Alerta vermelho: e agora, como se carrega a bateria da Terra com uma economia mais justa?

| 20 Nov 20

Quem pode cantar uma canção de mudança, perguntava a música do Nyado, grupo dedicado à acção positiva através da música e das artes visuais. O planeta está a ficar sem bateria e o único modo de o recarregar é através de uma economia mais sustentável e sem exclusão, mostrava um vídeo de jovens com deficiência. Ideias do encontro A Economia de Francesco, que se iniciou nesta quinta-feira, em Assis (Itália), convocado pelo Papa.

Um planeta exaurido e com a bateria quase no fim. Imagem do vídeo dos jovens do Instituto Seráfico.

 

Se tivesse de enfrentar dois problemas do mundo e tentar resolvê-los, Rita Sacramento Monteiro, 34 anos, escolheria o trabalho e o cuidado. O trabalho, por causa do desemprego e da tecnologia, mas também pela “necessidade de perceber quais podem ser as profissões do futuro ou as novas modalidades de contratação”. O cuidado, porque para ela é importante imaginar como cuidamos de forma mais ágil, possibilitando mesmo a contratação de quem está fora do mercado e não flexibilizando empregos.

Rita Monteiro é responsável pelo programa de voluntariado da EDP desde 2016. Formada em Comunicação, também é escuteira. “O cuidado é um “tema de futuro”, ainda mais num país envelhecido e onde não há uma estratégia para o envelhecimento activo. “Como cuidamos dos mais velhos? Mantendo o modelo de residências? Tornando-as mais humanizadas? As profissões do cuidado na saúde, ou em milhares de organizações são vistas como “de segunda” categoria, diz Rita. Mas têm de ser valorizadas, defende, em declarações ao 7MARGENS.

Esta posição coincide muito com a defesa que o Papa Francisco fez da importância das actividades de cuidadoras quando, em Março, presidiu à oração pela humanidade, na praça de São Pedro, em directo para o mundo inteiro. É tempo de ver a forma como tantos são capazes “de resgatar, valorizar e mostrar como as nossas vidas são tecidas e sustentadas por pessoas comuns (habitualmente esquecidas), que não aparecem nas manchetes dos jornais e revistas, nem nas grandes passarelas do último espectáculo”, afirmou na ocasião. São elas que, “hoje estão, sem dúvida, a escrever os acontecimentos decisivos da nossa história: médicos, enfermeiros e enfermeiras, trabalhadores dos supermercados, pessoal da limpeza, responsáveis, transportadores, forças policiais, voluntários, sacerdotes, religiosas e muitos – mas muitos – outros que compreenderam que ninguém se salva sozinho”.

Rita também tem esta perspectiva e está interessada em debater como é que a organização económica pode ser diferente. Por isso aderiu ao encontro A Economia de Francesco, convocado pelo Papa em Maio de 2019 para que, tendo por referência a vida de São Francisco (Francesco, em italiano), imaginassem uma “economia diferente, que faz viver e não mata, inclui e não exclui, humaniza e não desumaniza, cuida da criação e não a devasta”

A convocatória é para jovens economistas e empreendedores, até aos 35 anos. Por isso Rita aderiu à ideia e é uma das 16 que dinamiza o grupo de 50 jovens portugueses que se inscreveram para participar no encontro, que decorre ainda sexta e sábado e pode ser acompanhado, em ambos os dias, entre as 13h e as 17h (hora de Lisboa).

“Não sendo economista, não sei como se resolve o problema de aumentar ordenados a pessoas que são tendencialmente mal pagas.” Mas sabe que “somos todos importantes e temos de dar atenção às pessoas, porque elas é que são importantes”. E temos de “trabalhar a forma como olhar e cuidar do outro” numa empresa ou organização, porque “não somos máquinas”. Sabendo tudo isto, Rita Monteiro também sugere que, em vez de discutir questões de fim de vida, deveríamos estar a rever os cuidados paliativos ou a forma de gestão dos lares, entre outras questões.

 

“Questionar a lógica da economia”

Vila Verde (Portugal), 2000: debater o papel das mulheres mães e profissionais foi uma das sugestões dos portugueses participantes. Foto © Alfredo Cunha/O Tempo das Mulheres, cedida pelo autor.

 

E porque não outras ideias? Ricardo Zózimo, 43 anos, professor de Impacto na área de Gestão da Universidade Nova de Lisboa, é um dos cinco académicos que se ofereceram para acompanhar os jovens portugueses na preparação do encontro. Nos debates que foi havendo, o papel dos professores foi o de enquadrarem as propostas que surgiam entre os jovens e jovens adultos.

Uma das sugestões que surgiram procurou enfrentar o papel das mulheres na economia e que procura responder à necessidade de não estrangular o papel das mulheres como mães e como trabalhadoras, permitindo também a sua realização profissional.

Os jovens propuseram que a baixa por maternidade e paternidade deveria ser obrigatória e igual para os dois membros do casal. “Isso permitiria que o empregador visse como igual o facto de contratar um homem ou uma mulher, no caso de a pessoa poder vir a ter filhos”, explica Ricardo Zózimo ao 7MARGENS, sobre a proposta dos jovens participantes no encontro.

É preciso “procurar caminhos novos e diferentes e questionar a lógica da própria economia”, diz Rita Monteiro. “A pandemia tem mostrado que os modelos que temos estão a falhar em várias direcções.” Desde logo, no que às alterações climáticas diz respeito: tem de se encarar esse problema de forma global e percebermos que se trata de uma crise sócio-ambiental “que não se vai resolver sem as pessoas”. Sem olhar “para a forma como trabalhamos, como produzimos, como consumimos” não se conseguirá resolver o problema, diz.

Quem senão os jovens participantes pode ajudar a “mudar o actual sistema económico e a construir um mundo melhor”, perguntava, na sessão de abertura, Francesca di Maolo, presidente do Instituto Seráfico de Assis, uma instituição católica de integração de crianças e jovens com incapacidades físicas, mentais ou sensoriais.

Pouco antes, um duo proveniente do Nyado fazia uma pergunta em forma de música: quem pode cantar uma canção de mudança? E um vídeo produzido pelos jovens do Seráfico mostrava um planeta a esvair-se até ao 1% de bateria, e que só se recarregava com gestos de desenvolvimento sustentável, distribuição de riqueza, partilha e fraternidade.

Ela própria uma jovem adulta, Francesca di Maolo dizia que é preciso um sistema que não produza “pobres, esquecidos ou excluídos” (as sessões do primeiro dia podem ser revistas no canal do encontro no YouTube, a seguir reproduzido:)

 

“Tecnologicamente avançados, mas empobrecidos…”

Para Rita Monteiro, as grandes opções são claras: valorizar o conhecimento científico, partilhar informação, investir na educação, combater a corrupção na política ou nas empresas – mesmo se “muitas vezes é preciso entrar na dança para poder transformar”.

Há uma “pressão insustentável sobre as pessoas” que cria um profundo “desequilíbrio na sua vida na dimensão humana e familiar”. As empresas, acrescenta, devem dar lucro, mas também “partilhar o valor que criam, porque se destroem o valor humano” não têm futuro.

A ideia de crescimento não pode reduzir-se a números, antes deve alargar-se ao “acesso ao trabalho digno e ao sentido colectivo e da pertença”. E “não pode haver uns a crescer e outros a ficarem para trás”. Caso contrário, continuaremos “tecnologicamente avançados, mas empobrecidos em muitas dimensões”.

Outro desafio é o do envolvimento das pessoas na política, diz Rita Monteiro, e o encontro convocado pelo Papa atraiu-a porque lhe abriu “horizonte e oxigénio, uma possibilidade de olhar o mundo com olhos de ver”. Mesmo que o encontro não se faça com muitas “receitas económicas”, o facto de se poder questionar e fazer perguntas é o primeiro passo para encontrar respostas.

Para o caso português, é importante também aproveitar esta oportunidade num país onde se acentuaram problemas sociais. E o discurso dos católicos precisa de voltar a olhar para a o pensamento social da Igreja e a ética social.

Rita Monteiro diz que há coisas boas a acontecer, que é preciso valoriza. E Ricardo Zózimo concorda: “Há sinais de esperança no mundo inteiro e este encontro procura esses sinais de esperança. Precisamos de oferecer alternativas, figuras e modelos diferentes do que existe”, afirma.

Uma grande virtude deste encontro é a possibilidade de “formar comunidade: os problemas são globais, precisamos de uma comunidade à escala global; as pessoas que estão no encontro estarão em sítios de responsabilidade e isso permite criar redes internacionais que permite provoquem a mudança”. Sinal disso mesmo são os rostos que apresentam o encontro: duas jovens oriundas do Equador e Filipinas e um argelino – significativo, aliás, que não haja ninguém da Europa ou dos Estados Unidos.

Extra-programa, os jovens portugueses encontram-se diariamente depois das 17h numa plataforma virtual, onde também podem estar outras pessoas interessadas que se devem inscrever previamente.

 

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba novidade

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um consistório virtual para os novos cardeais novidade

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista”

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, que passou na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Estado de Nova Iorque processa diocese de Buffalo por encobrimento de abusos sexuais

A procuradora-geral do estado de Nova Iorque, Letitia James, processou esta segunda-feira a diocese de Buffalo e dois dos seus antigos bispos, por terem encoberto mais de 20 padres acusados de cometer abusos sexuais e permitido que os mesmos se reformassem ou fossem transferidos, em vez de terem seguido os procedimentos definidos pela Igreja Católica para estes casos, que os teriam levado a um possível abandono do sacerdócio.

Papa e presidente do Conselho Europeu unidos contra o extremismo religioso

O Papa Francisco e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, falaram ao telefone esta segunda-feira, 23 de novembro, sobre a necessidade de uma “luta contínua contra o ódio religioso e a radicalização”, tendo assinalado como prioridade o “diálogo interconfessional e intercultural”. Discutiram ainda “sobre como abordar a covid-19 de uma perspetiva multilateral, sublinhando as necessidades dos mais vulneráveis”, divulgou Charles Michel na sua conta de Twitter.

Nicarágua: Católicos ajudam vítimas dos furacões “em segredo”, para evitar represálias

A Igreja Católica na Nicarágua organizou no passado domingo, 22 de novembro, uma  recolha de donativos para ajudar as vítimas dos furacões Iota e Eta, que assolaram o país nas últimas semanas. As ajudas foram entregues “em segredo”, por recomendação do cardeal Leopoldo Brenes, arcebispo de Manágua, depois de terem sido conhecidos relatos de ameaças feitas pela Polícia da Nicarágua a alguns fiéis que reuniam apoios para as populações afetadas.

Entre margens

52 ed Orbmevon novidade

Assistimos hoje a uma versão açoriana de uma espécie de 25 de Novembro ao contrário (como no título). Se em 1975 a esquerda antidemocrática tentou tomar o poder pela força, agora é a direita antidemocrática a tentar fazê-lo encavalitada num PSD onde Sá Carneiro já teria muita dificuldade em rever-se.

Um justo chamado Angelo Roncalli

Angelo Roncalli teve um pontificado curto, menos de cinco anos, de 1958 a 1963. Devido à sua idade já avançada e estado de saúde frágil, no momento da sua eleição foi encarado como um Papa de transição. Foi, por isso, com grande surpresa que foi acolhida a notícia da convocação de um concílio ecuménico, o Concílio do Vaticano II, que viria a mudar a vida da Igreja, aproximando-a dos fiéis e reforçando a sua participação litúrgica.

Uma oportunidade para a renovação democrática

Se é importante sublinhar que as identidades pessoais e coletivas configuram convenções socialmente necessárias à convivência, elas constituem, antes de tudo, um desafio e uma tarefa quando reclamam por reconhecimento e justiça no espaço público. No entanto, se exploradas politicamente, dão lugar a expressões de fundamentalismos de vária ordem: muros que separam os “bons” dos “maus”, postos de trabalho para os de “dentro” e não para os de “fora”, entre outros fenómenos conhecidos.

Cultura e artes

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco