[À volta do 1º de Maio] Encruzilhadas da vida

| 2 Mai 21

Ilustração de Rui Aleixo

“Sou trabalhadora precária, mas sou feliz no que faço. Não me arrependo da mudança de área quase a chegar a um quarto de século de existência.” Ilustração de Rui Aleixo

 

Tenho 45 anos e sou trabalhadora precária. A precariedade tem sido uma constante na minha vida desde que entrei no mercado de trabalho. Talvez esta situação seja fruto de decisões tomadas no passado. Da busca de realização profissional e pessoal em diferentes áreas do conhecimento. Ou será que não?

A minha primeira licenciatura foi em Engenharia do Ambiente pelo Instituto Superior Técnico (IST). Foram cinco anos cheios de aprendizagens numa área relativamente nova, em 1993. Fiz parte do pontapé de saída dessa licenciatura. Em simultâneo terminava o curso secundário na Escola Artística do Conservatório Nacional de Lisboa, em flauta transversal, ao qual se seguiu o canto, em simultâneo com o estudo de órgão. Era uma das pessoas com mais páginas preenchidas na caderneta do aluno!

No final do percurso académico no IST candidatei-me a algumas posições em empresas diversas relacionadas com o ambiente, câmaras municipais, Serviço Nacional de Proteção Civil, mas sem sucesso. Assim, comecei a virar a minha atenção para a investigação. A primeira remuneração que recebi foi através de uma bolsa. Fiz parte de dois projetos no IST, um dos quais com bastante impacto a nível nacional na altura: Engenho e Obra – Engenharia em Portugal no século XX. O projeto era liderado pelo atual ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Prof. Manuel Heitor, e pelos Prof. José Maria Brandão de Brito e Maria Fernanda Rollo, da NOVA FCSH. Curiosamente, a NOVA FCSH viria a fazer parte da minha vida académica e profissional.

Após a participação nesses projetos, tentei esporadicamente candidatar-me a empregos na área do ambiente, mais uma vez sem sucesso. Lembro-me, aliás, de uma entrevista em que terminámos a falar de música, porque a neta de um dos responsáveis da empresa tinha iniciado o estudo do piano. Possivelmente também teria sido feliz como engenheira do ambiente. Não chegarei a saber.

Decidi mudar o curso da minha vida e ingressei na licenciatura em Música na Comunidade, em 2007. Também este era o primeiro ano de uma nova licenciatura criada em parceria pela Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) e Escola Superior de Música de Lisboa (ESML). Já estava casada, tinha uma filha. Paralelamente, comecei a trabalhar a tempo parcial no secretariado e produção de uma associação musical, sendo paga por recibos verdes, ao mesmo tempo que lecionava música como atividade extracurricular em algumas escolas, também a recibos verdes.

Foi uma temporada de muito trabalho e aprendizagem. Mas, definitivamente, senti que a minha realização passaria pela área da Música. Em 2011, e durante o mestrado em Ensino de Educação Musical no Ensino Básico na NOVA FCSH, encontrei uma escola privada em Lisboa para dar aulas, mas com um horário parcial. Tinha finalmente um contrato, e lembro-me de sentir felicidade por receber, pela primeira vez, subsídio de férias e de Natal. O que parece ridículo tendo em conta que a remuneração mensal correspondia a cerca de 400 euros. Mas, para quem nunca tinha recebido um subsídio, esta regalia parecia uma fortuna.

No seguimento de um pequeno trabalho de investigação que fiz no estágio do mestrado, senti (ou redescobri) que a minha realização profissional teria de passar pela investigação. Inscrevi-me no doutoramento em Ciências Musicais, especialidade em Ensino e Psicologia da Música na NOVA FCSH, em 2014. Candidatei-me a uma bolsa, que recebi desde 2015 a 2019. Sabia já que, em terminando a bolsa, teria de procurar outro meio de subsistência. Foi, na verdade, algo angustiante, especialmente porque a bolsa terminava no final de Março, altura do ano em que não seria possível começar como professora numa escola.

Na altura, colaborava já com a ESELx como professora na unidade curricular de Psicologia da Música, lugar que ainda hoje ocupo. Mais tarde, viria a ser convidada para lecionar uma unidade curricular na NOVA FCSH, no mesmo mestrado que frequentei, em parceria com a minha mentora e amiga, prof. Helena Rodrigues. Trabalhar no Ensino Superior é um privilégio e um enorme desafio. A possibilidade de ter um contrato sem termo é muito baixa, pelo menos na próxima década. São as vicissitudes do sistema, dos financiamentos, das prioridades.

No final das férias de verão de 2020, comecei à procura de outro trabalho. A remuneração auferida no trabalho no Ensino Superior não era suficiente para pagar as minhas despesas correntes, nem de perto, e não seria sustentável continuar a usar o “pé-de-meia” para subsistir. Felizmente, consegui ocupar o lugar deixado vago por uma professora de música que se havia mudado porque o marido ficou colocado noutra zona do país (uma precariedade gritante na profissão professor). Trabalho, atualmente, com crianças dos 3 anos aos 12 anos de idades, no ensino geral e especializado da música.

Quanto à investigação (que adoro), existem algumas oportunidades de financiamento, como por exemplo através do concurso de estímulo ao emprego científico individual (Fundação para a Ciência e Tecnologia, FCT), das bolsas Marie Skłodowska-Curie, dos Projetos I&D da FCT. As perguntas que faço são: e quando terminar o período afeto à bolsa? Procuro outra, ou seja, salto de bolsa em bolsa? Tento novamente o mercado de trabalho enquanto professora (o contrato de uma bolsa exige dedicação exclusiva)? Ao fim de cinco, seis anos de bolsa, terei mais de 50 anos de idade. Outros profissionais dedicados, válidos, e mais novos estarão também disponíveis no mercado. Enquanto a carreira de investigador não for uma realidade e uma possibilidade em Portugal, será sempre complicado optar por situações temporárias no emprego científico.

Sou trabalhadora precária, mas sou feliz no que faço. Não me arrependo da mudança de área quase a chegar a um quarto de século de existência. Com essa mudança chegou (ou continuou?) a instabilidade laboral. Mas essa instabilidade trouxe-me desafios, aprendizagens, redes de contactos. Novas possibilidades, novos caminhos. Verei o que o futuro me reserva em termos laborais.

 

O vídeo Dorme, dorme, meu menino, de Ana Isabel Pereira, pode ser visto a seguir:

 

 

Ana Isabel Pereira é professora de música

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?” novidade

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada novidade

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente novidade

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces” novidade

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This