Adultos. Com A grande, sff. (I)

| 16 Abr 2022

manifestacao contra alteracoes climaticas foto direitos reservados

“Vivendo este tempo sem medo, descobrimos uma beleza desconfortável nessa marca de água da contradição: promete fracturas, e revela possibilidades.” Foto: Direitos reservados.

 

 

Quando, daqui a muitos anos, contarem a história deste início de século, desconfio que dirão que foi um tempo de contradição. Na verdade, desejo que o digam.

Se for mesmo uma trave-mestra deste tempo, há que aceitar que a contradição não se muda, não se reverte, não se gere. Tentar negá-la ou combatê-la de forma utópica é inútil e deixar-nos-á exaustos. Não adianta sequer ignorá-la. É um dado do problema, como nos ensinavam nas aulas de física.

Vivendo este tempo sem medo, descobrimos uma beleza desconfortável nessa marca de água da contradição: promete fracturas, e revela possibilidades. E morde, morde muito. No limite, a beleza está no convite exigente a posicionarmo-nos perante o que acontece no mundo e nos nossos pequenos mundos quotidianos e, com toda a radicalidade, perante nós próprios e perante Deus. É uma imensa porta para a esperança, basta querermos abri-la.

Um dos temas em que a contradição é flagrante é a relação com a passagem do tempo que estará, suspeito, ligada à nossa negação da mortalidade. O tema ocuparia milhares de páginas. Por agora, uma pincelada na forma como olhamos para a idade, em particular, para a idade adulta.

 

Pistas para a confusão

Os últimos anos têm-nos dado bons indícios da nossa relação disfuncional com a idade. Para além de todos os produtos que previnem, retardam, e/ou ocultam os sinais de envelhecimento – nada bate um bom SPF 50, aviso já –, estes três parecem-me ilustrativos.

A covid e os lares. A pandemia obrigou-nos a encarar um dos nossos maiores tabus: somos uma sociedade de velhos*. É provável que a maioria dos adultos de hoje chegue à velhice e se confronte com muito do que (n)os aterroriza, como a dependência, a solidão e o esquecimento, e a perda progressiva de capacidades físicas e mentais que caracteriza esta última etapa da vida humana. Teremos todos, muito legitimamente, medo da cultura do descarte. O que já não será tão legítimo, ou sequer avisado, é viver como se a velhice não nos dissesse já respeito.

A tarifa jovem. Até há uns meses, andava longe de um debate apaixonante: até que idade jovem: 29 ou 35 anos? Era preciso decidir a idade limite para a tarifa reduzida num acontecimento cultural. Horas de vida irrecuperáveis, mas deram que pensar. A tarifa reduzida faz sentido para quem tem rendimentos baixos e/ou instáveis. Agora, é aí que se espera que as pessoas estejam aos 29 ou, pior, aos 35 anos? Se for, a aparente benesse é perversa, não resolve o problema, e não dignifica quem a recebe.

E que mensagem transmite a quem pode pagar a totalidade do preço? Que ainda não precisa de assumir a responsabilidade de pagar o que pode? Acalmar ansiedades e prevenir crises de meia-idade precoces? Igualmente perverso, para além de promover o hábito de não pagar o valor justo pelo que se consome, imputando a diferença a terceiros. É bastante paternalista e infantiliza o público-alvo.

Greta Thunberg. Há dois anos, era a autoridade moral mundial em alterações climáticas. Muito mais eficaz que todo o IPCC** e os seus relatórios de 3675 páginas. Todo o fenómeno é para lá de fascinante, até pela dimensão religiosa que tem, e é curioso notar que a autoridade moral lhe foi reconhecida, em boa medida, por não ser adulta, por ser uma vítima das escolhas de outros. No fundo – e esteve implícito em muitas das conversas que tive – Greta não tinha cometido o pecado capital da vida adulta: fazer (más) escolhas e viver com elas, o que a autorizava a contestar as decisões tomadas pelas gerações anteriores, e a imunizava a qualquer escrutínio, num misto de inimputabilidade e santidade. É difícil encontrar melhor incentivo a não crescer: poder não escolher, para não ser responsabilizado. Numa visão menos cínica, é perfeitamente razoável.

No extremo oposto, o melhor argumento dos anti-Greta era também a idade: aos 17 anos não é possível ter uma opinião informada ou crítica sobre assuntos complexos. E claro que o é, dentro daquilo que os 17 anos de cada adolescente permitem.

Temos, portanto, publicidade anti-envelhecimento a rodos, uma incapacidade de lidar com a perda de autonomia física e mental que vem com a idade, incentivos públicos que convidam a uma assunção cada vez mais tardia da idade adulta, e adultos a reconhecer autoridade moral a adolescentes, porque os obrigam a confrontar com o peso das suas escolhas mais ou menos conscientes… há qualquer coisa de profundamente desconexo em tudo isto.

 

ilustracao dont grow up

“Por vezes, parece que chegámos a 2022 com a ideia de que ser plenamente adulto não é assim tão bom. Mas será mesmo assim?…”

Então, e agora? 

Agora, um aviso à navegação, que o tema é delicado: nada neste texto é um lamento pelos casamentos tardios, a falta de maturidade emocional e de compromisso dos jovens, a superficialidade das relações, a quebra da natalidade, a juventude perdida, os pais-helicóptero e as crianças mimadas (espero não me ter esquecido de nenhum cliché), ou um arranca cabelos pelo declínio do mundo ocidental. O desespero é a atitude anticristã por excelência e, além disso, o estado civil e a parentalidade são pouco relevantes para o que me interessa.

Interessa-me, isso sim, tentar perceber como olhamos para essa fase da vida a que se chama ser adulto e que papel podemos e devemos ter enquanto Igreja – aqueles que são cristãos, especialmente porque os católicos estão em caminho sinodal – no seu acompanhamento e desenvolvimento.

É que, por vezes, parece que chegámos a 2022 com a ideia de que ser plenamente adulto não é assim tão bom. Mas será mesmo assim?…

* a palavra idoso foi banida do meu dicionário.
** IPCC, sigla em inglês do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, das Nações Unidas .www.ipcc.ch

 

Marta Saraiva é diplomata, exercendo atualmente funções na Missão de Portugal junto do Conselho da Europa.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This