na Visão Online.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco