[À volta do 1º de Maio] Perder oito vezes o Natal para receber o salário mínimo

| 2 Mai 2021

Eduardo Sousa no seu posto de trabalho em casa, numa mesa de jantar dividida em duas partes. Foto © Joana Veigas.

 

Neste 1º de Maio de 2021, faz exactamente um ano que estou a trabalhar em casa, devido à pandemia. Um dia que deve servir de pausa, de luta e de reflexão.

Comecei a trabalhar quando entrei para a Universidade, para poder pagar os estudos. Desempenhei várias funções, até que comecei a trabalhar num centro de atendimento telefónico durante oito horas por dia, numa sala com mais 60 pessoas; mais parecia uma linha de montagem. Percorri alguns horários, até fixar-me no atendimento entre a meia-noite e as 8h00. Terminada a Licenciatura em Estudos Portugueses e Ingleses, e sem perspectivas de algo melhor (tantas vezes oiço “mas nós somos portugueses e todos sabemos falar inglês”), fui-me mantendo no atendimento telefónico. Como o ordenado mínimo que recebia era pouco, juntei um segundo trabalho. Sim, durante quatro anos trabalhei 16 horas por dia, numa roda-viva que começava às 00h e terminava às 18h, deixando-me apenas 3 horas por dia para poder dormir.

Centro de Atendimento Telefónico. Call Center

“Comecei a trabalhar num centro de atendimento telefónico durante oito horas por dia, numa sala com mais 60 pessoas; mais parecia uma linha de montagem. Foto: um centro de atendimento telefónico em São Paulo, Brasil. © Carlos Ebert / Wikimedia Commons

 

Os dias sucediam-se; um após o outro após o outro, eram sempre iguais, quer fosse semana ou fim de semana, Natal ou passagem de ano, sabia tudo ao mesmo. Muitas pessoas lamentavam: “Coitado de ti que trabalhas tantas horas” ou “nem tens tempo para nada”. Eu via, contudo, pela parte positiva: eu tinha dois trabalhos, mas muitos não têm nem um; eu trabalhava muitas horas, num grande esforço físico e mental, porque tenho força e saúde para tal. Sentia-me em paz comigo mesmo e com o meu estoicismo, se calhar até demais…

Um dia, comecei a despertar desta dormência. Sentia-me incomodado ou, até mesmo encurralado. Não iria ficar rico a receber dois ordenados mínimos. Em 10 anos perdi oito vezes o Natal e a passagem de ano a trabalhar. Seria este o máximo a que eu poderia aspirar? Durante alguns dias não conseguia pensar noutra coisa. Até que, durante uma pausa do trabalho, fiz a chamada telefónica que mudou tudo: falei com a minha esposa, e disse-lhe que poderia ficar no fundo de desemprego (sobre o que falarei mais à frente) e voltar a estudar para melhorar a minha condição. Ela respondeu-me que era um risco, que nos afectaria aos dois, mas que confiaria em qualquer que fosse a minha decisão. Mesmo ouvindo de muita gente que, aos 36 anos, já seria tarde para mudar radicalmente a minha vida, decidi arriscar…

Comecei a frequentar cursos de jornalismo no Cenjor, concluí uma pós-graduação de jornalismo no ISCTE, e iniciei o Mestrado de Ensino de Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda na Faculdade de Letras. Entretanto, voltei a trabalhar no atendimento telefónico no meu conhecido horário das 00h às 08h; afinal, as contas têm de ser pagas, mas a mudança está em curso…

Muito se fala da actual precariedade do trabalho provocado pela pandemia. Esta precariedade já existia há muito, apenas ficou mais destacada. Para quem esteja desempregado e/ou a passar por dificuldades, só posso partilhar o que a minha colega Clarisse me disse numa aula no Cenjor: “Quando te apresentaste à turma, disseste que estavas no Fundo de Desemprego. Não lhe chames isso, porque tu não estás no fundo. Nem tu nem ninguém; isto é um apoio para quem precisa, mas nunca penses que estás no fundo.”

Trabalho, teletrabaho,

O posto de trabalho em casa de H., colocado numa tábua de engomar. Foto: Direitos reservados.

 

Eduardo Oliveira Sousa trabalha num centro de atendimento telefónico

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This