Portugal ajudou com 3,4 milhões

AIS apoiou 4 758 projectos com 123 milhões de euros

| 18 Jun 21

Estudante, Universidade Católica de Erbil, Iraque, ACN Portugal

Estudante na Universidade Católica de Erbil, no Iraque. Fundação AIS dá 150 bolsas para universitários. Foto © ACN Portugal

 

A fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) angariou em 2020, a nível global, 122,7 milhões de euros em donativos para os cristãos perseguidos em todo o mundo – anunciou a organização, em comunicado enviado ao 7MARGENS. A verba significativa – ainda mais em tempo de pandemia – traduz um aumento de 15,4% em relação ao ano anterior, nos 23 secretariados nacionais da instituição. Portugal também registou um valor máximo, com mais de 3,4 milhões de euros de donativos.

O dinheiro recolhido pela AIS permitiu apoiar 4 758 projectos em todo o mundo – 32,6% dos quais no continente africano do total dos projectos, o que reflecte a evolução preocupante que se está a verificar em muitos dos seus países, de acordo com o presidente executivo da organização, Thomas Heine-Geldern. E traduz, também, a mudança da maior parte dos apoios, do Médio Oriente para África.

Os apoios são destinados a projectos concretos como reconstrução ou construção de igrejas ou edifícios religiosos, formação e sobrevivência de seminaristas, padres, religiosas, catequistas ou estudantes. Em Portugal, o apoio a Cabo Delgado e à reconstrução de Beirute depois da explosão estão entre os mais apoiados pelos benfeitores da organização. Mais informações podem ser lidas na página da AIS. 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornada Nacional Memória & Esperança 2021 já tem site

Homenagem às vítimas da pandemia

Jornada Nacional Memória & Esperança 2021 já tem site novidade

O site oficial da Jornada Nacional Memória & Esperança 2021, iniciativa que visa homenagear as vítimas da pandemia com ações em todo o país entre 22 e 24 de outubro, ficou disponível online esta sexta-feira, 17. Nele, é possível subscrever o manifesto redigido pela comissão promotora da iniciativa e será também neste espaço que irão sendo anunciadas as diferentes iniciativas a nível nacional e local para assinalar a jornada.

Novo ano letivo: regressar ao normal?

Novo ano letivo: regressar ao normal? novidade

Após dois conturbados anos letivos, devido à pandemia, as escolas preparam-se para um terceiro ano ainda bastante incerto, mas que desejam que seja o mais normal possível. O regresso à normalidade domina as declarações públicas de diretores escolares e de pais, alunos e professores. Este desejo de regresso à normalidade, sendo lógico e compreensível, após dois anos de imensa instabilidade, incerteza e experimentação, constitui ao mesmo tempo um sério problema.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This