Adela Cortina e o conceito ético de “aporofobia”

| 8 Out 19

Nas margens da filosofia (IX)

 

O nome de Adela Cortina é conhecido e respeitado na filosofia contemporânea, nomeadamente nos campos da filosofia política e da ética aplicada. Uma das teses que mais veementemente tem defendido é a necessidade de uma educação para os valores, algo a que a Escola e a Universidade deveriam prestar mais atenção. Num dos seus recentes livros cunhou o conceito de “aporofobia” [1], dissertando sobre o modo como a pobreza é encarada na sociedade actual e como tal situação é incompatível com a democracia, pois esta implica e exige o direito à inclusão.

O termo “aporofobia”, inicialmente inexistente em castelhano já foi incluído no Diccionario de la Real Academia e o desiderato da filósofa é universalizá-lo em várias línguas. Ao analisarmos etimologicamente este vocábulo parece-nos pertinente a sua utilização em português: “àporos” em grego significa pobre e “phóbos” traduz-se como medo ou receio. Deste modo, à semelhança do que se passa com o termo “xenofobia” (receio do estrangeiro) “aporofobia” passaria a significar o receio do pobre e, consequentemente, a sua recusa.

Foto © António Marujo

 

Note-se que, quando identifica este sentimento, a filósofa usa o termo castelhano “rechazo”, habitualmente traduzido por “rejeição.” Ora a perspectiva que a nossa sociedade tem do pobre não se circunscreve à ignorância do mesmo pois mais do que ignorarmos os pobres procuramos deliberadamente afastá-los das nossas preocupações, de modo a exorcizarmos problemas de consciência e a podermos viver o nosso quotidiano sem que a injustiça da sua existência nos perturbe.

Ao analisar este sentimento que considera uma constante na sociedade em que vivemos, Cortina atribuiu-o à ausência de reciprocidade: os pobres nada nos dão em troca do que lhes oferecemos, o que, segundo a filósofa, levaria a uma atitude inconsciente de rejeição. A nossa sociedade é contratualista, aquilo que damos exige uma resposta, uma restituição. Se me envolvo num trabalho, terei a devida paga, se me comprometo com alguém exijo dele uma resposta simétrica. A pura gratuidade não habita o nosso inconsciente e daí a rejeição relativamente àqueles de quem nada podemos receber.

Aceito a pertinência da explicação apresentada, que no entanto integraria num contexto mais amplo pelo peso que tem em todas as sociedades – o medo ao diferente, ao que foge à norma, mesmo que esta seja mais um desiderato do que uma realidade visível. Os pobres põem em causa a ideia de uma sociedade estável, igualitária e democrática, algo que pensamos ter sido conquistado pelas sociedades livres mas que, na realidade, ainda é do domínio da utopia. Os pobres perturbam-nos porque são o reverso do bem-estar social que proclamamos; eles denunciam as contradições e fraquezas de uma sociedade que visa ser feliz. De facto, congratulamo-nos com direitos que consideramos adquiridos como é o caso do direito à educação e ao trabalho, mas fechamos os olhos a todos os que ficam de fora e cuja presença torna evidentes os efeitos perversos das sociedades que construímos.

Os pobres inquietam-nos (ou deviam-nos inquietar) porque constituem uma ameaça ao curso normal das nossas vidas. Tratamo-los como um problema a ser resolvido pelos governos e por isso os apagamos da nossa mente, impedindo que nos preocupem. Nada mais legítimo do que a ambição a “uma vida boa”, algo que desde Aristóteles colocamos como uma meta a alcançar. O que não implica esquecer a realidade que nos rodeia, tornando invisíveis todos aqueles que eventualmente constituam um obstáculo a esse objectivo. Importa assumir a pobreza como uma realidade que ensombra as sociedades ditas “evoluídas”, ou seja, aquelas que não são eticamente neutras e que explicitamente se orientam por valores.

É tão importante conhecer, problematizar e discutir os valores que nos regem (ou que nos deveriam reger) como estudar matemática, ciências físicas ou humanidades. Por isso estou em sintonia com a proposta feita por Adela Cortina de introduzir a ética como disciplina curricular obrigatória no currículo escolar. Urge fazê-lo não só pela necessidade de uma reflexão sobre conceitos determinantes – essencial em qualquer sociedade democrática – como também pela sua dimensão prática, orientadora da vida e das opções de cada um.

Uma iniciação à ética ajustada aos diferentes níveis escolares levaria ao estudo e problematização de uma série de conceitos e preconceitos que enformam o nosso quotidiano dos quais a “aporofobia” é significativa. Há que combater a ideia de que a ética é algo de pessoal, que cada um recebe da família e da escola e que se consolida com a experiência de vida. As virtudes não são inatas, são susceptíveis de aprendizagem. Também não são subjectivas nem se colocam no terreno da pura argumentação.

Enquanto professora de filosofia sempre defendi a presença desta disciplina no currículo escolar. As vicissitudes do actual programa do ensino secundário e a sua transformação em capacidade divinatória avaliada em testes de resposta múltipla[2], levantam-me dúvidas quanto ao seu presente interesse formativo. Pergunto-me se não seria mais interessante para os alunos e mais eficaz como preparação para uma cidadania plena, dar-lhes a conhecer e com eles pensar, questionando, os grandes problemas de ética que paulatinamente foram assumidos como conquistas civilizacionais: a liberdade humana, o respeito pela diferença, a responsabilidade pelos outros e pela Natureza, a dignificação do estatuto da mulher, etc. etc.

Não tenho dúvidas de que, com um programa deste tipo, se combateriam muitas das fobias que por falta de reflexão se têm aceite como verdades indiscutíveis.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

 

Notas

[1] Adela Cortina, Aporofobia, el rechaço al pobre, Barcelona, Paidós, 2017.

[2] Baseio-me nos últimos exames de filosofia do 11º ano, onde o peso maior da avaliação recaía sobre um questionário em que o aluno escolhia a resposta certa por meio de uma cruz.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco