Águas contaminadas de Fukushima não podem ser lançadas no Pacífico, alerta a Igreja Católica

| 17 Fev 2021

Energia nuclear, Fukushima, Japão

Foto de satélite da destruição provocada na central nuclear de Fukushima pelo terramoto e tsunami em 16 de Março de 2011, no Japão. Foto: DigitalGlobe / Wikimedia Commons

 

As comissões de Justiça e Paz e Meio Ambiente das conferências episcopais do Japão e da Coreia do Sul acabam de dirigir uma carta ao primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, manifestando-se contrárias à intenção das autoridades japonesas de lançar no oceano Pacífico as águas contaminadas e armazenadas na central de Fukushima desde o desastre nuclear em 2011, na sequência de terremoto.

A empresa que gere a central calcula que estejam armazenadas mais de um milhão de toneladas de água contaminada e esgotará em 2022 a sua capacidade de armazenamento. Desde 2019 que o problema foi levantado e, nessa altura, o ministro do Ambiente do Japão, afirmou que “a única solução é derramá-la no mar e diluí-la”, faltando apenas conhecer o resultado de relatórios técnicos.

As autoridades nipónicas entendem que, após a filtração a que estão submetidos, os resíduos de trítio já não constituem um perigo. As Igrejas Católicas do Japão e da Coreia vieram agora contestar esse argumento, citando estudos segundo os quais os resíduos de lítio podem causar mortes fetais, leucemia e síndrome de Down, noticia a Asia News. Acrescentam que as garantias oferecidas pelas autoridades japonesas sobre as baixas concentrações da substância radioativa se baseariam em testes ainda incompletos. “Temos uma responsabilidade para as gerações futuras”, alertaram.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This