Movimento Laudato Si' sobre a COP26

Acordo final “ultrajante”, mas sociedade mais comprometida que nunca

| 17 Nov 2021

manifestacao cop26 movimento laudato si foto c movimento laudato si

“Enquanto os líderes mundiais debatiam as medidas a serem tomadas, havia cerca de 100.000 pessoas a participar numa marcha sem precedentes no Dia de Ação Global pela Justiça Climática”. Foto © Movimento Laudato Si’.

 

“Dececionados”, mas ao mesmo tempo “esperançosos”: é como se sentem os católicos um pouco por todo o mundo, e em particular os que estiveram presentes em Glasgow, onde decorreu a COP26, segundo o comunicado enviado pelo Movimento Laudato Si’ ao 7MARGENS, esta quarta-feira, 17.

“Os líderes mundiais mais uma vez ficaram aquém do que o Papa Francisco e muitos outros esperavam da cúpula da ONU em Glasgow. O acordo final não chega nem perto da crise climática que vivemos. É ultrajante”, considera Tomás Insua, diretor executivo do movimento. Mas acrescenta que, tal como foi visto em Glasgow e em redor do planeta em diversas marchas, atividades e encontros, “o movimento global para cuidar da nossa casa comum é mais forte do que nunca e não vai parar”. Pelo contrário, “com parceiros em todo o mundo, este movimento continuará o trabalho urgente de salvar a Criação de Deus”, assegura o responsável.

Já na passada quinta-feira, 11, a Santa Sé tinha manifestado através da divulgação de um comunicado que mantinha a esperança num acordo com “um roteiro claro” para preencher as lacunas que surgiram nas áreas de mitigação, adaptação e financiamento, aspetos fundamentais que devem ser tratados, reforçados e renovados a fim de atingir os objetivos do Acordo de Paris.

Por sua vez, mais de 60 organizações católicas, incluindo o Movimento Laudato Si’, emitiram uma declaração conjunta na sexta-feira, 12, em que expressaram que “uma economia extrativa e insustentável, alimentada por combustíveis fósseis, está a provocar a crise climática que está a destruir a criação de Deus e a prejudicar os mais vulneráveis”, e apelaram à adoção de medidas essenciais que acelerem o investimento num futuro de energia limpa para todos.

 

Outra COP a acontecer nas ruas

O saldo da presença dos católicos em Glasgow é bastante positivo, considera o movimento. “Ao longo das quase duas semanas de negociações, [milhares de católicos] participaram em inúmeros eventos e iniciativas para fazer chegar aos líderes as suas reivindicações, como no caso da apresentação da petição Planeta Saudável, Pessoas Saudáveis, que apoia o apelo do Papa Francisco para uma ação urgente pelo cuidado da casa comum”, tendo já reunido as assinaturas de mais de 130.000 pessoas e 425 organizações.

Lorna Gold, presidente do conselho administrativo do Movimento Laudato Si’, disse durante o encontro “Católicos em Glasgow” que outra COP estava a acontecer nas ruas. “Enquanto os líderes mundiais debatiam as medidas a serem tomadas, havia cerca de 100.000 pessoas como Isabella Harding, uma avó de 67 anos, ou as freiras e animadoras Laudato Si’, Kate Midgley e Zoe Leadbetter, a participar numa marcha sem precedentes no Dia de Ação Global pela Justiça Climática”, sublinha o comunicado.

“Os católicos continuarão a falar sobre o cuidado com o meio ambiente”, conclui a nota de imprensa do Movimento Laudato Si’, recordando ainda o lançamento recente da Plataforma de Ação Laudato Si’ como um espaço para instituições, movimentos e dioceses partilharem as suas ações em favor do planeta.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This