Igreja Anglicana de Inglaterra

Abençoar relações homossexuais, sim. Celebrar casamentos, não

| 18 Jan 2023

“A recusa [dos bispos] em propor a votação para permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo provavelmente enfurecerá os ativistas que desejam mudanças dentro da Igreja.” Foto © Ian Taylor | Unsplash.

O clero anglicano poderá presidir a serviços de oração e de ação de graças para acolher a relação de casais do mesmo sexo, ou a de pessoas do mesmo sexo civilmente casadas, mas não será autorizado a casá-las. Esta é a síntese da recomendação acordada no dia 17 de janeiro na reunião do Colégio e Câmara dos Bispos, reunidos em Londres, que vai ser submetida ao Sínodo Geral da Igreja de Inglaterra (Anglicana), o qual se realiza entre 6 e 9 de fevereiro.

De acordo com a BBC, “a recusa [dos bispos] em propor a votação para permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo provavelmente enfurecerá os ativistas que desejam mudanças dentro da Igreja. Alguns já disseram que pedirão ao Sínodo que recuse a proposta dos bispos” e vote no sentido de mudar a lei canónica para permitir que o clero presida à celebração do casamento de casais do mesmo sexo.

A Igreja Anglicana abriu, em 2017, um período prolongado de consulta intitulado “Viver em Amor e Fé”, a propósito do seu ensinamento sobre o matrimónio, a sexualidade e a forma de acolher as uniões homossexuais. Na semana passada, foram tornadas públicas várias tomadas de posição de bispos favoráveis à mudança do ensinamento tradicional, na linha do que defendeu o bispo de Oxford. Mas, de acordo com fonte citada pela BBC, “o ensinamento da Igreja de que o Sagrado Matrimónio se realiza apenas entre um homem e uma mulher não mudará e não será sequer submetido a votação [durante o próximo Sínodo Geral]”.

O Sínodo Geral é uma estrutura complexa com três assembleias (leigos, padres e bispos) exigindo diferentes maiorias para a aprovação de documentos, conforme a sua apreciação é feita por cada uma das assembleias, ou na reunião de todas elas. De acordo com o Church Times de dia 18 de janeiro, “se houver uma votação da recomendação de abençoar as uniões homossexuais na Igreja pelas assembleias – clero, leigos e bispos – isso exigiria apenas uma maioria simples em cada uma”. O resultado do processo de discernimento  iniciado há cinco anos só será conhecido no dia 9 de fevereiro no termo do Sínodo Geral. Mas, para já, os bispos reunidos na terça-feira redigiram uma carta endereçada à comunidade LGBT em que pedem perdão as estas pessoas pela “rejeição, exclusão e hostilidade” que elas enfrentaram nas igrejas e pelas repercussões que isso teve nas suas vidas.

O debate sobre estas matérias não tem ficado circunscrito ao interior da Igreja de Inglaterra, tendo vários anglicanos, incluindo deputados eleitos por ambos os principais partidos, endereçado cartas abertas aos seus bispos diocesanos de apoio à celebração de casamentos gay na Igreja.

 

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril

Três obras para ler

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril novidade

Abril, livros mil é o cliché óbvio, e até preguiçoso, para o manancial de edições no mercado livreiro português sobre os 50 anos do 25 de Abril ou que, aproveitando a efeméride redonda da Revolução dos Cravos, se inscrevem na história da ditadura do Estado Novo e da democracia nascida em 1974. O 7MARGENS traz três (breves) propostas. Abril é sinónimo de diversidade e as férias podem ser ocasião para descobrir mais como se fez a democracia que vivemos há cinco décadas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário

De norte a sul do país

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário novidade

O período do verão é muitas vezes utilizado pelos jovens bahá’ís como uma oportunidade para dedicar tempo ao serviço, e este ano não está a ser diferente. A Caravana de Serviço, um projeto que reúne jovens de diversas localidades para atividades de serviço comunitário de norte a sul do país, começou com grande entusiasmo no final de junho com o evento Reconecta, realizado em Monchique, e já em julho com um  acampamento nacional, em Palmela.

Palavras violentas, consequências violentas

Palavras violentas, consequências violentas novidade

Com uma percentagem significativa do país armada, e pelo menos uma percentagem violentamente zangada, temos de concordar que a única esperança para a paz é, como se diz, “reduzir a retórica”. – A reflexão de Phyllis Zagano sobre o panorama atual nos EUA

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This