Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

| 10 Dez 19 | Destaques, Newsletter, Pessoas, Pessoas - homepage, Últimas

Ecrãs num jardim de luz para anunciar o Nobel da Paz de 2019, o primeiro-mnistro etíope Abiy Ahmed Ali. Foto Sabine Rønsen (WMNO) /Wikimedia Commons

 

Por tentar, desde há menos de dois anos, promover a paz entre a Etiópia (o seu país) e a Eritreia, por tentar pacificar o seu país através de amnistias a adversários políticos e acabando com a censura aos meios de comunicação e por tentar aumentar a importância das mulheres no país, o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

E não é só a nível político que se notam os esforços de reconciliação do mais recente laureado com o Nobel da Paz. O primeiro-ministro ajudou também à aproximação entre duas correntes da Igreja Ortodoxa Etíope, divididas por razões políticas, desde 1991. No país, os cristãos ortodoxos são, mesmo, o maior grupo religioso do país (com perto de 50% da população), à frente de 34% de muçulmanos e 19% de cristãos protestantes – os católicos são menos de um por cvento, mesmo assim respeitados, pelo seu apoio aos mais pobres, como refere o Catholic Herald.

O Christianity Today recordou recentemente que Ahmed Ali iniciara já também, ainda antes de ser primeiro-ministro, um processo de reconciliação entre muçulmanos e cristãos na sua cidade natal de Beshasha.

Assim que tomou posse como primeiro-ministro, o agora Nobel começou a reunir com o patriarca Abuna Matias, da Etiópia, para tentar acabar com a zanga de três décadas, como noticiou, já em Julho de 2018, a Rede de Média Ortodoxos OCP.

Filho de pai muçulmano e mãe ortodoxa, Abiy Ahmed acabou por se tornar protestante pentecostal – um pentay, como são designados. E a sua fé cristã tem sido determinante na procura incessante pela paz. Numa cerimónia de graduação de estudantes de medicina, o primeiro-ministro convidou-os a usar “ideias e não armas” e a olhar para o exemplo de um país como o Japão, que recuperou da II Guerra Mundial para construir uma economia desenvolvida – relatou a BBC.

 

“A energia, a paixão e a certeza” de um “pregador revivalista”

A mesma fonte reproduz também o testemunho de uma pequena agricultora que vive na zona de fronteira com a Eritreia. Elsa Tesfaye perdeu um irmão na guerra entre os dois países – uma das 80 mil vítimas da guerra cujo fim já permitiu retomar viagens e telecomunicações entre os dois países – e por isso agradece ao primeiro-ministro ter trazido a paz ao país. A BBC caracteriza-o como “um cristão pentecostal devoto”, com “a energia, a paixão e a certeza” próprias de um “pregador revivalista”.

Elsa Tesfaye manifesta-se também preocupada com as divisões étnicas do seu país – dividido entre os oromo (com cerca de 34% da população), os amhara (27%), somali e tigrayan (6% cada) e várias outras pequenas tribos – e com o facto de o seu filho poder prosseguir os estudos de engenharia em outros sítio do país. “[As reformas] são óptimas. Mas ainda é preciso algum trabalho. Se o conflito étnico e o ódio forem ultrapassados, eu ficaria satisfeita”, diz, ainda citada pela BBC.

O pentecostalismo adoptado por Abiy Ahmed Ali abrangia, há 50 anos, um por cento dos etíopes. Ouvido pelo Catholic Herald, Andrew DeCort, do Instituto para o Cristianismo e o Bem Comum, explica o desta corrente cristã com “a característica sedutora do pentecostalismo”, a ideia “de que nada é impossível”.

Alistair Jones, padre dominicano, acrescenta: “Para muitos africanos, desesperados por progresso, o pentecostalismo representa a modernidade e a possibilidade de fazer a mudança acontecer. É difícil não ver uma relação entre isso e as palavras e acções” de Abiy. “A sua fé anima a sua política. Mesmo quando ele fala, soa um pouco como um pregador. A nova geração de pentays dá a impressão de encarar o mundo moderno de frente e de enfrentar o desafio. Pode-see discordar da teologia deles, mas há algo aqui com que os católicos podem aprender.”

 

“Este prémio é para a Etiópia e o continente africano”

Membro da Igreja dos Crentes do Evangelho Pleno, o primeiro-ministro afirmou, quando assumiu o cargo: “Temos um país dotado de grandes dons e riquezas, mas está faminto de amor.” E, quando há dois meses foi anunciado o Nobel, ele escreveu na rede social Twitter: “Sinto-me humilde perante a decisão do Comité Nobel da Noruega. A minha mais profunda gratidão a todos os que estão comprometidos e a trabalhar pela paz.” E acrescentava, citado ainda pelo Christianity Today: “Este prémio é para a Etiópia e o continente africano. Vamos prosperar em paz!

Claro que, até agora, Abiy Ahmed Ali apenas pôs em marcha as reformas iniciais e um processo de pacificação nacional e com a Eritreia. Muito está ainda por fazer e concretizar. Um dos desafios maiores é conseguir evitar qualquer retrocesso em o recurso à violência ou ao poder autoritário, como tem acontecido no país, nas últimas décadas. Outro será o de conseguir manter o impulso das reformas até às eleições do próximo ano.

Há quem diga que a distinção do Nobel foi cedo demais, que o primeiro-ministro conseguiu muito pouco e que a sua governação não está isenta de críticas. Mas o Comité Nobel parecia ter a resposta também para essas reservas, quando anunciou a sua decisão: “Mesmo que ainda haja muito trabalho, Abiy Ahmed iniciou reformas importantes que dão a muitos cidadãos a esperança de uma vida melhor e de um futuro melhor.”

Ahmed é o 24º africano a ser distinguido com o Nobel da Paz. Em 2018, Denis Mukwege, médico cristão que se tem dedicado à cura de vítimas de violação na República Democrática do Congo, foi um dos vencedores.

Continuar a ler...

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa avisa contra notícias falsas e louva a Bíblia como “história de histórias”

O Papa Francisco considera que a Bíblia é uma “história de histórias”, que apresenta um Deus “simultaneamente criador e narrador”. Na sua mensagem para o 54º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que a Igreja Católica assinala em Maio, o Papa desenvolve o tema “‘Para que possas contar e fixar na memória’ (Ex 10, 2). A vida faz-se história”.

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Bispo Jacques Gaillot: o que permanece novidade

Faz por estes dias 25 anos que Jacques Gaillot, arcebispo de Évreux (n.1935), foi dispensado da sua diocese, por intervenção e denúncia de católicos conservadores, manifestantes contra as suas causas sociais, os seus testemunhos e defesas formais em tribunal pelas “periferias,” pelos cidadãos sem documentos, pelos mais frágeis na sociedade. Parténia foi a sua “virtual” diocese sem fronteiras, em sequência. Hoje vive em Paris, com os padres Sanatarianos.

Franz Jägestätter

Foi com imenso agrado que vi o filme de Terrence Malik Uma vida escondida, sobre a vida de Franz Jägestätter, um camponês austríaco (beatificado em 2007) que, por razões de consciência, recusou prestar fidelidade a Adolf Hitler (em quem via incarnada a subversão completa dos valores cristãos) e assim servir o exército nacional-socialista, recusa que lhe custou a vida.

Taizé: continuar o caminho deste novo ano

Estive presente em mais uma etapa da peregrinação da confiança – o encontro europeu anual promovido pela comunidade de Taizé. A cidade que acolheu este encontro foi Breslávia (Wrocław), na Polónia, e nele estiveram presentes mais de 15 mil jovens de todo o mundo.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco