Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

| 10 Dez 19

Ecrãs num jardim de luz para anunciar o Nobel da Paz de 2019, o primeiro-mnistro etíope Abiy Ahmed Ali. Foto Sabine Rønsen (WMNO) /Wikimedia Commons

 

Por tentar, desde há menos de dois anos, promover a paz entre a Etiópia (o seu país) e a Eritreia, por tentar pacificar o seu país através de amnistias a adversários políticos e acabando com a censura aos meios de comunicação e por tentar aumentar a importância das mulheres no país, o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

E não é só a nível político que se notam os esforços de reconciliação do mais recente laureado com o Nobel da Paz. O primeiro-ministro ajudou também à aproximação entre duas correntes da Igreja Ortodoxa Etíope, divididas por razões políticas, desde 1991. No país, os cristãos ortodoxos são, mesmo, o maior grupo religioso do país (com perto de 50% da população), à frente de 34% de muçulmanos e 19% de cristãos protestantes – os católicos são menos de um por cvento, mesmo assim respeitados, pelo seu apoio aos mais pobres, como refere o Catholic Herald.

O Christianity Today recordou recentemente que Ahmed Ali iniciara já também, ainda antes de ser primeiro-ministro, um processo de reconciliação entre muçulmanos e cristãos na sua cidade natal de Beshasha.

Assim que tomou posse como primeiro-ministro, o agora Nobel começou a reunir com o patriarca Abuna Matias, da Etiópia, para tentar acabar com a zanga de três décadas, como noticiou, já em Julho de 2018, a Rede de Média Ortodoxos OCP.

Filho de pai muçulmano e mãe ortodoxa, Abiy Ahmed acabou por se tornar protestante pentecostal – um pentay, como são designados. E a sua fé cristã tem sido determinante na procura incessante pela paz. Numa cerimónia de graduação de estudantes de medicina, o primeiro-ministro convidou-os a usar “ideias e não armas” e a olhar para o exemplo de um país como o Japão, que recuperou da II Guerra Mundial para construir uma economia desenvolvida – relatou a BBC.

 

“A energia, a paixão e a certeza” de um “pregador revivalista”

A mesma fonte reproduz também o testemunho de uma pequena agricultora que vive na zona de fronteira com a Eritreia. Elsa Tesfaye perdeu um irmão na guerra entre os dois países – uma das 80 mil vítimas da guerra cujo fim já permitiu retomar viagens e telecomunicações entre os dois países – e por isso agradece ao primeiro-ministro ter trazido a paz ao país. A BBC caracteriza-o como “um cristão pentecostal devoto”, com “a energia, a paixão e a certeza” próprias de um “pregador revivalista”.

Elsa Tesfaye manifesta-se também preocupada com as divisões étnicas do seu país – dividido entre os oromo (com cerca de 34% da população), os amhara (27%), somali e tigrayan (6% cada) e várias outras pequenas tribos – e com o facto de o seu filho poder prosseguir os estudos de engenharia em outros sítio do país. “[As reformas] são óptimas. Mas ainda é preciso algum trabalho. Se o conflito étnico e o ódio forem ultrapassados, eu ficaria satisfeita”, diz, ainda citada pela BBC.

O pentecostalismo adoptado por Abiy Ahmed Ali abrangia, há 50 anos, um por cento dos etíopes. Ouvido pelo Catholic Herald, Andrew DeCort, do Instituto para o Cristianismo e o Bem Comum, explica o desta corrente cristã com “a característica sedutora do pentecostalismo”, a ideia “de que nada é impossível”.

Alistair Jones, padre dominicano, acrescenta: “Para muitos africanos, desesperados por progresso, o pentecostalismo representa a modernidade e a possibilidade de fazer a mudança acontecer. É difícil não ver uma relação entre isso e as palavras e acções” de Abiy. “A sua fé anima a sua política. Mesmo quando ele fala, soa um pouco como um pregador. A nova geração de pentays dá a impressão de encarar o mundo moderno de frente e de enfrentar o desafio. Pode-see discordar da teologia deles, mas há algo aqui com que os católicos podem aprender.”

 

“Este prémio é para a Etiópia e o continente africano”

Membro da Igreja dos Crentes do Evangelho Pleno, o primeiro-ministro afirmou, quando assumiu o cargo: “Temos um país dotado de grandes dons e riquezas, mas está faminto de amor.” E, quando há dois meses foi anunciado o Nobel, ele escreveu na rede social Twitter: “Sinto-me humilde perante a decisão do Comité Nobel da Noruega. A minha mais profunda gratidão a todos os que estão comprometidos e a trabalhar pela paz.” E acrescentava, citado ainda pelo Christianity Today: “Este prémio é para a Etiópia e o continente africano. Vamos prosperar em paz!

Claro que, até agora, Abiy Ahmed Ali apenas pôs em marcha as reformas iniciais e um processo de pacificação nacional e com a Eritreia. Muito está ainda por fazer e concretizar. Um dos desafios maiores é conseguir evitar qualquer retrocesso em o recurso à violência ou ao poder autoritário, como tem acontecido no país, nas últimas décadas. Outro será o de conseguir manter o impulso das reformas até às eleições do próximo ano.

Há quem diga que a distinção do Nobel foi cedo demais, que o primeiro-ministro conseguiu muito pouco e que a sua governação não está isenta de críticas. Mas o Comité Nobel parecia ter a resposta também para essas reservas, quando anunciou a sua decisão: “Mesmo que ainda haja muito trabalho, Abiy Ahmed iniciou reformas importantes que dão a muitos cidadãos a esperança de uma vida melhor e de um futuro melhor.”

Ahmed é o 24º africano a ser distinguido com o Nobel da Paz. Em 2018, Denis Mukwege, médico cristão que se tem dedicado à cura de vítimas de violação na República Democrática do Congo, foi um dos vencedores.

Continuar a ler...

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Comunicar na era do coronavírus novidade

Byung-Chul Han é um observador perspicaz da sociedade contemporânea, por ele designada de várias maneiras, como “a sociedade do cansaço” ou “a sociedade da transparência”. Professor universitário em Berlim, ele analisa criticamente aquilo que designa como “o inferno do igual”, ou seja, algo de inevitável naqueles que a todo o custo pretendem ser diferentes mas que, na realidade, se aproximam por esse desejo comum – aliás não conseguido – de originalidade.

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco