Editorial 7M

Abusos: um passo em frente e cinco questões urgentes

| 9 Mar 2023

Percebe-se hoje que boa parte da atrapalhação de D. José Ornelas na apresentação das conclusões da reunião plenária da Conferência Episcopal Portuguesa da passada sexta-feira, dia 3 de março, provinha do facto de estar a defender ideias que não são suas e procedimentos com que não concorda. Contudo, os esclarecimentos dados e, sobretudo, as ações empreendidas por alguns bispos (ainda que minoritários em número) demostram as dissensões havidas e qual é, afinal, o caminho a seguir. Mas mantêm o silêncio sobre o que vão os bispos fazer para irem mais além da casuística e enfrentarem a raiz do escândalo dos abusos sexuais.

A suspensão de funções de alguns sacerdotes pelos respetivos bispos é um sinal importante dado às vítimas, aos restantes abusadores, a toda a comunidade católica e à sociedade portuguesa. Esperamos que o rigor dos subsequentes processos não permita defraudar a expectativa agora criada em vários círculos, especialmente naqueles e naquelas abusados e abusadas quando menores. Todos sabemos quanto é difícil a produção de prova nestes casos. Mas, em qualquer caso, a todos assiste o direito a defender-se e ser defendido.

Porém, talvez não seja, de momento, este último o aspeto mais importante. No terrível e tristíssimo tempo que os católicos deste país vivem urge responder a cinco questões prementes: como vamos disponibilizar realmente a reparação possível e todo o apoio (incluindo indemnizações) às vítimas que o solicitarem?; como conseguir que os bispos negacionistas (nomeadamente no Porto e em Lisboa), saiam dessa posição e tratem de suspender quem devem suspender?; como exigir a identificação clara dos encobridores (ninguém acredita que pelo menos alguns dos crimes agora conhecidos não fossem do conhecimento de terceiros)?; os bispos vão ou não criar uma nova comissão independente que acompanhe a concretização dos compromissos que vierem a assumir? que disposições vão traçar para aprofundar o longo caminho de erradicação do clericalismo na Igreja?

Como refere o Papa Francisco na sua Carta ao Povo de Deus de 20 de agosto de 2018, “dizer ‘não’ aos abusos (seja de poder, de consciência, qualquer abuso) significa dizer com força ‘não’ a qualquer forma de clericalismo”, esse clericalismo que o Papa tem repetidamente sublinhado ser a raiz, a origem, a “perversão” de onde provêm a sensação de poder sem controlo nem fronteiras, o sentimento de impunidade e a ideia de uma superioridade que coloca o padre acima dos demais.

Mas Francisco vai mais longe nessa Carta e sublinha que “tudo o que for feito para erradicar a cultura do abuso nas nossas comunidades, sem a participação ativa de todos os membros da Igreja, não será capaz de gerar as dinâmicas necessárias para uma transformação saudável e realista”.

O Papa escreveu tudo isto (e bastante mais) há quatro anos. Que esperam os bispos portugueses para o pôr em prática? Que planos concretos, que calendário de ações vão divulgar para combater a causa dos abusos na Igreja Católica que está em Portugal? Como vão envolver nessa árdua tarefa as comunidades, os padres, os religiosos e os católicos em geral, suscitando a “participação ativa de todos os membros da Igreja”? Porque se recusam a dar aqueles passos que podem tornar a Igreja um lugar seguro, atraente, capaz de acolher e caminhar com todos e neles reconhecer a presença do Ressuscitado em que acredita?

O tempo para a tomada destas decisões está a esgotar-se. Termina, definitivamente, a 20 de abril, último dia da próxima reunião da assembleia plenária da Conferência Episcopal.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This