Alegria e Misericórdia: as revoluções de Francisco

| 6 Set 2020

Inflexão na doutrina e mudança nas práticas pastorais são os dois temas mais polémicos associados à exortação apostólica Amoris Laetitia que o Papa Francisco publicou há quatro anos e meio. Mas os especialistas reunidos por Miguel Almeida, sj, no livro Alegria e Misericórdia – A teologia do Papa Francisco para as famílias mostram que as revoluções operadas por Francisco na exortação não se limitam àqueles dois aspetos. E estas são para a Igreja desafios tão grandes ou maiores do que aqueles.

Talvez o título do livro seja comprido demais. Poderia ser apenas Alegria e Misericórdia – A teologia do Papa Francisco. De facto, apesar da dúzia de autores que nele escreve o fazer sempre a partir da exortação e do discurso eclesial sobre a família e o matrimónio, o que nos vai sendo apresentada é a teologia do Papa Francisco, não apenas sobre as famílias, mas o seu discorrer de fé sobre o Deus de Jesus Cristo e o modo como Ele se relaciona com a história humana. E a propósito das famílias – plural de realidade bem diferente do singular “a família” – muitas coisas têm de mudar. Não tanto nestas, mas mais na Igreja. Como tem sido seu costume, impelido pela urgência de Deus, Francisco começa por fazer o seu trabalho de casa e muda o que pode mudar, incitando a que bispos, padres, consagrados e leigos mudem o que lhes compete mudar.

A função do magistério, o exercício da autoridade (em especial da autoridade papal), a revolução na linguagem, os critérios pastorais, o direito canónico, a importância salvífica da realidade humana são alguns exemplos das múltiplas áreas em que os autores detetam (e descrevem) verdadeiras revoluções realizadas pelo Papa nesta exortação. Neste quadro, a importância do texto pontifício ultrapassa em muito a questão da pastoral familiar. O que explica a reação violentamente adversa dos sectores mais conservadores.

A diversidade de áreas de investigação dos autores reunidos permite uma visão multifacetada da exortação e dá ao leitor a possibilidade de se interessar mais por um ou outro ponto de vista. Neste leque de especialistas nota-se a ausência de alguém vindo da área da sexualidade. Mas esse é também, a meu ver, o “terreno esquecido” pela exortação.

De qualquer modo este é um livro indispensável para relembrar a novidade e a importância decisiva de uma exortação que alguns, na Igreja portuguesa, apresentaram como não contendo nada de novo. E para mostrar o caminho que nos falta percorrer para que se torne realidade a afirmação contida no relato final da XIV assembleia-geral ordinária do Sínodo dos Bispos: “o anúncio cristão sobre a família é verdadeiramente uma boa notícia”.

 

O livro Alegria e Misericórdia – A teologia do Papa Francisco para as famílias será apresentado na Brotéria, em Lisboa, na próxima sexta-feira, 11 de setembro, às 18h30, numa sessão com a participação do padre Miguel Almeida, sj (coordenador da obra) e dos casais Ana Cordovil e Jorge Wemans, e Teresa e Bernardo Cunha Ferreira; é necessária inscrição, que pode ser feita através deste link.

 

Alegria e Misericórdia – A teologia de Papa Francisco para as famílias
Miguel Almeida, SJ (coordenação); textos de: Andrea Grillo; Antonio Autiero; Antonio Spadaro, sj; Austen Ivereigh; Conor M. Kelly; Irene Guia, aci; James F. Keenan, sj; Julie Hanlon Rubio, Miguel Almeida, sj; Pablo Guerrero Rodriguez, sj; Philippe Bordeyne; Stella Morra.
Editorial Frente e Verso, 310 páginas; preço: €14,00; 1ª edição: julho de 2020.

 

O que têm dito os papas sobre a paz

Debate e oração no Rato, em Lisboa

O que têm dito os papas sobre a paz novidade

As mensagens dos Papas para o Dia Mundial da Paz é o tema da intervenção do padre Peter Stilwell neste sábado, 3 de Dezembro (Capela do Rato, em Lisboa, 19h), numa iniciativa integrada nas celebrações dos 50 anos da vigília de oração pela paz que teve lugar naquela capela, quando um grupo de católicos quis permanecer em oração durante 48 horas, em reflexão sobre a paz e contra a guerra colonial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Ministro russo repudia declarações do Papa

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This