Águas contaminadas de Fukushima não podem ser lançadas no Pacífico, alerta a Igreja Católica

| 17 Fev 2021

Energia nuclear, Fukushima, Japão

Foto de satélite da destruição provocada na central nuclear de Fukushima pelo terramoto e tsunami em 16 de Março de 2011, no Japão. Foto: DigitalGlobe / Wikimedia Commons

 

As comissões de Justiça e Paz e Meio Ambiente das conferências episcopais do Japão e da Coreia do Sul acabam de dirigir uma carta ao primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, manifestando-se contrárias à intenção das autoridades japonesas de lançar no oceano Pacífico as águas contaminadas e armazenadas na central de Fukushima desde o desastre nuclear em 2011, na sequência de terremoto.

A empresa que gere a central calcula que estejam armazenadas mais de um milhão de toneladas de água contaminada e esgotará em 2022 a sua capacidade de armazenamento. Desde 2019 que o problema foi levantado e, nessa altura, o ministro do Ambiente do Japão, afirmou que “a única solução é derramá-la no mar e diluí-la”, faltando apenas conhecer o resultado de relatórios técnicos.

As autoridades nipónicas entendem que, após a filtração a que estão submetidos, os resíduos de trítio já não constituem um perigo. As Igrejas Católicas do Japão e da Coreia vieram agora contestar esse argumento, citando estudos segundo os quais os resíduos de lítio podem causar mortes fetais, leucemia e síndrome de Down, noticia a Asia News. Acrescentam que as garantias oferecidas pelas autoridades japonesas sobre as baixas concentrações da substância radioativa se baseariam em testes ainda incompletos. “Temos uma responsabilidade para as gerações futuras”, alertaram.

 

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

Entrevista do Papa à AP

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

A polémica gerada pelas declarações do Papa Francisco sobre a homossexualidade, na entrevista que concedeu à agência Associated Press (AP), não nasceu do facto de ele ter dito que a Igreja e todos os bispos deviam denunciar como “injusta” qualquer lei que criminalize ou discrimine pessoas LGBT, mas sim daquilo que ele não disse: ser homossexual é um pecado. O Papa referiu-se também ao Caminho Sinodal Alemão como um processo ideológico, censurou o “hábito” de todo o cidadão ter uma arma, referiu as críticas de que tem sido alvo como sendo naturais e afirmou que se renunciasse acabaria os seus dias retirado como bispo emérito de Roma.

Um estrado de 5 milhões de pregos

Um estrado de 5 milhões de pregos

Sejamos brutos, porque é preciso, mas justos, porque devemos ser sempre justos: é preciso ser absolutamente cego, insensível, insensato e outras coisas que ultrapassam “bruto” para permitir um estrado de 5 milhões de euros (fora derrapagens, por certo) para servir de altar papal da Jornada Mundial da Juventude, cujas mais valias evangélicas alguém um dia deveria provar (terão notado que eu escrevi evangélicas, não me referia às outras mais valias, obrigadinho pela atenção).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This