Em Londres

“Ajuda, ajuda, ajuda…” As comoventes cartas do Holocausto numa exposição inédita

| 20 Fev 2023

exposicao cartas do holocausto, biblioteca de wiener, londres, fevereiro 2023

Intitulada “Cartas do Holocausto”, a exposição nasceu de uma seleção feita entre as milhares de cartas que a Biblioteca de Wiener tem vindo a colecionar deste que foi fundada, em 1933. Foto © Biblioteca do Holocausto de Wiener.

 

São mais de 60 cartas escritas por judeus durante o período do Holocausto, algumas delas contendo aquelas que são as suas últimas palavras conhecidas, antes de terem sido vitimas do genocídio nazi, e podem ser vistas em público pela primeira vez a partir desta quarta-feira, 22 de fevereiro, na Biblioteca do Holocausto de Wiener, em Londres.

Intitulada “Cartas do Holocausto”, a exposição nasceu de uma seleção feita entre as milhares de cartas que a Biblioteca tem vindo a colecionar deste que foi fundada, em 1933, e que continua, ainda hoje, a receber, o que leva os pesquisadores a concluir que “a história da Shoah ainda está a ser escrita”, explica Sandra Lipner, umas das curadoras desta mostra, citada pelo jornal Jewish News.

Entre as cartas em exibição, vão estar aquelas que Maria e Maximilian Wortman escreveram ao seu primo Ludwik e à sua filha Dziunia. “Ludwik, nós imploramos-te. Se não houver regresso para nós, cuida da Dziunia. Tu és o único que resta…”, pediam ao primo. E depois à filha: “Querida Dziunia! Obviamente, este é o nosso destino. Diziunia, sê corajosa e lida com isto… Adeus, e vai corajosamente para a vida!”.

“Ludwik, nós imploramos-te. Se não houver regresso para nós, cuida da Dziunia. Tu és o único que resta…”, pode ler-se numa das cartas.

O facto de Dziunia ter sobrevivido ao Holocausto é absolutamente notável (ela morreu em Londres, em 2015, aos 93 anos), mas a sobrevivência das cartas é, em si, “um mistério e um milagre” para a Biblioteca de Wiener. É que as cartas foram escritas enquanto Maria e Maximilian estavam no gueto de Varsóvia, à espera do comboio que os levaria para o campo de extermínio de Treblinka, onde viriam a ser assassinados.

Algumas das cartas contêm grandes áreas em branco, fruto da censura de que eram alvo quando se referiam ao tratamento de que os judeus eram alvo. Noutra das cartas que poderá ser vista na exposição, pode ler-se: “Ajuda, ajuda, ajuda…”. Depois, termina abruptamente.

Estas cartas, assinala Sandra Lipner, “muitas vezes estão a tentar descrever o indescritível”. Numa altura em que as palavras “Holocausto” e “genocídio” ainda não existiam,  as missivas mostram que, ao contrário do que geralmente se pensa, os judeus da Europa ocupada nazi estavam muito conscientes do seu eventual destino.

A exposição, de entrada gratuita, estará patente até 16 de junho. Até lá, estão previstas palestras e outros eventos associados, alguns deles com transmissão online. A agenda e modo de participação podem ser consultados no site da Biblioteca do Holocausto de Wiener.

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This