[À volta do 1º de Maio] Sozinhos nos querem? Solidários nos terão

| 4 Mai 21

 

A tecnologia pode revitalizar os sindicatos, mas também materializa a feroz tendência de individualização e isolamento de cada trabalhador. 😉 Foto © Nick Morrison, Unsplash

 

Em 2021, o desfile do 1º de Maio no Porto é o espelho do movimento sindical português na atualidade: pouca gente, poucos jovens, as mesmas técnicas e linguagem de há 47 anos e uma relação que parece (no mínimo) cerimoniosa com outros movimentos sociais e novas formas de organização laboral presentes no desfile, da precariedade às lutas feministas.

Sempre acreditei que “quando os precários/as mulheres/os trabalhadores/os oprimidos batem o pé, o mundo treme”. Onde para a solidariedade que trouxe os operários americanos às ruas em 1 de maio de 1886, ou que uniu milhões de portugueses em 1974?

São várias as razões que podem explicar o status quo: sucessivos bloqueios à contratação e negociação coletivas, trabalhadores que não se filiam por receio de represálias, dificuldade de os sindicatos se reinventarem e responderem a novas gerações e realidades laborais (a precariedade, por exemplo), fraca rentabilização das novas tecnologias e da internet e falta de transparência – entre outras. Porém, é fulcral que se reconheça o impacto brutal da ofensiva neoliberal no trabalho e nas relações laborais.

É inegável a importância que a tecnologia pode ter na revitalização dos sindicatos. Mas ela também materializa a feroz tendência de individualização da apresentação ao mercado de trabalho e do ciclo de vida do trabalhador ao longo de toda a sua vida produtiva, isolando cada um nas suas próprias lutas e resistência.

A utilização das redes sociais ao serviço do trabalho e do recrutamento oferece aos trabalhadores, sobretudo aos mais jovens, a ilusão de um mercado de trabalho democratizado, em que basta querer para se movimentarem, autónomos, debaixo de uma fonte de onde brotam oportunidades continuamente, em forma de notificações no smartphone. Ganha quem faz more with less. Good enough is better than perfect. Assim mesmo, em inglês. Afinal, o destino é falarmos todos igual – para pensarmos todos igual e produzirmos todos igual. Sempre mais! O que importa é crescer, mesmo que já mal caibamos nesta nossa casa comum.

A receita para o sucesso profissional? Uma marca pessoal forte, e saber vender superpoderes em entrevistas (isto quando o trabalhador não sai da Universidade diretamente para CEO de si próprio, sem passar pela casa de partida). Ambos os ingredientes são condimentos do espírito individualista e do culto do “eu” que o modelo neoliberal nos impinge em todas as esferas da vida (do consumo ao trabalho, passando pela saúde, o lazer e até o capitalismo “verde”).

Ao contrário das gerações anteriores, os trabalhadores que hoje têm até 40-45 anos já entraram para o mercado de trabalho com uma série de direitos garantidos. Mas o que parecem ignorar é o porquê. A história demonstra que não há outro caminho para a proteção e (re)conquista de direitos e melhores condições de trabalho (e, consequentemente, de habitação, de saúde, de educação… de vida!) que não a solidariedade e a defesa coletiva dos interesses de todos os trabalhadores. Torna-se, por isso, espantoso, que o pensamento dominante sobre os sindicatos e os movimentos laborais em geral seja exatamente o contrário: são inúteis, meros tachos para uns quantos viverem à custa de infernizar patrões e destruir empresas, entre outros epítetos demagógicos que estão hoje muito na moda.

Na encíclica Fratelli Tutti, entre outras críticas duríssimas que faz ao neoliberalismo, o Papa Francisco diz que “o individualismo radical é o vírus mais difícil de vencer”. Como cristã, e como católica, entendo o texto do Papa, em especial este excerto, como uma exortação à solidariedade, para pôr fim à “especulação financeira, tendo a ganância de lucro fácil como objetivo fundamental” que, assente na super-exploração, continua a “fazer estragos”.

Para o Papa, há que “voltar a pôr a dignidade humana no centro e sobre este pilar devem ser construídas as estruturas sociais alternativas de que precisamos” (esta é, de resto, também a agenda da OIT relativamente ao futuro do trabalho). É, por isso, com muita esperança que registo graduais conquistas de direitos e condições pelos sindicatos de alguns países em desenvolvimento com intensa (e pouco supervisionada) atividade industrial. Os trabalhadores de algumas gigantes transnacionais, como a Amazon ou a Google, encabeçam novas formas globais de solidariedade e luta pelos direitos de todos. Em todo o mundo, surgem movimentos cada vez mais organizados de trabalhadores das plataformas digitais (gig workers). Em Portugal, nos últimos anos, plataformas de trabalhadores precários como os FERVe, Precários Inflexíveis, Movimento dos Trabalhadores em Arquitectura e movimentos de trabalhadores da cultura têm marcado a diferença nas formas de luta e nas conquistas de milhares de trabalhadores.

“O direito de alguns à liberdade de empresa ou de mercado não pode estar acima dos direitos dos povos e da dignidade dos pobres; nem acima do respeito pelo ambiente.”

Trabalhadores cristãos do mundo: unimo-nos?

 

P.S. – Dedico esta primeira contribuição para o 7MARGENS a alguém que valorizava, como poucos, a luta coletiva dos trabalhadores, e que foi capaz de criar as pontes necessárias para mudar a vida de milhões deles em toda a Europa, no seu trabalho de mais de 30 anos na Direção Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão, da Comissão Europeia. O meu tio Fernando Vasquez partiu em julho e, com a sua ação, marcou em definitivo todas as mais importantes iniciativas da CE no domínio da política social desde os anos 1990. A contratação e negociação coletiva foram duas das suas grandes lutas.

Resta-me seguir-lhe o exemplo e bater o pé, confiando que o mundo treme o suficiente para que ele se orgulhe de mim.

 

Ana Vasquez trabalha em Comunicação e Marketing

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This