Alterações climáticas: ONG portuguesas reclamam ação enérgica de António Costa

| 4 Mar 21

A carta pede à UE que disponibilize 100 mil milhões de dólares/ano de apoio aos países em vias de desenvolvimento no seu combate às alterações climáticas. Foto © UN/Tim McKulka

 

Mais de três dezenas de Organizações Não Governamentais portuguesas subscreveram uma carta aberta à Presidência portuguesa da União Europeia na qual reclamam uma maior coerência das políticas da UE face aos compromissos com a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, uma Lei do Clima compatível com a limitação do aquecimento global a 1,5ºC e uma estratégia de adaptação às alterações climáticas da UE que previna crises futuras.

A carta, divulgada nesta quinta-feira, 4 de março, tem como lema “Juntos pela promoção de um mundo mais justo, inclusivo, digno e sustentável” e foi também entregue aos deputados da Assembleia da República e aos deputados portugueses do Parlamento Europeu.

Os subscritores apelam à Presidência portuguesa para que esta conclua durante o seu mandato (até ao fim de junho) a negociação da Lei do Clima com uma ambição superior à acordada pelo Conselho da União Europeia no final do ano passado. As imposições da Lei do Clima são necessárias para, entre outros objetivos, “atingir a neutralidade carbónica [da UE] o mais cedo possível, claramente antes de 2050” e conseguir “eliminar todos os apoios, diretos e indiretos, a todos os combustíveis fósseis até 2025”.

“Promover um maior equilíbrio entre justiça social e justiça climática”, “reforçar a contribuição e a ação multilateral da UE para o objetivo global de disponibilizar 100 mil milhões de dólares/ano de apoio aos países em vias de desenvolvimento no seu combate às alterações climáticas” e “eliminar todo o financiamento externo disponibilizado pela UE que seja prejudicial e incoerente com a ação climática” são alguns dos outros pontos que as organizações signatárias esperam ver concretizados durante a Presidência portuguesa da União Europeia que decorre neste primeiro semestre de 2021.

 

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar novidade

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Esta é a Igreja que eu amo!

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This