Cãmara Municipal recuou nos apoios

Alguns eventos da JMJ em risco de sair de Lisboa

| 29 Jul 2022

sede da JMJ Lisboa 2023 recebeu a visita do Núncio Apostólico em Portugal, D. Ivo Scapolo foto site JMJ

Visita do Núncio Apostólico em Portugal, Ivo Scapolo, à sede da JMJ, em maio deste ano. A organização começa a pensar em locais alternativos para a realização dos eventos. Foto © JMJ Lisboa 2023.

 

 

A Câmara Municipal de Lisboa não assinou ainda o memorando de entendimento que preparou já no passado mês de abril, e onde definia a distribuição de trabalho, despesas e locais relativos às diversas iniciativas no programa da Jornada Mundial da Juventude, que irá realizar-se em Portugal de 1 a 6 de agosto. Com os prazos cada vez mais apertados, a organização confessa-se apreensiva e começa a pensar em locais alternativos para os eventos, de Vila Franca de Xira a Cascais, avança o jornal Expresso desta sexta-feira, 29 (notícia reservada a assinantes).

No draft do memorando de entendimento a que o Expresso teve acesso, a CML atribuía a si própria uma série de tarefas e encargos, entre eles questões práticas do evento principal, no Parque Tejo, nomeadamente iluminação, água, um “espaço para alimentação de VIP e bispos” ou a colocação de casas de banho e  “torres multimédia (imagem e som), que permitam a todos os peregrinos acompanhar as cerimónias em qualquer lugar do recinto e nas
zonas circundantes”.

O Presidente da autarquia, Carlos Moedas, terá adiado as decisões para setembro, altura em que voltará a reunir o executivo, mas teme-se que não queira assinar o documento, até porque já havia enviado uma carta a António Costa e a Ana Catarina Mendes, a ministra que tem a pasta da JMJ, a exigir “ajuda” para, pelo menos, as “torres multimédia e a estrutura das casas de banho”.

De referir que o memorando de abril foi redigido e enviado pelo gabinete de Laurinda Alves, que no final da semana passada foi afastada da liderança da organização do evento. Também o remetente da missiva, o assessor Francisco Guimarães, contratado para se dedicar sobretudo à JMJ, está agora de saída do gabinete da vereadora.

Confrontado com a possibilidade de atrasos, Sá Fernandes, coordenador do grupo de projeto para a JMJ 2023 do Governo, diz-se seguro.
“Uma coisa garanto: tudo vai acontecer.” Admite que há “alguma apreensão”, porque “falta a CML dizer que faz tudo aquilo com que se comprometeu”. Ou assume as tarefas, “ou, se não assume, tem de o dizer, para arranjarmos uma solução”. Mas “há sempre soluções para tudo”, conclui.

Num comunicado enviado também esta sexta-feira às redações, a Câmara Municipal de Lisboa informa que “foi e está assumido o investimento total até 35 milhões de euros na exigente criação de condições para os diferentes eventos”, e apela ao Governo para que “os compromissos assumidos pelo Estado, direta e indiretamente, sejam, no mínimo paritários com o esforço feito pela autarquia de Lisboa”.

“A CML assumiu as suas responsabilidades. Continuamos à espera de resposta do Governo que, até ao momento, ainda não assumiu as suas”, pode ler-se no mesmo comunicado.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This