“Acreditar num Deus criador implica cuidar da criação e da casa comum”

| 5 Set 18

Na crise ecológica que estamos a viver, os desafios com que nos confrontamos “são de tal ordem que precisamos mesmo de rezar a Deus, para que converta os nossos corações para termos comportamentos mais ecológicos e força para resistir às seduções dos males que afetam a nossa casa comum”.

A economista Manuela Silva, responsável da rede Cuidar da Casa Comum (CCC), que reúne pessoas individuais, instituições, organizações e grupos católicos e de outras igrejas cristãs, refere-se deste modo aos objetivos da vigília de oração que se realizou sexta-feira, 7 de setembro, às 21h, na Igreja do Sagrado Coração de Jesus (R. Camilo Castelo Branco, ao Marquês de Pombal), em Lisboa.

A iniciativa, diz a economista, tem como objetivo a reflexão sobre a encíclica Laudato Si’, publicada pelo Papa Francisco em 2015, dedicada ao ambiente e ao “cuidado da casa comum”. O tempo de oração pretende sensibilizar para o conhecimento da encíclica, levando os cristãos a uma conversão ecológica, no sentido de “um estilo de vida que não seja predador nem excludente de grande parte da população e até de outros seres vivos”.

Há uma acrescida responsabilidade ecológica que os cristãos devem demonstrar, diz Manuela Silva: acreditar num Deus criador implica acreditar que este confiou à humanidade a tarefa de cuidar da criação e da “casa comum”.

Entre as propostas da CCC, estão os “focos de conversão ecológica”, pequenos grupos que pretendem alargar a sensibilização para as questões ambientais e ecológicas. “Os focos têm por missão escutar o grito da nossa Casa Comum ‘contra o mal que lhe provocamos’, identificar, na vida quotidiana, ‘o uso irresponsável’ dos bens da Terra”, lê-se na apresentação dos objetivos. Ao mesmo tempo, os focos propõem-se “criar no seio das respetivas comunidades “pontes de diálogo com vista à construção de uma ecologia integral, tanto no plano dos comportamentos individuais como nas opções e práticas das comunidades da sua área de influência”.

No próximo sábado, uma outra iniciativa, esta de caráter mundial, terá concretização também em três cidades portuguesas: às 17h, Lisboa (concentração no Cais do Sodré), Porto (Praça da Liberdade) e Faro (Largo da Sé) participam na Marcha Mundial do Clima.

Francisco Ferreira, presidente da Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável, diz que muitos movimentos religiosos também estarão na marcha, algo que considera “muito positivo”: é “bom ver que há todo um conjunto de movimentos cristãos e mesmo de outras religiões” que se associam a pessoas não-crentes “nesta luta e a sentem como fundamental”, afirma. “Acho que esta é uma aliança muito feliz.”

Admitindo que a sensibilidade dos católicos portugueses em relação às questões ambientais esteja a aumentar, Francisco Ferreira lamenta, no entanto, que ela ainda esteja longe de muitas preocupações enunciadas pelo Papa na Laudato Si’: “Onde estamos mais aquém do trabalho com base na encíclica é precisamente dentro da própria Igreja”, que devia ter um maior papel na mobilização dos crentes e na sua própria pegada ambiental – afirma.

Conciliar oração com ação é algo também fundamental para Marcial Felgueiras, diretor executivo de A Rocha. Esta organização ambientalista ecuménica (que reúne cristãos de diferentes igrejas), nasceu em Portugal há 35 anos mas tem atividade em vários países, numa perspetiva mais próxima da Natureza e da investigação científica. A Rocha fez sua a missão de divulgar conhecimentos que possam ser traduzidos em práticas – na opinião de Marcial Felgueiras, é aí que falha a mensagem.

“É preciso passar de um evento limitado no tempo para a adoção de um estilo de vida que naturalmente satisfaz essas condições de cuidado com a criação”, diz o responsável de A Rocha. “As igrejas até podem promover uma ida a pé para a igreja mas, depois, temos a sensação de que já cumprimos o dever e podemos voltar à vida normal”, de consumo e desperdício. “Esse é o passo que falta dar.”

Acesso a água potável, um direito humano

Foi depois de publicar a Laudato Si’, que o Papa Francisco decidiu juntar a Igreja Católica ao Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, que a Igreja Ortodoxa já vinha promovendo desde há anos, sempre a 1 de Setembro. Também muitas igrejas evangélicas, luteranas e anglicanas se têm juntado à celebração.

Na mensagem para o Dia Mundial deste ano, o Papa Francisco destacou a importância da água, desde a constituição do corpo humano, até ao que ela significa no direito a uma vida digna. E afirma, citando um parágrafo da encíclica: “O acesso à água potável e segura é um direito humano essencial, fundamental e universal, porque determina a sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para o exercício dos outros direitos humanos. Este mundo tem uma grave dívida social para com os pobres que não têm acesso à água potável, porque isto é negar-lhes o direito à vida radicado na sua dignidade inalienável.”

 

Foto de Maria Marujo

 

Ainda há dias, referindo o problema das alterações climáticas, o arcebispo católico das Ilhas Fiji, Peter Loy Chong, lembrava, em entrevista à Ajuda à Igreja que Sofre, que vê diariamente, com os seus próprios olhos, a subida do nível das águas do mar. E alertava: “Nos próximos anos, os habitantes de 34 aldeias costeiras das Fiji serão obrigados a mudar as suas casas por causa da subida do nível do mar.”

É a partir de testemunhos como este que o Papa sublinha, na sua mensagem, a importância de preservar os mares e oceanos como parte integrante da criação. Francisco acrescenta que “não podemos permitir que os mares e oceanos se preencham com extensões inertes de plástico flutuante” e defende ser “inaceitável qualquer privatização do bem natural da água que seja contrária ao direito humano de poder ter acesso a ela”.

A mensagem de sábado remete para algumas das ideias e sugestões já feitas na encíclica dedicada ao “Cuidado da Casa Comum”. No documento de 2015, Francisco alertava para a necessidade da mudança de mentalidade e da cooperação entre crentes de modo a combater a degradação ambiental e as alterações climáticas. Pedia o Papa, na Laudato Si’: “Ousar transformar em sofrimento pessoal aquilo que acontece ao mundo e, assim, reconhecer a contribuição que cada um lhe pode dar.”

 

Foto de Maria Marujo

 

Os “mártires da Laudato Si’

Na Igreja Católica, apesar de já haver grupos dedicados a esta questão, a publicação da encíclica impulsionou o surgimento de redes e iniciativas internacionais, um pouco por todo o mundo. A Laudato Si’, recorde-se, foi publicada cinco meses antes da realização, em França, da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, que culminou com a assinatura do Acordo de Paris.

Estes vários acontecimentos colocaram o foco no fenómeno das mudanças climáticas a nível mundial e motivaram iniciativas de muitos grupos cristãos, como foram os casos de uma peregrinação internacional ou um jejum pelo clima.

Já este ano, como resposta à retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris, mais de 700 instituições dos EUA, reunidas na Catholic Climate Covenant, assinaram a Declaração Católica do Clima. Nela reafirmavam o seu compromisso com o ambiente, depois de os EUA terem, há pouco mais de um ano, saído do Acordo de Paris.

Uma das iniciativas também surgidas na sequência da encíclica, foi o reconhecimento dos “mártires da Laudato Si’”, ativistas mortos por defender causas ambientais, cujos nomes e histórias são registados anualmente pela revista italiana Mondo e Missione.

Entre os mártires deste ano, estão Esmond Bradley, dos EUA, morto no Quénia por se opor à caça ilegal de elefantes; Ajit Maneshwar Naik, advogado indiano, que contestava a construção da sétima barragem no rio Kali e que significará a morte definitiva do curso de água de 184 quilómetros; e o brasileiro Paulo Sergio Almeida Nascimento, da associação Cainquirama, da Amazónia, assassinado depois de denunciar a contaminação de terras, em Barcarena (estado do Pará).

(Acerca deste tema, pode ler-se ainda o texto Vale a pena rezar pelo cuidado da criação?,escrito por Miguel Oliveira Panão; em Portugal, uma nota da Comissão Episcopal da Pastoral Social para o Dia Mundial chamou a atenção para a necessidade de mudanças estruturais na gestão dos recursos do planeta)

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Os lugares do Papa no Iraque: uma viagem de regresso, reencontro e reafirmação de fraternidade novidade

Os lugares da viagem do Papa ao Iraque erguem memórias que abarcam desde o berço da civilização nas planícies do sul da Mesopotâmia e de toda a sua história até ao berço da expansão judaico-cristã, nos vales e montanhas entre a Assíria e a vizinha Arménia. Ali começou a viagem de Abraão, ali Francisco regressa numa visita que traduz o reencontro e a reafirmação da fraternidade. Um percurso pelos lugares da viagem, ao encontro da memória desses lugares.

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

O Karimojong português novidade

O padre Germano Serra, um missionário comboniano português, acaba de publicar o dicionário mais completo da língua karimojong, uma tribo semi-nómada do Uganda por que se apaixonou há quase quatro décadas.

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá.

Pessoas

O Karimojong português

O Karimojong português novidade

O padre Germano Serra, um missionário comboniano português, acaba de publicar o dicionário mais completo da língua karimojong, uma tribo semi-nómada do Uganda por que se apaixonou há quase quatro décadas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This