Fronteira com Bielorrússia

Afegãos detidos de forma violenta na Polónia

| 21 Out 21

Afegãos procuram refúgio um pouco por todo o mundo. Na imagem, miúdos refugiados no Paquistão, perto de Islamabad. Foto © Voice of America, Public domain, via Wikimedia Commons.

 

Um grupo de 17 pessoas, incluindo pelo menos um menor, foi detido de forma violenta à entrada na Polónia, na quarta-feira, dia 20, depois de ter atravessado a vedação da fronteira, e expulsos de novo em direção à Bielorrússia pelas autoridades polacas, denunciou esta quinta-feira a Amnistia Internacional (AI).

Segundo a organização polaca Fundacja Ocalenie, citada pela AI, as 17 pessoas atravessaram a fronteira na zona de Usnarz Górny. A AI verificou um vídeo partilhado pelas autoridades bielorrussas relativa a esta situação.

Numa anterior “investigação digital”, esta organização de direitos humanos já tinha mostrado que o mesmo grupo foi sujeito a um suposto retorno ilegal e forçado em agosto.

Segundo detalhes revelados a 30 de setembro, sobre a situação de 32 requerentes de asilo afegãos (quatro mulheres, 27 homens e uma menina de 15 anos) que estavam retidos na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia, “sem comida, água potável, abrigo e medicamentos desde, pelo menos, 18 de agosto”, a Amnistia podia confirmar que, “no final de agosto e de forma súbita, este se tinha deslocado da Polónia para a Bielorrússia, no que aparentava ser um retorno forçado ilegítimo”.

Esta investigação foi possível a partir de imagens de satélite e fotografias, utilizadas para medir a área e proceder a uma reconstrução 3D.

Já nesta quarta-feira, como noticiou o 7Margens, a AI tinha lançado um apelo a todos os países para que “cumpram a sua obrigação de proteger as pessoas em risco de graves violações de direitos humanos, pondo imediatamente fim a todos os retornos forçados ou deportações para o Afeganistão, e garantindo o acesso a procedimentos de asilo justos”.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This