Sem alterações ao anterior

Acordo entre Vaticano e China será renovado esta semana

| 20 Out 2022

bispo Paulo Ma Cunguo China, Foto Asia News sem creditos

O bispo Paulo Ma Cunguo, da diocese de Shouzhou, foi um dos bispos clandestinos a ser reconhecido pelas autoridades chinesas desde o acordo assinado em 2018 entre a China e o Vaticano. Foto: Direitos reservados.

 

Confirmando a intenção já adiantada no passado mês de setembro pelo cardeal Pietro Parolin,  o Vaticano e a China irão renovar, no próximo sábado, 22 de outubro, o acordo assinado em 2018 e renovado em 2020, para a nomeação conjunta de bispos para o país. A informação foi dada esta quinta-feira ao jornal Crux por um alto funcionário do Vaticano e deverá ser oficializada em breve.

“O acordo com a China está programado para ser renovado a 22 de outubro de 2022, com nenhuma alteração nos termos”, afirmou a fonte citada pelo Crux. Embora os termos deste acordo nunca tenham sido revelados, pensa-se que tenha como modelo o acordo com o Vietname, permitindo que a Santa Sé escolha bispos de uma seleção de candidatos propostos pelo governo chinês.

Quando o acordo provisório foi anunciado em 2018, o Papa Francisco reconheceu formalmente oito bispos que haviam sido nomeados pela Associação Patriótica Católica Chinesa, a igreja aprovada pelo Partido Comunista Chinês (PCC) e independente do Vaticano. Desde então, já nomeou outros seis.

Muitos acreditam que este pode ser o início do reatar de relações diplomáticas formais entre a Santa Sé e a China, rompidas há mais de 70 anos com a ascensão de Mao Tsé-Tung, mas o acordo tem também sido alvo de inúmeras críticas, nomeadamente da parte do cardeal Zen (bispo emérito de Hong Kong), detido no início de maio, que o considera prejudicial para a igreja clandestina chinesa.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This