Alterações climáticas: ONG portuguesas reclamam ação enérgica de António Costa

| 4 Mar 21

A carta pede à UE que disponibilize 100 mil milhões de dólares/ano de apoio aos países em vias de desenvolvimento no seu combate às alterações climáticas. Foto © UN/Tim McKulka

 

Mais de três dezenas de Organizações Não Governamentais portuguesas subscreveram uma carta aberta à Presidência portuguesa da União Europeia na qual reclamam uma maior coerência das políticas da UE face aos compromissos com a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, uma Lei do Clima compatível com a limitação do aquecimento global a 1,5ºC e uma estratégia de adaptação às alterações climáticas da UE que previna crises futuras.

A carta, divulgada nesta quinta-feira, 4 de março, tem como lema “Juntos pela promoção de um mundo mais justo, inclusivo, digno e sustentável” e foi também entregue aos deputados da Assembleia da República e aos deputados portugueses do Parlamento Europeu.

Os subscritores apelam à Presidência portuguesa para que esta conclua durante o seu mandato (até ao fim de junho) a negociação da Lei do Clima com uma ambição superior à acordada pelo Conselho da União Europeia no final do ano passado. As imposições da Lei do Clima são necessárias para, entre outros objetivos, “atingir a neutralidade carbónica [da UE] o mais cedo possível, claramente antes de 2050” e conseguir “eliminar todos os apoios, diretos e indiretos, a todos os combustíveis fósseis até 2025”.

“Promover um maior equilíbrio entre justiça social e justiça climática”, “reforçar a contribuição e a ação multilateral da UE para o objetivo global de disponibilizar 100 mil milhões de dólares/ano de apoio aos países em vias de desenvolvimento no seu combate às alterações climáticas” e “eliminar todo o financiamento externo disponibilizado pela UE que seja prejudicial e incoerente com a ação climática” são alguns dos outros pontos que as organizações signatárias esperam ver concretizados durante a Presidência portuguesa da União Europeia que decorre neste primeiro semestre de 2021.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This