Preocupações sinodais enviadas ao Vaticano

Sínodo nos EUA: Acolhimento, papel das mulheres e jovens

| 17 Ago 2022

Assembleia da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos. Foto © USCCB.

Assembleia da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos: sínteses diocesanas pedem maior envolvimento das mulheres nos cargos de liderança. Foto © USCCB.

 

Mais de meio milhão de católicos dos EUA participaram nas sessões sinodais de escuta no ano passado como parte do processo de dois anos de escuta popular do Papa Francisco antes do Sínodo dos Bispos de 2023 em Roma. As respostas indicam que muitos americanos querem uma igreja que alcança os marginalizados, especialmente a comunidade LGBTQ, e que permite que as mulheres sirvam em cargos de liderança, incluindo no ministério ordenado.

Os estimados 650 mil participantes em todas as dioceses representam apenas 1% do total de católicos no país, estimado em 51 milhões. Das 178 dioceses do país, participaram no processo 172, com um total de 300 relatórios a ser enviados à comissão sinodal nacional, entre dioceses, ordens religiosas, universidades católicas e outros grupos.

De todos os que participaram, cerca de 75% planeiam publicar as suas sínteses e afirmam que “vão usar esses documentos para outros fins, como planejamento pastoral, para realmente continuar trazendo o sínodo para as atividades e estruturas de suas igrejas locais”, disse Julie McStravog, consultora que ajuda a coordenar o trabalho sinodal da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA.

“Fiquei realmente tocada pela quantidade de honestidade que vi. Coisas delicadas estão a surgir, conversas difíceis sobre tópicos difíceis”, explica a consultora.

Desde logo, a dificuldade de envolver vozes que não são ouvidas com frequência nos ambientes da Igreja, especialmente os mais jovens. “Os jovens foram reconhecidos muitas vezes como um foco de preocupação. Precisamos de cuidar deles mais, construir a nossa catequese, formação, oportunidades de serviço e programação social para eles”, observou a Diocese de Salt Lake City no seu relatório sinodal, citado pelo National Catholic Reporter (NCR).

Os participantes do Sínodo também pediram melhores oportunidades de formação de fé para adultos, bem como liturgias vibrantes e homilias envolventes; melhor comunicação dos padres e bispos; mais esforços para integrar as diferentes comunidades linguísticas em paróquias multiétnicas e um sentido de liderança compartilhada entre o clero e os leigos. Eles também pediram que bispos e padres abordassem a “crescente polarização na Igreja, embora muitas vezes discordassem sobre o que constituíam comentários políticos impróprios”.

Outro aspeto importante foi o do acolhimento, um fio condutor que surgia em todas as sínteses a que este jornal teve acesso. Os católicos que participaram do sínodo disseram que a Igreja, da paróquia ao nível diocesano, tem que fazer melhor para que as pessoas se sintam bem-vindas nos bancos e outros ambientes da Igreja. Eles disseram que imigrantes, pessoas de cor, jovens e adultos jovens, católicos divorciados e recasados ​​e outros grupos marginalizados muitas vezes não se sentem bem-vindos na igreja, afirma o NCR, que estudou as diferentes sínteses diocesanas.

Um exemplo mais claro é a comunidade LGBTQ. Francis DeBernardo, diretor executivo da New Ways Ministry, uma organização sem fins lucrativos com sede em Maryland que defende os católicos LGBTQ, disse que não ficou surpreendido por esta ser uma questão importante. “Acho que o que os líderes da igreja não reconheceram sobre as questões LGBTQ é que elas afetam quase todos na igreja além das pessoas LGBTQ, porque quase toda a gente tem um membro da família ou conhece uma pessoa LGBTQ, seja como colega de trabalho, vizinho ou amigo, e eles veem a maneira terrível como são tratados na Igreja”, disse DeBernardo ao NCR.

Finalmente, o jornal americano destaca o empenho de quem participou em procurar dar mais destaque às mulheres dentro da Igreja. Os participantes disseram que as mulheres merecem estar em importantes posições de liderança na igreja, mesmo em funções que atualmente lhes são cortadas por meio do ministério ordenado no diaconato permanente e no sacerdócio. Os participantes do Sínodo enquadraram a questão como uma questão de equidade e justiça.

“É encorajador ver o senso dos fiéis que incentiva a ordenação de mulheres refletido nesses documentos oficiais”, disse Kate McElwee, diretora executiva da Women’s Ordination Conference, uma organização que defende a ordenação de mulheres na Igreja Católica.

No final, Julie McStravog reforçou que as mudanças deverão vir da base paroquial e diocesana. “A diocese é onde você verá a mudança primeiro. Não será no nível da USCCB ou do Vaticano, mas nesses relatórios diocesanos é onde você verá primeiro” a mudança, concluiu.

O Sínodo entra em outubro na sua fase continental, com as conferências episcopais a reunirem-se para trabalhar as sínteses apresentada por cada país. Dia 26 de agosto está marcada uma conferência de imprensa no Vaticano para apresentar os dados da fase diocesana do processo, e o que se seguirá agora a partir daqui, com a publicação do primeiro Instrumentum Laboris para o processo sinodal.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This