Ali al-Sistani assinará compromisso escrito por Francisco e Al-Tayyeb?

| 30 Jan 21

Ali al-Sistani, Iraque, islão, xiita

O aiatola Ali al-Sistani (esq), líder dos muçulmanos xiitas do Iraque, com o aiatola Al-Khoi. Foto: Faizhaider/Wikimedia Commons

 

O Papa Francisco deverá ser recebido pelo grande aiatola Ali al-Sistani – a mais alta autoridade do islão xiita no Iraque – durante a visita que fará àquele país no início de Março, anunciou o cardeal iraquiano Louis Sako à AFP. Espera-se que no termo do encontro os dois chefes religiosos assinem o documento sobre a fraternidade humana e a favor da paz no mundo que Francisco subscreveu com o Grande Imã Ahmad Al-Tayyeb (figura do maior relevo no islão sunita e xeque de Al-Azhar, no Egito), no Abu Dhabi, em fevereiro de 2019, e que o Papa considerou ter sido um dos estímulos para a redação da sua última encíclica, Fratelli Tutti.

O grande aiatola Ali al-Sistani é a figura tutelar da política iraquiana, tem 90 anos, não aparece em público e deve receber o Papa na sua residência pessoal na cidade santa xiita de Najaf (ao sul de Bagdade). Os xiitas são um importante ramo minoritário do islão (16%), mas são maioritários no país.

Francisco é o primeiro papa a visitar o Iraque [entre 5 e 8 de março], país em que os cristãos têm sido vítimas de forte repressão e múltiplos atos de violência que determinaram a sua fuga em massa. A repressão ou discriminação não tem parado de aumentar depois da invasão americana que depôs Saddam Hussein em 2003. Os católicos representam hoje menos de 1% da população do Iraque, quando em 2003 eram mais de 6%.

 

Uma Teofania nos corações humanos

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

As causas que sobrevivem às coisas

As causas que sobrevivem às coisas novidade

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

2022: aprender a construir a paz

2022: aprender a construir a paz novidade

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This