Indemnização de 1,1 mil milhões

Alemanha reconhece ter cometido genocídio na Namíbia

| 29 Mai 21

Namibianos acorrentados durante o período colonial alemão, entre 1884 e 1915. Os povos herero e nama foram vítimas de um genocídio que matou 75 mil pessoas entre 1904 e 1908. Foto: Direitos reservados.

 

A Alemanha reconheceu nesta sexta-feira, 28 de Maio, que os massacres cometidos entre 1904 e 1908 contra os povos herero e nama, da actual Namíbia, durante a era colonial do Império Alemão, foram um genocídio. Como compensação história, a Alemanha pagará 1,1 mil milhões de euros nos próximos 30 anos.

Berlim aceitou pagar uma indemnização ao Governo do país africano e o Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, irá ao Parlamento da Namíbia pedir perdão pelo genocídio no país africano que sucedeu à antiga colónia Sudoeste Africano Alemão, informou a Deutsche Welle.

De acordo com a mesma fonte, o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Heiko Maas, mostrou-se satisfeito e agradecido pelo acordo alcançado com a Namíbia, após mais de cinco anos de negociações. Como gesto de reconhecimento, acrescentou o ministro, e como forma de reconhecer a “responsabilidade histórica e moral da Alemanha”, o país apoiará “a Namíbia e os descendentes das vítimas” 1,1 mil milhões de euros para reconstrução e desenvolvimento, a ser pagos ao longo de 30 anos. O dinheiro será destinado a programas de infraestruturas, saúde e educação.

A Presidência da Namíbia considerou o acordo “um primeiro passo” no caminho correto. Mas a oposição política da Namíbia criticou-o, afirmando que os descendentes dos povos herero e nama não foram suficientemente contemplados. “Se a Namíbia recebe dinheiro da Alemanha, ele deveria ir para os líderes tradicionais das comunidades atingidas e não para o Governo”, afirmou uma deputada da oposição.

Mutjinde Katjiua, secretário-geral da Autoridade Tradicional Ovaherero, disse que o seu povo rejeita o acordo nos moldes anunciados pela Alemanha. Segundo Katjiua, citado numa outra notícia da DW, o embaixador alemão foi informado de que se opõem à ida de Steinmeier à Namíbia.

“Os líderes disseram que o ministro ou Presidente que vier à Namíbia assinar esse acordo não será bem-vindo. Alertámos o embaixador de que o Presidente deve ficar na Alemanha. Faremos de tudo em nosso poder para fazer com que a visita seja irrealizável”, afirmou.

“O genocídio é um crime, e como tal, é regulamentado pelas leis internacionais. Eles não assumiram a culpa pelos crimes, o que eles sabem que acarretaria a responsabilização”, acrescentou Nandi Mazengo, da Fundação do Genocídio Herero.

 

75 mil pessoas mortas pelas armas, pela sede e em campos

Sobreviventes do povo herero, da Namíbia, vitimados, com os nama, por um genocídio alemão entre 1904-1908, na actual Namíbia. Foto: Direitos reservados.

 

A actual Namíbia foi colónia alemã entre 1884 e 1915.  Entre 1904 e 1908, as tropas do imperador Guilherme II massacraram aproximadamente 65 mil herero (de um total de cerca de 80 mil) e 10 mil nama (de cerca de 20 mil), depois de ambos os grupos se terem revoltado contra o domínio colonial.

O comandante milutar alemão no território, general Lothar von Trotha, foi quem deu as ordens para o extermínio, que se tornou o mais grave crime na história colonial alemã – e que é reconhecido pela ONU como o primeiro genocídio do século XX.

As ordens de Lothar von Trotha levaram ao extermínio sistemático de homens, mulheres e crianças através da força armada, do bloqueio do acesso à água no deserto e de campos de concentração.

Há três anos, a Alemanha entregou à Namíbia  ossadas de vítimas dos massacres que estavam há décadas no Hospital Universitário Charité, em Berlim.

Além da Namíbia, Tanzânia e Burundi também exigem reparações por crimes cometidos durante o período colonial alemão, recorda ainda a DW.

A Alemanha foi potência colonial a partir de 1880 quando, durante a administração do chanceler Otto von Bismarck, o Império Alemão estabeleceu colónias nos actuais territórios da Namíbia, Camarões, Togo, partes da Tanzânia e do Quénia.

O imperador Guilherme II, coroado em 1888, procurou alargar os territórios coloniais alemães, criando frotas de navios. Essas possessões ultramarinas em África foram perdidas durante a Grande Guerra 1914-18.

 

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens novidade

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Acordo histórico

G7 estabelece em 15% a taxa mínima de IRC

Os ministros das Finanças dos setes países ocidentais mais ricos chegaram a acordo durante os encontros paralelos da cimeira do G7, que decorreram sexta e sábado, 5 de junho, em Londres, para fixar a taxa de IRC sobre as empresas num mínimo de 15 por cento. A decisão dá início a um processo de reforma do sistema financeiro mundial da maior importância, pondo em causa os paraísos fiscais e a tendência de décadas de redução das taxas sobre lucros das empresas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Cardeal Marto: sem espiritualidade, caímos em novas escravaturas

O bispo de Leiria-Fátima, cardeal António Marto, defendeu neste domingo o respeito pela dignidade humana, ligada à dimensão espiritual: “Sem esta dimensão espiritual, a vida em sociedade torna-se um caos, fica entregue à lei do mais forte”, afirmou neste domingo, 16.

Entre margens

Entre Margens

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Homenageando o artesanato

Os novos tempos transformaram, ainda que provisoriamente, os hábitos que muitos de nós tínhamos bem arreigados. O conceito de descanso, tantas vezes associado a férias em paragens longínquas, passou a contemplar simplesmente sair de casa e chegar-se a destinos que, apesar de próximos, não tinham ainda sido, para muitos, explorados.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco