“Abra a cortina, por favor!”

| 6 Jun 2022

Mulher a abrir uma cortina. Foto © Pexels

Abrir a cortina para o outro. Foto © Pexels

 

Conta-se a história de um casal que entrou num restaurante para almoçar. A mesa que reservaram ficava junto a uma grande janela com vista privilegiada para a grande avenida da cidade. Entre a conversa, o almoço foi servido com todo o requinte. O que poderia estragar e interromper este momento a dois?! De repente, todo este cenário muda quando o casal se apercebe que, do lado de fora, encostada ao vidro, estava uma criança olhando fixamente para o manjar sobre aquela mesa. A fome era notória na criança e tão pouco seria preciso muito esforço para compreender o que ela pensava e queria. Perante isto, o marido chamou o empregado, mostrou-lhe a criança e num tom aborrecido e meio constrangedor disse: “Queremos almoçar sossegados. Feche a cortina, por favor.”

Sempre que ouço esta história tenho a sensação de que o homem vai chamar o empregado para lhe pedir que coloque mais um lugar na sua mesa para sentar a criança e partilhar do almoço e conforto com ela, ou então, oferecer e pedir para levar-lhe uma refeição. Mas sabemos que não é assim. E o que pensou que o casal iria fazer? Como se sentiu ao ler o final da história? O normal será sentir indignação por este ato de perfeita injustiça, falta de compaixão e de puro egoísmo.

Quando uma história destas é contada tem como objetivo não permitir que fiquemos apenas por comentários e pareceres, mas levar-nos a uma tomada de decisão. E mesmo sendo contada pelo lado negativo, ela desafia-nos a ser diferentes daquele casal, a amar o próximo como a nós mesmos.

Fechar a cortina para não nos sentirmos incomodados ou desafiados a socorrer, chama-se indiferença, reflexo da falta de empatia, amor e humanidade.

É mais fácil desligar a televisão ou mudar de canal para não ver os problemas e necessidades que os outros estão a sofrer. É mais cómodo ficar em casa do que gastar algum tempo para ir ajudar alguém. É mais relaxante ouvir uma música do que disponibilizar-se para ouvir alguém que está angustiado. É-se mais pronto a arranjar desculpas por causa da falta de tempo, amaciando hipocritamente a consciência incomodada. É mais fácil gastar dinheiro em coisas fúteis do que contribuir para uma causa solidária. É mais fácil ir para ali e acolá e nem ver “a criança faminta”.

É verdade que é impossível chegarmos a todos os lugares e ajudarmos todas as pessoas, mas todos conseguimos olhar ao nosso redor e escolher não ser nem viver na indiferença para com o nosso próximo. E o pouco que possamos ter para partilhar é sempre muito para quem não tem nada.

Porque será que muitas pessoas se admiram ou fascinam com histórias de benfeitores? Não será que o número dos que intervêm é bem inferior ao dos que apenas falam? Estaremos a falar de algo raro ou em extinção? Afinal, não deveria ser de todos nós a prática do bem, do socorro, da beneficência? Não importa se somos anónimos ou muito conhecidos, mas importa que cada vez mais haja um número crescente de pessoas e instituições que cheguem junto da “criança faminta”, ou seja, do necessitado e responda satisfatoriamente.

Fechar a cortina não é a solução, mesmo quando o que vemos seja por vezes tão avassalador e nos faça sentir tão incapazes. Fechar a cortina não apaga absolutamente nada, ela só esconde a necessidade do outro e revela o nosso coração.

“Abre a sua mão ao pobre, e estende as suas mãos ao necessitado.” (Provérbios 31, 20)

“Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como reside nele o amor de Deus?” (Primeira Carta de João 3, 17)

 

Isabel Ricardo Pereira é missionária evangélica; contacto: isabeljose@sapo.pt

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

O cristianismo resiste

O cristianismo resiste novidade

Expomos neste artigo a dispersão das crenças religiosas dos portugueses nos últimos 120 anos, baseados nos censos da população, publicados pelo Instituto Nacional de Estatística no dia 23 de Novembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This