Editorial 7M

Abusos: tapar o horror com o pretenso mal alheio

| 28 Mar 2023

Abusos sexuais, vigília, oração, Jerónimos

Vigília de oração pelas vítimas de abusos sexuais na Igreja, promovida por católicos nos Jerónimos no dia 22 de Fevereiro 2023 (Quarta-feira de Cinzas). Foto © António Marujo/7Margens

 

A indignação dos amigos e conhecidos do P. Mário Rui Pedras, de Lisboa, a propósito do afastamento a que ele foi obrigado pode compreender-se. O que de todo já não se compreende nem se pode aceitar é que se mobilizem para apontar o dedo à Comissão Independente para o Estudos dos Abusos Sexuais contra Crianças na Igreja Católica Portuguesa (CI). De facto, esta apenas forneceu elementos. Quem os julgou suficientes para afastar o P. Mário Rui foi a Comissão de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis do Patriarcado de Lisboa, desde o início presidida pelo bispo Américo Aguiar.

De facto, se alguém agiu mal neste processo não foi a Comissão Independente, foi a Comissão do Patriarcado e o próprio patriarca. Não é justo, como faz José Luís Ramos Pinheiro (JLRP), gerente da Rádio Renascença, em artigo publicado na sexta-feira, no seguimento de outras posições vindas a público, aproveitar a decisão da Comissão do Patriarcado e do próprio cardeal-patriarca para atacar a CI. Esta não afastou nenhum padre da diocese de Lisboa. Quem validou os elementos dela recebidos foram estruturas e pessoas responsáveis da Igreja. Não vale tentar tapar o horror que existe dentro das nossas portas com a peneira dos ataques ao relatório apresentado pela Comissão Independente.

O ataque de JLRP – que aproveita para acusar a CI de não ter realizado um estudo credível e justo – baseia-se numa subtil, mas inaceitável, troca dos termos do que está em causa: não foi esta que tornou público nenhum nome dos suspeitos de abusos, foi a Igreja portuguesa que validou tais suspeitas e afastou aqueles que, refletidamente, avaliou ter razões suficientes e ponderosas para o fazer. Rebele-se, pois, JLRP e outros amigos do P. Mário Rui, contra o patriarca de Lisboa e a Comissão que a tal o aconselhou. E recordem-se que, quer D. Manuel Clemente quer o bispo Américo Aguiar responderam à pressão pública no sentido de tomarem medidas consequentes e rápidas pedindo tempo para analisar em profundidade os dados recebidos (pelas minhas contas dispuseram de cerca de duas semanas).

Procurando – é o que o gerente da RR visa – abalar a credibilidade do relatório da Comissão Independente, interroga-se JLRP: “Como se valida um único testemunho anónimo sobre uma pessoa e se consegue ter a certeza de que estamos na presença de um forte indício criminal e não perante um qualquer tipo de vingança, perseguição ou delírio?” A pergunta é dirigida ao Patriarcado de Lisboa? Não! É dirigida à CI, imediatamente crucificada de forma lapidar: “Numa matéria com esta delicadeza, não é possível manter opacidades sobre métodos, critérios e extrapolações decididas e utilizadas pela Comissão Independente”. Chegámos ao que queríamos: descredibilizar todo o trabalho feito pela Comissão, venha a propósito ou a despropósito.

A CI não precisa de quem a defenda. Em França, o relatório de uma similar Comissão foi sujeito a “crítica” de igual quilate. Com essas tentativas de descrédito procurou-se: 1) não reconhecer a gravidade sistémica dos abusos sexuais contra menores (embora os mais terríveis, estes são apenas uma parte dos abusos graves no interior da Igreja Católica); 2) manter a clericalização da vida da Igreja, rejeitando a sinodalidade proposta pelo Papa Francisco de forma a não pôr em causa encobrimentos e outros comportamentos próprios de um poder que se coloca acima de tudo e todos, se reclama do secretismo e da total impunidade.

Uma última nota, pessoal: conheço o P. Mário Rui Pedras. É pessoa por quem nutro simpatia e respeito. Como todos, só por ele soube que tinha sido afastado. E apenas por ele tomei conhecimento da acusação que o Patriarcado validou como suficiente para exigir o seu afastamento. Não sei mais nada. Não conheço sequer o nome de dois dos padres também preventivamente afastados. Claro que sei o sofrimento que esta situação comporta para ele Confio que a verdade será apurada e a justiça será feita. Mas a opinião que neste editorial defendo não é sobre este caso em concreto. É sobre o comportamento eclesial que os católicos devem assumir se, na verdade, querem “afastar e punir os verdadeiros agressores, sejam eles quem forem, independentemente do que pensam ou daquilo que representam”. Eu quero. E quero mais: quero que a minha Igreja se reforme de modo a ser um lugar seguro em que todos possam livremente experimentar a alegria do Evangelho e caminhar juntos no serviço às crianças, mulheres e homens do nosso tempo.

 

Uma Via-Sacra especial em Guimarães

23 de março

Uma Via-Sacra especial em Guimarães novidade

A música de artistas portugueses como Pedro Abrunhosa, Marisa Liz e Tiago Bettencourt integrará uma Via-Sacra especial organizada pela Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Guimarães, e cujas receitas reverterão para o restauro de uma capela. A iniciativa está marcada para o próximo dia 23 de março.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

23 de março

Uma Via-Sacra especial em Guimarães novidade

A música de artistas portugueses como Pedro Abrunhosa, Marisa Liz e Tiago Bettencourt integrará uma Via-Sacra especial organizada pela Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Guimarães, e cujas receitas reverterão para o restauro de uma capela. A iniciativa está marcada para o próximo dia 23 de março.

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Uma ativista e uma catequista à conversa com uma teóloga e um padre

Uma ativista e uma catequista à conversa com uma teóloga e um padre novidade

Georgina perguntou-se sobre como explicar a dificuldade de relação dos bispos africanos com o mundo LGBTI+, Helena congratulou-se pela presença de leigos na aula sinodal, Serena sublinhou que a participação não se limita a “fazer parte”, inclui “tomar parte”. Aconteceu no Fórum Europeu de Grupos Cristãos LGBTI+, no qual participou Ana Carvalho.

O “Boletim Cinematográfico” na Igreja em Portugal – uma memória histórica

Os primórdios do movimento cinematográfico no seio da Igreja em Portugal

O “Boletim Cinematográfico” na Igreja em Portugal – uma memória histórica novidade

Este é o breve historial de uma publicação simples na sua forma de apresentação, mas que, ao durar persistentemente cerca de cinco décadas, prestou à cultura cinematográfica e à Igreja Católica em Portugal um serviço inestimável e indelevelmente ligado ao nome de Francisco Perestrello, agora falecido.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This