Editorial

Abusos sexuais na Igreja: um passo acertado

| 10 Jan 2022

 

Em 5 de outubro de 2021, era apresentado em França o relatório de uma comissão independente sobre os abusos sexuais na Igreja, fruto do trabalho mais de dois anos de uma equipa de 20 peritos de diferentes formações, encomendado pela Conferência dos Bispos Franceses e pela Conferência dos Religiosos e Religiosas do país. Os resultados eram devastadores e surpreenderam mesmo os mais conhecedores da matéria. O impacto propagou-se internacionalmente.

Hans Zollner, um padre alemão que dirige um instituto sobre este tipo de abusos não perdeu tempo: é hora de as igrejas de outros países fazerem o mesmo tipo de estudos. Tendo estado, de resto, em Portugal, a convite da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), já na altura tinha alertado a Igreja Católica de que não bastava cumprir as leis canónicas, porque isso poderia implicar não colocar o cuidado com as vítimas, crianças e outras pessoas vulneráveis, como critério da ação.

O impacto do relatório francês fez-se sentir também em Portugal, em particular através de posições vindas a lume no espaço público e de um abaixo-assinado de perto de 300 católicos que defenderam a imprescindibilidade de um estudo independente do problema dos abusos na Igreja em Portugal.

Ao tomar a decisão de avançar com uma comissão independente, o episcopado português demonstrou ter sido sensível e ter acolhido os apelos vindos a público. O facto de, até ao presente, haver registo de relativamente poucos casos não exime a Igreja de conhecer em profundidade a situação.

Essa decisão é tão mais importante para a Igreja e para a sociedade quanto o coordenador designado para esse trabalho e a equipa que este escolheu serem cidadãos de reconhecida capacidade para abordar com independência e sensibilidade a problemática dos abusos.

O 7MARGENS, que tem acompanhado este assunto do ponto de vista informativo e editorial, congratula-se com as decisões tomadas e entende que elas vão no caminho certo – o de dar voz às vítimas e de se disponibilizar para reparar os eventuais danos que tenham sido causados por membros da Igreja. Esperamos que os primeiros resultados do trabalho agora iniciado possam ser conhecidos já este verão de modo a ajudar outras vítimas a tomarem a iniciativa de se dirigirem à Comissão, tal como os seus responsáveis também manifestaram.

Este jornal exprime ainda o desejo de que todas as entidades da esfera da Igreja – dioceses e congregações religiosas, além da própria Conferência Episcopal, sejam proativas na disponibilização dos arquivos e informações que possam ser relevantes para o trabalho da Comissão Independente, e céleres a responder às suas solicitações. Espera ainda que essas entidades e os órgãos de comunicação da Igreja difundam e mantenham visíveis as formas de eventuais vítimas contatarem a Comissão Independente.

Por fim, e uma vez que a grande parte dos crimes de abusos de crianças ocorre, também em Portugal, em contexto familiar, como referia recentemente a presidente da Comissão Nacional de Proteção de Crianças, por alturas do Dia Europeu da Proteção das Crianças Contra a Exploração e o Abuso Sexual, era bom que os responsáveis pelas políticas familiares e outros agentes sociais cuidassem de tomar as medidas que se impõem. Em nome do superior interesse das crianças.

 

Igreja precisa mais dos média do que o contrário

Debate 7M: A Igreja e os média (1)

Igreja precisa mais dos média do que o contrário novidade

Quando se pergunta se em Portugal a relação da Igreja com os média e os jornalistas é boa, uma resposta simplista é sempre uma má resposta, principalmente porque estamos a falar de uma instituição, a Igreja Católica, que por si só é uma multiplicidade de realidades. Para ser honesto, prefiro responder que não há uma resposta, mas muitas respostas, tantas quanto as instituições ou os serviços que constituem a Igreja portuguesa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

… E de novo tostões e milhões!

[Segunda Leitura]

… E de novo tostões e milhões! novidade

Para o sr. Berardo, pelos vistos, um milhão de euros deve ser uma ninharia. Porque ele deve cerca de 900 milhões. Ou seja: gente como nós precisava de viver novecentas vidas para acumular esse montão de notas. E como é que alguém, no espaço de meia dúzia de anos, consegue ficar a dever 900 milhões de euros?… Como?…

O melhor seria

O melhor seria novidade

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Abusos sexuais

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Gostaria de falar, em primeiro lugar, acerca da Igreja enquanto instituição de poder, porque essa é uma das maiores premissas que orientam o meu trabalho enquanto jornalista que se dedica à cobertura dos assuntos religiosos e, em especial, ao escrutínio da atividade da Igreja Católica. Que não haja dúvidas: a Igreja é uma instituição de poder.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This