Afinal, o pecado de Sodoma não foi a homossexualidade (Reportagem, parte IV)

| 11 Abr 19 | Destaques, Igrejas Cristãs, Judaísmo, Últimas

(Em busca de Sodoma, por Frédéric Martel – IV)

Thomas Edward Lawrence, conhecido por Lawrence da Arábia, autor de “Os Sete Pilares da Sabedoria”, foi um dos muitos escritores fascinados pela ideia da viagem ao Oriente e a busca de Sodoma. Foto Wikimedia Commons

 

DE REGRESSO A TEL AVIV, fico alojado em casa de Benny e Irit Ziffer. Benny é um escritor e jornalista famoso em Israel – dirige o suplemento literário do principal jornal diário israelita, Haaretz. A mulher é uma arqueóloga e historiadora de arte de reputação internacional. Em conjunto, durante vários serões, estudamos os mapas, as fontes, as hipóteses para situar Sodoma e relacionar a história bíblica com a realidade do terreno.

– De facto, conclui Irit Ziffer, ninguém tem a menor ideia do local onde se poderia situar Sodoma.

Irit e a maior parte dos investigadores que interroguei partilham a ideia de que a cidade de Sodoma existiu realmente. Não é uma história inventada nem uma questão de fé: várias cidades foram realmente destruídas, na antiguidade, por fenómenos naturais e Sodoma poderia ser uma delas.

Mesmo a transformação da mulher de Lot em “estátua de sal” pode basear-se em elementos reais, num contexto de violentas projecções vulcânicas que imobilizaram instantaneamente indivíduos na lava.

– Em todo o caso, a Bíblia é muito machista nesse ponto, acrescenta Irit, sorrindo. Fala-se da “mulher de Lot”, mas ela não tem nome. É a “mulher de”!

Com Benny Ziffer, que se juntou a nós, falamos agora desta longa procura para encontrar Sodoma e Gomorra. Já em 1847, uma expedição da marinha americana, chefiada pelo comandante William Lynch, tinha vindo à Terra Santa para medir o nível do Mar Morto e tentar encontrar Sodoma e Gomorra e assim confirmar a narrativa do Antigo Testamento. Os exploradores, senão mesmo os arqueólogos bíblicos, eram numerosos nas expedições. Alguns construíram teorias fantasiosas, às vezes vagas, mas outros tiveram a sorte de descobrir vestígios reais, por exemplo mosaicos.

Os escritores lançaram-se na mesma busca. No séc. XIX, a “viagem ao Oriente” torna-se uma obsessão dos “orientalistas”, muitos dos quais tentam deste modo encontrar vestígios de Sodoma.

Tradutor de Francês, de Inglês e de Alemão, Benny Ziffer conhece todos esses escritores, as suas narrativas sobre o Oriente e até as suas vidas duplas. Falámos disso durante numerosos serões em Tel Aviv, em Jerusalém e até no Cairo. Ziffer interessa-se por Chateaubriand, que definiu o género e que, chegado à margem do Mar Morto, fez a seguinte descrição homofóbica: “Aí tudo parece respirar o horror e o incesto de onde vieram Amon e Moab…[O Mar Morto] parece brilhante mas as cidades culpadas que esconde no seu seio parecem ter envenenado as suas ondas.” Disposto a empunhar a espada de Ricardo Coração de Leão, em defesa dos cristãos do Oriente, Chateaubriand viaja como católico militante mas esquece-se de dizer que este herói das Cruzadas que ele tanto venera era também um católico gay, apesar do seu coração de leão!

 

Viagem ao Oriente, um tema apreciado

Temos de dizer que a “viagem ao Oriente”, que vê no mundo árabe uma máquina ávida de desejo, é um género muito apreciado, em particular pelos escritores homossexuais. O Oriente, com maiúscula, é mesmo uma das grandes fantasmagorias gay: Rimbaud em Aden, Lawrence na Arábia, André Gide na Tunísia, Oscar Wilde no Magrebe, Pierre Herbart em África, Henry de Montherlant na Argélia e em Marrocos, Pierre Loti na Galileia, Jean Genet na Palestina, William Burroughs e Allen Ginsberg em Tânger… A lista é infinita. Mesmo Flaubert, em princípio mais padronizado, teria querido ver Sodoma e, segundo os seus biógrafos, experimentado a bissexualidade no contacto com os árabes. Rimbaud insiste: “Oriente, pátria primitiva”.

– Vários escritores que quiseram fazer a “viagem ao Oriente”, um grande clássico literário, eram homossexuais. O nome de Sodoma sempre teve uma enorme carga simbólica, comenta Benny Ziffer, chefe de secção literária do Haaretz, num jantar em Tel Aviv.

Quanto a Marcel Proust, de quem Benny Ziffer é um adorador zeloso, dedicou uma parte da sua obra a Sodoma e Gomorra. Sem nunca ter viajado ao Oriente, embora o tenha fantasiado muito, o escritor revisitou, do ponto de vista literário, a história de Sodoma e da sua destruição, bem como a vida de Lot. Contrariamente à Bíblia, o romancista imagina que só os “sodomitas” foram poupados por Deus, os quais depois da destruição da cidade maldita se fixaram por toda a terra [onde] têm acesso a todas as profissões… e formam em todos os países uma colónia oriental, culta, conhecedora de música, difamatória, que tem todas as qualidades e defeitos insuportáveis”.

Num outro dia, Irit Ziffer que, entretanto, fez aprofundadas pesquisas para mim, quando estamos à mesa, dá-me a boa notícia:

– O problema de Sodoma nunca foi a homossexualidade. Foi muito mais tarde, em interpretações posteriores, que o pecado da sodomia foi imputado à cidade destruída. As Escrituras são muito claras, o único problema foi a falta de hospitalidade. Os habitantes de Sodoma não demonstraram hospitalidade com os estrangeiros e Deus castigou-os por não terem sido suficientemente acolhedores. Lot, que é explicitamente um estrangeiro, é salvo porque ele próprio demonstrou uma hospitalidade exemplar.

 

(Tradução: Lucy Wainewright e Maria Carvalho Torres; Edição: Maria Carla Crespo e António Marujo)

No trabalho de reportagem que fez para o livro No Armário do Vaticano (ed. Sextante Editora, Sodoma, na versão original), o jornalista e investigador francês Frédéric Martel incluiu uma pesquisa sobre a busca da cidade bíblica de Sodoma. Esse trabalho acabou por não ser incluído no livro e deu origem a um capítulo que sera publicado na página da Internet dedicada à obra (www.sodoma.fr). Entretanto, os direitos de publicação deste trabalho, para português, foram cedidos pelo autor ao 7MARGENS, que publica até ao próximo dia 12 esta grande reportagem. O texto anterior da série pode ser lido aqui.

Artigos relacionados

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Fale connosco