Obras terminam em abril de 2023

Altar e parque da JMJ com obras de 6,5 milhões de euros

| 6 Jun 2022

Aspeto das obras que já estão a acontecer no Mar da Palha, junto ao Parque das Nações. Fotos © Henrique Matos | Agência Ecclesia

Aspeto das obras que já estão a acontecer no Mar da Palha, junto ao Parque das Nações. Fotos © Henrique Matos | Agência Ecclesia

 

O Complexo Logístico da Bobadela já está a mudar para acolher a vigília e a missa de encerramento da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), a 5 e 6 agosto de 2023, naquela que será a primeira edição desta iniciativa da Igreja Católica em território português. As obras ficarão a cargo da Oliveiras, S.A – Engenharia e Construção, que venceu o concurso público “com prévia qualificação para a execução da reabilitação da área que acolherá o Recinto Principal da próxima edição” da JMJ, conforme indicou a empresa em comunicado enviado ao 7MARGENS.

Na mesma nota, a empresa acrescentou que “vencer este concurso nacional tem um valor especial” tendo em conta a importância do acontecmento para o qual a empresa está a trabalhar. “Este futuro parque intermunicipal acolherá centenas de milhares de jovens de todo o mundo para participar naquele que é um dos maiores eventos católicos internacionais, que alia a celebração da fé católica, com a presença do Papa Francisco, que tanto admiramos, a outras dinâmicas como a da interculturalidade e da amizade entre os povos, além de que será mais uma oportunidade de Portugal se dar a conhecer ao mundo.”

A obra, no âmbito do futuro Parque Intermunicipal Tejo-Trancão, que junta os municípios de Lisboa e Loures, desenvolve-se numa área de 35 hectares, na margem direita do rio Trancão na confluência com o rio Tejo, no município de Lisboa. A empresa indica ainda no comunicado que a “empreitada de conceção-construção contempla a modelação do aterro, execução das infraestruturas de biogás, lixiviados, redes de água e incêndio, redes de rega, percursos e caminhos, arranjos paisagísticos e zonas verdes e o aterro pré-carga para estabilização e fundação do altar das principais celebrações religiosas da JMJ 2023”.

O contrato, indica o comunicado  tem o valor de cerca de sete milhões de euros (6.997.327,95€) e um prazo de execução de 329 dias, o que significa que deverá estar pronto no final de abril de 2023, três meses antes da realização da JMJ.

José Sá Fernandes, coordenador do grupo de projeto para a JMJ Lisboa 2023, manifestou à Agência Ecclesia a satisfação pelo trabalho que decorre e que classifica como “extraordinário”, destacando que a obra vai para lá do encontro dos jovens com o Papa. “Neste lugar vai nascer um parque que vai servir mais de 100 mil pessoas e os jovens que aqui estiverem com o Papa vão saber que também são agentes de mudança”, salienta o responsável, nomeado pelo Governo português.

Nesta segunda-feira, dia 6, teve lugar a primeira reunião da Comissão de Acompanhamento, com a presença de elementos ligados a alguns setores-chave como a saúde, a segurança ou a mobilidade. “Nós, os que estamos a montar o projeto, deveríamos sair um pouco da fila porque o grande protagonista é a juventude, a Igreja, a dimensão ecuménica do acontecimento e o Papa Francisco”, indicou Sá Fernandes.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Evangelizar nas redes sociais 

Evangelizar nas redes sociais  novidade

  Acolhendo a desafiante exortação do Papa Francisco aos participantes no Congresso Mundial da Signis – Associação Católica Mundial para a Comunicação – que decorre em Seul, de 16 a 19 de Agosto de 2022, decidi-me a revisitar a minha presença nas redes sociais e...

Católicos temem ausência de liberdade no debate de temas cruciais

Contributo dos Bispos Alemães para o Sínodo

Católicos temem ausência de liberdade no debate de temas cruciais novidade

As sínteses das dioceses referem a existência de “dúvidas de que uma reflexão aberta possa ocorrer dentro da igreja” num clima “livre de ansiedade” sobre “os assuntos tabus relacionado com a sexualidade (contraceção, aborto, casamento entre pessoas do mesmo sexo…)”, lê-se no relatório final que a Conferência dos Bispos Alemães (GBC, no acrónimo em língua inglesa) enviou para Roma como contributo para o Sínodo dos Bispos de 2023.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This