Pedras que não são só pedras

“Adoramos cada pedaço de terra do nosso bairro e da Palestina”

| 22 Mar 2022

Esta reportagem faz parte de uma série de trabalhos do serviço de imprensa do Conselho Mundial de Igrejas, intitulada Iniciativa da Páscoa, que pretende retratar instantâneos da vida quotidiana dos palestinianos, muçulmanos e cristãos que vivem em Jerusalém e arredores, alguns dos problemas que enfrentam e o que lhes dá esperança. Neste texto, Samira Dajani-Budeiri fala da importância do seu bairro Xeque Yarrah e das memórias ligadas ao chão e aos lugares que percorre todos os dias, bem como da vontade de viver em paz e dignidade.

Samira Dajani-Budeiri em foto cedida pela própria: “Cada pedra faz-me pensar na minha família, nas memórias que criámos juntos e com os vizinhos.” 

Samira Dajani-Budeiri em foto cedida pela própria: “Cada pedra faz-me pensar na minha família, nas memórias que criámos juntos e com os vizinhos.”

 

“Tivemos de deixar a terra dos nossos antepassados, e até hoje ainda lutamos por justiça”, diz a palestiniana Samira Dajani-Budeiri. “Vivemos sob a ameaça de despejo desde 1972, quando várias organizações de colonos sediadas nos Estados Unidos afirmaram ter adquirido os terrenos em que se localizam as 28 casas do nosso bairro.”

Essas organizações afirmam-se proprietárias dos terrenos desde o século XIX, especificamente desde 1832, acrescenta ela. “Apresentaram documentos forjados, cuja autenticidade não pôde ser legalmente comprovada, nem através dos arquivos otomanos, nem através do registo predial”, explica. “Através de operações fraudulentas, conseguiram desalojar três famílias.”

Dajani-Budeiri gosta da sua casa. “Adoramos cada punhado de terra do nosso bairro e da Palestina”, diz ela.

Porque, para Samira, as pedras são muito mais do que simples pedras: “Cada pedra faz-me pensar na minha família, nas memórias que criámos juntos e com os vizinhos”, afirma. “As pedras e o jardim representam o tempo em que a família vivia em conjunto com dignidade e liberdade. Essas memórias e o que as pedras simbolizam são muito preciosas para mim.”

De facto, quando ela nos apresenta aos seus familiares, cada apresentação é acompanhada de uma memória. “Vivo com as minhas memórias, o meu marido e a minha filhinha”, diz. “Isso foi depois dos meus pais falecerem. Claro, a casa está aberta aos meus irmãos, filhos e netos.”

Esta palestiniana pergunta ainda: “Quando deixaremos de ser ameaçados de despejo? Anseio pelo dia em que possamos ver a luz ao fundo do túnel, ou seja, o dia em que a ordem de despejo for definitivamente cancelada e for confirmado que somos donos da nossa casa, de acordo com os documentos legais jordanos”, diz ela. “Espero também que o problema dos refugiados seja resolvido e que eles possam regressar às suas terras.”

Perguntada sobre quando se sentirá segura, conclui: “Sentimo-nos seguros assim que os nossos legítimos direitos forem reconhecidos”; “somos os legítimos proprietários, vivemos nas nossas próprias casas, nunca roubámos ninguém.”

Dajani-Budeiri apela à fraternidade do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e a todas as pessoas de boa vontade para continuarem a demonstrar solidariedade. “Gostaríamos que o CMI continuasse os seus esforços de comunicação para informar o mundo da nossa justa causa, para afirmar o nosso direito de permanecer nas nossas casas e para promover a revogação das leis de despejo em Jerusalém, na Cisjordânia e em Gaza”, diz ela. “Assisto com preocupação aos ataques dos colonos em Xeque Yarrah e na área de Karm Al-Mufti, bem como em Silwan, Jabal Al-Mukabir e na minha própria casa.”

Dajani-Budeiri espera também que o Conselho de Segurança da ONU aprove uma resolução contra o despejo da sua família e vizinhos. Despede-se com o seguinte apelo: “Por favor, continuem a demonstrar solidariedade para connosco na ONU e no Conselho de Segurança e nunca pensem nos direitos humanos com dois pesos e duas medidas.”

 

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This