Afinal isto anda tudo ligado: música, religião e saúde

| 5 Jun 19 | Entre Margens, Últimas

Martinho Lutero em família, de G. A. Spangenberg (1886): “Lutero pensava que a música devia ser cantada por toda a congregação e trabalhou no sentido de compor melodias simples para serem cantadas no vernáculo”. 

 

A música sempre desempenhou um papel relevante nas liturgias religiosas do mundo ocidental, embora assumindo diferentes formas. De facto, a tradição cristã sempre esteve associada a cânticos espirituais em diversas modalidades.

 

Já o Evangelho nos relata que, pelo menos desde a Última Ceia e os derradeiros dias de Jesus Cristo, os discípulos cantavam hinos: “E, tendo cantado o hino, saíram para o Monte das Oliveiras” (Mateus 26:30). A igreja cristã seguiu certamente esta tradição ao longo de todo o primeiro século e depois dele, apesar das intermitências históricas, de modo a ocupar o seu espaço nos ritos católico, ortodoxo, protestante ou outros.

O Papa Gregório I (590-604) reorganizou a liturgia e codificou a música religiosa criada até aí através do Schola Cantorum, dando início ao cantochão. É já no final do século XI que surge o cantus firmus, uma primeira tentativa polifónica. No catolicismo medieval a música reduzia-se apenas a um coro que cantava em latim, ao longo da missa, tendo os franciscanos sido pioneiros na criação da forma litúrgica de a congregação poder responder ao coro ou ao clero com um refrão simples e ritmado como, por exemplo, o Laudate Dominum(“Louvado seja Deus”).

Em plena Reforma, Lutero pensava que a música devia ser cantada por toda a congregação (“porque terá o diabo toda a boa música?”), por isso trabalhou no sentido de compor melodias simples para serem cantadas no vernáculo, o que tornou a música congregacional altamente popular nos meios reformados em toda a Europa, com a excepção de pequenos grupos como os quacres, que acreditavam que a oração e o louvor deviam ser conduzidos em silêncio.

A ideia de “democratizar” a música nas igrejas protestantes deve-se inicialmente a anglicanos e luteranos que consideravam o livro bíblico dos Salmos – o cancioneiro popular do Antigo Israel – como uma prova de que Deus tencionava que todos os tipos de música fossem usados no culto, promovendo assim o canto congregacional. Que pena não terem sido preservados para a posteridade as músicas originais do saltério hebraico… Calvino, por sua vez, permitia que os salmos fossem cantados no culto, mas sem acompanhamento instrumental.

Seja através de expressões vocais, em estilo melódico de tipo gregoriano ou polifónico na prática oriental e protestante, seja mais ao jeito instrumental, para o qual trabalharam alguns dos maiores compositores de música clássica, não será por acaso que a música é tão utilizada na esfera religiosa, pois os seus benefícios para a saúde e bem-estar estão comprovados.

Ainda recentemente o Festival de Música de Setúbal integrou um simpósio internacional onde o compositor escocês Nigel Osborne, que trabalha há décadas com crianças vítimas de conflitos armados (de início bósnias e, depois, em África e Médio Oriente), defendeu a ideia de que os sintomas de traumas de guerra – como a presença de recordações dolorosas obsessivas, visão negativa da realidade, retracção emocional e hipervigilância – têm repercussões biofísicas que podem ser aliviadas por musicoterapia. Além desse benefício inestimável, a música constitui igualmente uma forma de permitir às crianças uma ligação com a sua identidade e cultura (fazendo-se uso de música dos seus países de origem), ajuda-as a recuperar confiança e empatia, capacidades sociais que os traumas tendem a afectar.

Mas a música é igualmente benéfica em pessoas que atravessam fases difíceis na vida, como dor, depressão ou solidão, mas também doentes hospitalizados, sem-abrigo, pessoas com diagnóstico de autismo, reclusos, portadores de demências, idosos e pessoas institucionalizadas, entre outras, permitindo ainda aos indivíduos activar capacidades adormecidas e aumentar a autoestima. Por outro lado, sabe-se que a experiência de cantar em grupo provoca a produção de oxitocina, uma hormona associada a sensações de prazer, além de benefícios cardíacos e no funcionamento do sistema nervoso.

A música é poderosa porque mexe com as emoções. Pode ser utilizada para fins nobres (cura, cultura, celebração, ritos de passagem, elevação do espírito) ou menos dignos (irritar os vizinhos, quando em volume excessivo, ou apelos ao suicídio). Pode ser usada como um fim em si mesmo, de modo a poder ser apreciada ou assumir um carácter instrumental, com vista a alcançar um propósito final.

Parece que há música nas esferas, no espaço sideral. E há quem diga que a música, tal como toda a verdadeira Arte e a Beleza, terão nascido nos céus, geradas pelo próprio Deus. Nós é que temos uma tendência compulsiva para as estragar.

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na Visão Online.

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco