Amazónia: mais de três indígenas assassinados todas as semanas

| 20 Abr 2021

Líderes indígenas estão a ser mortos na Amazónia. Foto de arquivo © Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

O aumento dos assassinatos de líderes indígenas na região levou a Coordenadora das Organizações Indígenas da Bacia Amazónica (COICA) a declarar, na quarta-feira 14 de abril, o estado de emergência dos direitos humanos das defensoras e defensores indígenas da Amazónia em que exigem aos governos dos nove países envolvidos “a adoção de políticas efetivas de proteção dos direitos humanos” dos povos indígenas e dos seus líderes.

Dia sim, dia não, é assassinado um ativista índio, afirmam as organizações representativas dos povos da Amazónia que referem terem sido mortos, durante o primeiro trimestre de 2021, 19 líderes, só nas áreas que integram a Colômbia e o Peru. O número de destacados membros dos povos indígenas assassinados nos últimos anos não tem parado de subir em toda a bacia do Amazonas. A COICA estima que tenham sido 135 em 2019 e 202 no ano passado. “O dramático aumento de assassinatos durante a pandemia põe em perigo os ativistas indígenas, as suas comunidades e a maior selva tropical do mundo e a biodiversidade que nós protegemos” declarou na sexta-feira, dia 16 de abril, José Gregorio Díaz Mirabal, coordenador-geral da COICA, ao serviço de informação das Obras Missionárias Pontifícias, de Espanha.

A declaração do estado de emergência divulgada na quarta-feira aponta como razão principal das mortes seletivas de ativistas “o avanço das atividades extrativas por parte de empresas que obtiveram contratos de exploração junto dos diversos Estados” e que “procedem à desflorestação agressiva, desenvolvem atividades relacionadas com o narcotráfico”, impõem “a militarização” de grandes zonas e mantêm “um conflito armado que tem sido diplomaticamente silenciado.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This