Indemnização de 1,1 mil milhões

Alemanha reconhece ter cometido genocídio na Namíbia

| 29 Mai 2021

Namibianos acorrentados durante o período colonial alemão, entre 1884 e 1915. Os povos herero e nama foram vítimas de um genocídio que matou 75 mil pessoas entre 1904 e 1908. Foto: Direitos reservados.

 

A Alemanha reconheceu nesta sexta-feira, 28 de Maio, que os massacres cometidos entre 1904 e 1908 contra os povos herero e nama, da actual Namíbia, durante a era colonial do Império Alemão, foram um genocídio. Como compensação história, a Alemanha pagará 1,1 mil milhões de euros nos próximos 30 anos.

Berlim aceitou pagar uma indemnização ao Governo do país africano e o Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, irá ao Parlamento da Namíbia pedir perdão pelo genocídio no país africano que sucedeu à antiga colónia Sudoeste Africano Alemão, informou a Deutsche Welle.

De acordo com a mesma fonte, o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Heiko Maas, mostrou-se satisfeito e agradecido pelo acordo alcançado com a Namíbia, após mais de cinco anos de negociações. Como gesto de reconhecimento, acrescentou o ministro, e como forma de reconhecer a “responsabilidade histórica e moral da Alemanha”, o país apoiará “a Namíbia e os descendentes das vítimas” 1,1 mil milhões de euros para reconstrução e desenvolvimento, a ser pagos ao longo de 30 anos. O dinheiro será destinado a programas de infraestruturas, saúde e educação.

A Presidência da Namíbia considerou o acordo “um primeiro passo” no caminho correto. Mas a oposição política da Namíbia criticou-o, afirmando que os descendentes dos povos herero e nama não foram suficientemente contemplados. “Se a Namíbia recebe dinheiro da Alemanha, ele deveria ir para os líderes tradicionais das comunidades atingidas e não para o Governo”, afirmou uma deputada da oposição.

Mutjinde Katjiua, secretário-geral da Autoridade Tradicional Ovaherero, disse que o seu povo rejeita o acordo nos moldes anunciados pela Alemanha. Segundo Katjiua, citado numa outra notícia da DW, o embaixador alemão foi informado de que se opõem à ida de Steinmeier à Namíbia.

“Os líderes disseram que o ministro ou Presidente que vier à Namíbia assinar esse acordo não será bem-vindo. Alertámos o embaixador de que o Presidente deve ficar na Alemanha. Faremos de tudo em nosso poder para fazer com que a visita seja irrealizável”, afirmou.

“O genocídio é um crime, e como tal, é regulamentado pelas leis internacionais. Eles não assumiram a culpa pelos crimes, o que eles sabem que acarretaria a responsabilização”, acrescentou Nandi Mazengo, da Fundação do Genocídio Herero.

 

75 mil pessoas mortas pelas armas, pela sede e em campos

Sobreviventes do povo herero, da Namíbia, vitimados, com os nama, por um genocídio alemão entre 1904-1908, na actual Namíbia. Foto: Direitos reservados.

 

A actual Namíbia foi colónia alemã entre 1884 e 1915.  Entre 1904 e 1908, as tropas do imperador Guilherme II massacraram aproximadamente 65 mil herero (de um total de cerca de 80 mil) e 10 mil nama (de cerca de 20 mil), depois de ambos os grupos se terem revoltado contra o domínio colonial.

O comandante milutar alemão no território, general Lothar von Trotha, foi quem deu as ordens para o extermínio, que se tornou o mais grave crime na história colonial alemã – e que é reconhecido pela ONU como o primeiro genocídio do século XX.

As ordens de Lothar von Trotha levaram ao extermínio sistemático de homens, mulheres e crianças através da força armada, do bloqueio do acesso à água no deserto e de campos de concentração.

Há três anos, a Alemanha entregou à Namíbia  ossadas de vítimas dos massacres que estavam há décadas no Hospital Universitário Charité, em Berlim.

Além da Namíbia, Tanzânia e Burundi também exigem reparações por crimes cometidos durante o período colonial alemão, recorda ainda a DW.

A Alemanha foi potência colonial a partir de 1880 quando, durante a administração do chanceler Otto von Bismarck, o Império Alemão estabeleceu colónias nos actuais territórios da Namíbia, Camarões, Togo, partes da Tanzânia e do Quénia.

O imperador Guilherme II, coroado em 1888, procurou alargar os territórios coloniais alemães, criando frotas de navios. Essas possessões ultramarinas em África foram perdidas durante a Grande Guerra 1914-18.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This