[O flagelo que não acaba (V)]

Abusos sexuais: Blasfémia!

| 9 Mar 2023

Abusos

Ilustração original de © Catarina Soares Barbosa para o 7Margens

 

Ninguém pôde continuar como se nada tivesse acontecido, depois de ouvir o relatório devastador da Comissão Independente que ouviu as vítimas de abuso na Igreja.

Nem nesse dia nem nos seguintes. E espero que nunca nos habituemos a semelhante dor.

A realidade nauseabunda dos abusos, o flagelo que não acaba, não é um problema português, nem italiano, nem francês, nem espanhol. É um problema da Igreja, de toda ela e, portanto, de todos nós que nos consideramos Igreja. Porque, embora não gostemos de o reconhecer, a nossa Igreja está podre até à raiz.

Por isso, embora eu não seja portuguesa, atrevo-me a dedicar uma reflexão, no âmbito desta série de artigos que tenho estado a publicar neste jornal, para fazer uma proposta face ao que tem vindo a ser tornado público pela Comissão, e vendo que, periodicamente, os casos que aparecem crescem em obscenidade, surpreende-me que até agora, ninguém que eu me lembre, tenha qualificado os abusos sexuais na Igreja como uma blasfémia, porque atentam contra o que há de mais sagrado no mundo: a vida humana. Quem blasfema, amaldiçoa. E estamos a ver como uma série de pessoas repulsivas e sem alma amaldiçoaram a vida de inocentes. Fossem crianças ou adultos.

Agora já sabemos algo sobre o que aconteceu porque, pelo que parece, o que a Comissão descobriu é apenas a parte visível do iceberg. Sabemos que não podemos permanecer de braços cruzados e que devemos estar vigilantes para que se faça justiça às vítimas.

No entanto, podemos fazer muito mais se nos tornarmos justamente exigentes. No passado dia 15 de fevereiro, António Marujo e Manuel Pinto assinaram conjuntamente no 7MARGENS um artigo intitulado Não pode haver meio termo na resposta aos abusos: as 25 tarefas urgentes em que apresentavam treze tarefas a curto prazo, e outras doze a médio prazo. Quando o li pela segunda vez, deparei-me com uma das tarefas mais urgentes que tem de ser empreendida.

Esta tarefa, e aqui está a minha proposta, é que todo o candidato ao sacerdócio que queira ser ordenado deverá realizar previamente, sem nenhuma exceção, o curso de safeguarding, e, sem essa acreditação, a ordenação terá de esperar. Da mesma forma, quem se esteja a preparar para os votos perpétuos, independentemente de serem homens ou mulheres, deveria fazê-lo. Evidentemente, o mesmo para os bispos que veriam atualizado o curso comumente designado de babybishops, que fazem em Roma quando acabam de ser consagrados. E não, não me esqueço dos núncios tão diretamente implicados na eleição dos anteriores.

Os formadores dos seminários, das congregações religiosas, quem tenha responsabilidades pastorais deveria fazê-lo. Até agora, muitos leigos já o fizeram. Seria bom que se ampliasse o tipo de corpo discente. Poderia ser uma maneira de renovar a formação permanente do clero.

Muitas vítimas morreram sem ver justiça nenhuma porque o tempo passou sem que ninguém as atendesse. Outras suicidaram-se porque a vida tinha todos os dias o gosto e o cheiro do abuso. O que para alguns era a intuição daquilo que se aproximava, é já para todos uma evidência comprovada.

Não é uma guerra acabada. É uma batalha travada, apenas isso. O abuso de poder continua, os abusos sexuais também. Os agressores sexuais, disfarçados sobretudo como mestres espirituais, também. Muito cuidado com esses mestres espirituais de voz baixa, movimentos elegantes e contidos, porque alguns deles, no momento que possam, envolvem a sua presa e devoram-na psicológica, espiritual e sexualmente sem o menor escrúpulo.

Há quem tenha tido a ousadia de afirmar, tanto em âmbito público como no meio eclesial, uma opinião pessoal desde uma pressuposta atalaia de superioridade moral – tão inexistente quanto vazia – que não só insulta sem consideração as vítimas, como a qualquer cristão e, inclusivamente, a um não crente. Dir-se-ia que a maior preocupação para alguns é que a Igreja não pague um euro às vítimas e que os seus ouvidos não ouçam a crueza daquilo que viviam diariamente muitas vítimas. Mas há que ouvir e, mais ainda, há que escutar.

No filme Spotlight há uma cena em que o jornalista do Globe se encontra com uma vítima e esta fala de toques e violação. A jornalista, com muito cuidado, faz-lhe ver que a linguagem será muito importante para que todo o mundo saiba o que aconteceu e que terá de ser muito explícito. Tinha toda a razão. E agora devemos escutar a crueza daquilo que passaram.

Se a Igreja “não sabia” o que se passava, isso não a exime de ser responsável. Tem responsabilidade institucional e responsabilidade moral, porque não soube ou não quis formar bem os seus pastores, que deviam cuidar dos mais débeis; porque na formação deu prioridade à figura do clérigo, formando-o naquilo a que poderíamos chamar de “cultura da impunidade” que tão bem aprenderam os grandes especialistas do clericalismo, e que nos trouxe até a situação em que estamos, e na qual se lhes fez acreditar que seriam intocáveis por serem clérigos, por serem – por se julgarem – superiores.

Não. Não são. Não são intocáveis, e sim, são membros de uma instituição que os protegeu desde um espaço de poder corrompido. A única vez que Jesus mostra um traço de ira no evangelho é quando expulsa os vendedores do templo. Jesus não age contra uns comerciantes inocentes. Jesus age contra toda uma trama de poder corrompido que tinha no templo a sua sede central, e nos seus sacerdotes, os seus funcionários mais eficientes. Que diferença havia entre eles e nós? Não me cansarei de repetir que a luta contra os abusos começa nos seminários e nas casas de formação dos aspirantes à vida religiosa.

Em parte, vamos sabendo algo do que aconteceu com as crianças. No entanto, prestamos atenção a outras instituições da Igreja para as quais não olhamos? Em muitos países de outros continentes estão a pôr-se sobre a mesa as denuncias de religiosas abusadas de muitas formas, inclusive sexualmente, é claro. Quanto de tudo disto é devidamente processado no Vaticano? É um aspecto a ter em conta neste flagelo que não acaba.

 

Cristina Inogés Sanz é teóloga e integra a comissão metodológica do Sínodo dos Bispos católicos. Tradução de Júlio Martin.

 

Ateu ou cristão, qualquer um frequenta esta missão

Iniciativa da pastoral universitária

Ateu ou cristão, qualquer um frequenta esta missão novidade

Para entrar na Missão País, não é preciso ser-se católico praticante. Basta levar consigo a fé e o espírito de serviço. A iniciativa é desenvolvida em várias universidades e quer “inspirar gerações a viver a fé católica em missão”. Entre 11 e 18 de fevereiro, 59 jovens universitários viveram em Mogadouro, no distrito de Bragança, onde desenvolveram trabalho voluntário no lar de idosos e no centro infantil. O 7MONTES recolheu testemunhos de quem viveu esta experiência por “dentro” e de “fora”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Conselho Português de Igrejas Cristãs apela a voto que “salvaguarde conquistas” do 25 de Abril

Rejeitando "discursos políticos autoritários"

Conselho Português de Igrejas Cristãs apela a voto que “salvaguarde conquistas” do 25 de Abril novidade

O Conselho Português de Igrejas Cristãs (COPIC) apela ao voto “de todas e todos” os portugueses nas legislativas de março, e também nas eleições para o parlamento Europeu que irão acontecer em junho, “como forma de participação cívica e de salvaguarda das conquistas e desenvolvimentos alcançados ao longo de 50 anos de democracia”, aludindo assim ao aniversário do 25 de Abril que este ano se assinala.

Seis religiosos, um padre e um professor católicos raptados no Haiti

Igreja particularmente ameaçada

Seis religiosos, um padre e um professor católicos raptados no Haiti novidade

Um padre que acabava de celebrar missa na capela de N. Sra de Fátima, seis Irmãos do Sagrado Coração e um professor leigo que se dirigiam para a escola católica João XXIII, ambas no centro de Porto Príncipe (capital do Haiti), foram raptados na passada sexta-feira por um gangue que está neste momento a exigir à Igreja Católica do Haiti elevados resgates para libertá-los,

A Loucura do Bem Comum

A Loucura do Bem Comum novidade

O auditório está quase cheio e no pequeno palco alguém inicia a conferência de abertura. Para me sentar, passo frente a quem chegou a horas e tento ser o mais discreta possível. Era o primeiro tempo do PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) de 2024 na Fundação Gulbenkian. O tema “Modelos de escuta e participação na cultura” desafiou-me a estar e ganhei esse tempo! [Texto Ana Cordovil]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This