Casa comum e COP26

Agora é connosco, diz a Comissão Justiça e Paz

| 26 Nov 2021


COP26 em Glasgow. Foto © IAEA Imagebank, CC BY 2.0, via Wikimedia Commons.

Se ficarmos só com as decisões tomadas na COP26, a cimeira mundial sobre o clima que decorreu em Glasgow (Escócia), entre 31 de Outubro e 13 de Novembro, “poucas coisas se alterarão, as desigualdades continuarão a aumentar e serão sempre os mais vulneráveis os que mais sofrerão”, diz a Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP), da Igreja Católica, sobre os resultados da COP26. 

Num comunicado enviado ao 7MARGENS, a CNJP nota: “Ao olhar para os passos dados, não podemos deixar de sublinhar o que de positivo há nos acordos assinados e nos progressos feitos”. Mas, acrescenta, também não se pode “deixar de reconhecer que estes se revelaram tímidos e ficaram muito aquém daquilo que é verdadeiramente necessário”.

Há “comportamentos e hábitos que têm contribuído, de um modo evidente, para as crescentes alterações climáticas”, diz o texto, e por isso o tempo agora deve ser o de “tomarmos as decisões que se impõem”. E, nesta matéria, ninguém pode “continuar a depender só da decisão dos líderes das nações”. 

“É agora chegada a vez das comunidades e da cidadania, é agora chegada a nossa vez”, diz a Comissão que, “na linha do comunicado da delegação da Santa Sé na COP 26, apela para um genuíno sentido de responsabilidade para com as gerações presentes e futuras, de modo a incentivar e promover as mudanças de estilos de vida e de mentalidades que favoreçam e acelerem o cuidado com a nossa casa comum, de modo a responder verdadeiramente ao grito da terra e ao grito dos pobres”. 

O texto cita ainda uma afirmação do Papa Francisco que, no dia 17, disse aos participantes no Encontro Mundial das Comissões Justiça e Paz das Conferências Episcopais que o desenvolvimento integral, a justiça e a paz “só se podem construir através” de “duas vias: o cuidado da casa comum e a fraternidade e a amizade social”. Ambas, acrescentou Francisco, “têm a origem no Evangelho de Cristo”, mas também podem se factor de união a “muitos homens e mulheres de outras confissões, de outras religiões e mesmo sem nenhuma determinada pertença religiosa”. 

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This