Depois do encontro com Francisco

Pedro Abrunhosa: “Acredito convictamente neste Papa e no seu papel reformista”

| 24 Jun 2023

Pedro Abrunhosa, Papa Francisco, Arte, Artistas, Capela Sistina

Pedro Abrunhosa no encontro do Papa Francisco com os artistas, na Capela Sistina (Vaticano), 23 Junho 2023. Foto © Vatican Media

 

“Agnóstico me confesso, mas acredito convictamente neste Papa, no seu papel reformista que, estou certo, deixará marca indelével e fará da instituição católica uma nova igreja abrangente e inclusiva. Porque ao invés de tentar levar os homens a Deus, Francisco traz Deus aos Homens.”

A afirmação é do músico e compositor Pedro Abrunhosa e foi publicada nas suas contas do Instagram e do Facebook, nesta sexta-feira, 23, depois do encontro de cerca de 200 artistas de todo o mundo com o Papa Francisco. “Uma marcante cerimónia que decorreu no local mais emblemático para a Arte e Cultura Ocidentais: a Capela Sistina”, diz Abrunhosa.

O músico descreve: “Com uma força anímica ímpar, saído de uma recente intervenção cirúrgica, o Papa trouxe palavras surpreendentes aos Artistas ali presentes: a Arte deve ser inconveniente, irónica, interventiva.”

Resumindo o discurso do Papa, de que o 7MARGENS deu conta, Pedro Abrunhosa sentiu-se a convergir com o Papa na “visão da espiritualidade sublime do acto criativo”. E afirma: “A Arte, como o Amor, salva-nos da escura noite da guerra, do ódio, da intolerância. Num comovente discurso de meia hora, o Papa Francisco disse o que poucos responsáveis políticos toleram: o papel fundamental da Cultura, da Arte, do Sonho, na construção de uma comunidade integra, longe dos vícios da corrupção e da simonia.”

Papa quer artistas a serem “intérpretes do grito silencioso” dos pobres

O autor de Se Eu Fosse Um Dia o Teu Olhar refere que Francisco “citou Hannah Arendt e Simone Weil, duas mulheres não-católicas e figuras cimeiras do pensamento filosófico contemporâneo” – Simone Weil, oriunda de uma família judia não-praticante aproximou-se de facto do catolicismo, mas nunca quis ser baptizada. “Para Francisco, o Artista é um ‘pouco profeta’, ‘um visionário’, um homem que ‘vê e que sonha’, que, pelo acto criativo, revela ‘coisas novas ao mundo’”, escreve Abrunhosa. E acrescenta o músico que esse é também, para ele, “o papel maior de cada” uma das pessoas “que se ergue pela Arte: fazer o novo, romper mas também elevar e, sobretudo, fazer transcender”.

“A Arte é um lugar especial, também para o Papa, um feito que nos liberta da vileza do banal, do egoísmo, da fúria do consumismo, porque a Arte, ímpeto do espírito, é vida para além do resultado, da substância, do sucesso, da vaidade”, escreve ainda Abrunhosa, para quem “o Artista deve confrontar o poder e acudir aos mais fracos, aos pobres, não se fazendo hipérbole de si próprio, usando o real para transformar o real”.

Além de Pedro Abrunhosa, estiveram no encontro outros seis artistas portugueses: Rui ChafesVhils e Joana Vasconcelos (artistas plásticos), Gonçalo M. Tavares e José Luís Peixoto (escritores) e Marta Braga Rodrigues (arquitecta). Participaram também o músico angolano Paulo Flores, os artistas plásticos Pedro A.H. Paixão (de Angola) e Vik Muniz (do Brasil), e ainda o indo-britânico Anish Kapoor, bem como o pianista italiano Ludovico Einaudi, o realizador norte-americano Abel Ferrara ou o escritor espanhol Javier Cercas.

 

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã novidade

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This