[Olhar de teóloga]

Alma de pobres (II)

| 19 Out 2022

Cena do Filme "As Sandálias do Pescador" entre o padre David Telemond (Oskar Werner) e  Kiril Lakota (Anthony Quinn)

Cena do Filme As Sandálias do Pescador entre o padre David Telemond (Oskar Werner) e Kiril Lakota (Anthony Quinn).

 

Continuo com a reflexão a partir de As Sandálias do Pescador, de Morris West. Fico agora com a figura de David Telemond, o sacerdote que Kiril escolhe como secretário, apesar da sua obra teológica estar a ser submetida a revisão. Por certo, Kiril não favorecerá David Telemond quando chegar a rejeição da sua obra por parte da então Congregação para a Doutrina da Fé.

Mais do que um questionamento da teologia que estudou, David Telemond mostra um espírito que não se conforma com aquilo que aprendeu e isso é muito diferente. Não é um rebelde que questiona por questionar ou que proponha por propor; pelo contrário, é um homem reflexivo que comparte o seu pensamento a partir das experiências vividas e da evolução do seu próprio estudo. Porque David Telemond é um sacerdote que continua a estudar.

 

A criação continua a acontecer

Enquanto andava imersa nestas reflexões, começaram a chegar as imagens do telescópio James Webb, com uma nitidez assombrosa, e tornando-nos participantes de algo que está a acontecer a uma distância do nosso planeta que somos incapazes de abarcar. Para além da maravilha das próprias imagens, elas estão a contar-nos não apenas como foi a criação, mas como a criação está sendo porque continua a acontecer.

Cada vez que via as numerosas imagens que se tornavam públicas e lia artigos de especialistas, mais pensava em Teilhard de Chardin e em David Telemond que tinha muito recente na minha memória. Dizem que a personagem do David foi baseada na pessoa do jesuíta. Em todo o caso, a semelhança é enorme.

 

Normas e dogmas

Ambos olharam muito mais além do que os censores da sua obra puderam alguma vez olhar. Certamente que esses censores agiram em consciência e de boa-fé; porém, ajustaram-se às normas e aos dogmas que surgiram em contextos totalmente diferentes dos que existiam naquele momento.

Quanto tem perdido a Igreja, quer dizer, todos nós, ao privar-nos das reflexões teológicas de pessoas que não tiveram medo de olhar muito mais além daquilo que podemos ver a olho nu? Sim, é verdade que existe um depósito de verdades reveladas, mas será que já não cabem mais? Está tudo dito? Entendo que a pergunta surpreenda.

 

Abertos a realidades

Neste caso, ter alma de pobres supõe estar aberto a realidades que há poucos anos nem imaginávamos. Aqui sim que é necessário recuperar essa humildade bíblica, por pura coerência, que deve levar a uma escuta atenta do que Deus nos quer dizer com o que estamos a descobrir no universo mais profundo. Deus deu-nos inteligência suficiente para chegar a essas descobertas e aceitar os desafios que elas nos apresentam.

Nós tomamos a humildade para assumir que, num planeta tão diminuto como a Terra, que nem sequer é a cabeça de um alfinete no cosmos, existam todos os elementos para que germine algo tão frágil como é a vida. Sim, somos menos que um pontinho no vasto universo, mas, sem dúvida nenhuma, um pontinho privilegiado e sublime.

 

Figuras necessárias

Voltando às imagens do telescópio James Webb, creio que figuras como Teilhard de Chardin e personagens como David Telemond são muito necessárias na Igreja para nos ajudarem a pensar. Certamente que o jesuíta já teria dito alguma coisa a esse respeito, como o fez Guy Consolmagno, diretor do Observatório Astronómico do Vaticano, que deixou claro que hoje em dia não tem sentido nenhum o confronto entre ciência e fé.

Demasiado habituados a que nos contem a Bíblia e não a lê-la, não costumamos prestar atenção ao relato da criação que aparece em Génesis 1, 1-31, que nos narra a evolução desejada por Deus na criação de forma lógica e que podemos confrontar com artigos científicos – e agora com muitíssima mais informação – que nos explicam a origem do cosmos, do universo, do homem.

 

Sem medo

Não seria interessante se retomássemos a Teologia da Criação, onde teologia e ciência ou ciência e teologia andassem de mãos dadas e se apresentassem como artífices conjuntos dessa reflexão? Nem por sombras está tudo dito e não há que ter medo de continuar a aprofundar a imanência de Deus. Se continuamos a crescer na compreensão científica, também deveríamos crescer na compreensão de Deus.

Quando alguém permanece naquilo que aprendeu e a evolução da vida insiste em nos apresentar novos desafios, ou se evolui também nos estudos ou acaba por apegar-se a uma religiosidade cada vez mais vazia de conteúdo e mais cheia de superstição. Começamos a nossa confissão de fé afirmando que cremos em Deus, Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra. Deus e a criação vão de mãos dadas.

 

Sinfonia de vozes

Sim, confesso que sinto falta dos comentários que, partindo daquilo que estamos a ver do universo e da criação, fariam Teilhard de Chardin e David Telemond, e também sinto falta das reflexões – tenho a certeza que já teriam dito alguma coisa e estariam a trabalhar nisso – de Juan Luis Ruíz de la Peña e de Sofía Chipana, de Riane Eisler e de Françoise Gange, porque a criação fala-nos com uma sinfonia de vozes.

Cada descoberta leva-nos a fazer cada vez mais perguntas que nos convidam a continuar a refletir e a investigar. Continuamos à procura de muitas respostas no céu, só que agora temos que procurá-las olhando de outra maneira e sem medo porque, em muitas ocasiões, é preciso raspar muito a religião para chegar à fé.

 

Cristina Inogés Sanz é teóloga e integra a comissão metodológica do Sínodo dos Bispos católicos. Este texto é publicado por cedência da autora e da revista espanhola Vida Nueva ao 7MARGENS. Tradução de Júlio Martin. O primeiro texto com este título pode ser lido nesta ligação.

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This