Cabo Delgado

Abudo Gafuro é Voluntário do Ano em Moçambique

| 6 Dez 2022

Abudo Gafuro Manana, Associação Kuendeleya, Cabo Delgado, Moçambique, Refugiados, terrorismo, Voluntariado,

Abudo Gafuro Manana, presidente da Associação Kuendeleya, com o certificado do Prémio Voluntário do Ano. Foto: Direitos reservados.

Abudo Gafuro Manana, presidente da Associação Kuendeleya, criada em Cabo Delgado (Moçambique), por jovens católicos, protestantes e muçulmanos, foi distinguido com o Prémio Voluntário do Ano pela Promoção da Paz e Coesão Social, atribuído pelo programa de Voluntários das Nações Unidas. Numa cerimónia nacional realizada no último sábado, 3 de Dezembro, em Pemba, foi reconhecida a contribuição voluntária de Abudo Gafuro em favor do bem-estar da comunidade moçambicana.

O prémio reconhece-lhe o “empenho na solidariedade”, os “valores pessoais”, a “honra” e o “serviço à humanidade”. O jovem activista social, defensor dos Direitos Humanos, tem desenvolvido em Pemba um frutuoso trabalho de educação de crianças e de formação técnica e profissional de adolescentes [ver 7MARGENS].

“Fazer o bem para o bem”, defende Abudo Gafuro, explicando que “ser voluntário é um enorme desafio, mas devemos apoiar-nos uns aos outros para fazer a diferença nas comunidades”. Este trabalho voluntário, acrescenta, é essencial para promover “a inclusão social, a coesão, a reconciliação, a partilha, a paz, a liberdade, o respeito e a dignidade humana”. É, além disso, fundamental “para um desenvolvimento integral e sustentável”.

A Associação Kuendeleya foi criada para cumprir o desígnio de ajudar os mais novos, mas o trabalho que se desenvolve tem procurado mais amplamente minorar o sofrimento dos inúmeros deslocados que fogem das zonas mais flageladas pelo terrorismo que se reivindica do islão, como o 7MARGENS já referiu.

A iniciativa de premiar o Voluntário do Ano contou com a parceria do Conselho Nacional de Voluntariado e da Secretaria de Estado da Juventude e Emprego.

 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This