Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

| 1 Jul 2022

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira. Depois de ter divulgado o testemunho de uma outra vítima e pela sua importância, o 7MARGENS divulga a seguir esse texto. O título é da nossa responsabilidade.

mulher sozinha a chorar foto pexels

“Durante anos, não soube o que chamar ao que me aconteceu nem sabia como lidar com isso. Sabia que me sentia muito mal, que sentia nojo, que tinha pesadelos…” Foto: © Pexels.

 

 

Tenho 50 anos. Desde os 13 que tenho consultas de psiquiatria. Sabia que algo de muito mau se tinha passado na minha igreja, com o padre da minha paróquia, amigo da minha família, um homem respeitadíssimo na diocese, com obras publicadas.

Na altura eu tinha cerca de seis anos e a coisa continuou até aos dez/onze anos.

Durante anos, não soube o que chamar ao que me aconteceu nem sabia como lidar com isso. Sabia que me sentia muito mal, que sentia nojo, que tinha pesadelos…

Conforme fui crescendo, fui percebendo que um homem, um padre, fez comigo coisas que nunca deveria ter feito. Comigo cresceu a certeza de que, de alguma forma, eu tinha culpa do que me aconteceu. Algo como: se ele fez o que fez, é porque eu deixei ou mereci.

Há poucos anos, li uma entrevista do padre Hans Zollner e fez-se luz. Percebi tudo. No mesmo dia entrei em contacto com um padre ligado à comissão [de proteção de menores] da minha diocese. Dias depois, falei com um bispo.

Contei tudo.

Embora dissessem que acreditavam em mim, senti que não acreditavam na totalidade. Perguntaram-me: “Tem mesmo a certeza que foi esse padre?”. E esta pergunta revela que eles não acreditavam totalmente.

Mais tarde, num outro relato que fiz para outras pessoas ligadas à diocese, um sacerdote disse-me: “É estranho estar a falar no padre X. Estive com ele tantas vezes e nunca me apercebi de nada.”

Imagino que quem faz denúncias ouça este tipo de coisas. São uma espécie de facadas no coração. Como se eu não me lembrasse de todos os cheiros, de todos os toques, de todas as palavras.

Disse sempre que não quero dinheiro nem nenhum tipo de compensação.

Reafirmo o que disse na primeira vez que denunciei o caso: quero que o padre em causa saiba que me fez muito mal. A mim e a outras crianças a quem eu sei que fez o mesmo. Quero que perceba que mudou a minha vida para pior, que há uma nuvem escura que nunca me larga.

É bonito e bom que os bispos peçam desculpa, mas o que eu queria mesmo é que os padres que sabem o que fizeram tivessem a humildade de pedir perdão às crianças de quem abusaram. Talvez a nuvem escura começasse a desaparecer…

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This