Amazónia: mais de três indígenas assassinados todas as semanas

| 20 Abr 2021

Líderes indígenas estão a ser mortos na Amazónia. Foto de arquivo © Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

O aumento dos assassinatos de líderes indígenas na região levou a Coordenadora das Organizações Indígenas da Bacia Amazónica (COICA) a declarar, na quarta-feira 14 de abril, o estado de emergência dos direitos humanos das defensoras e defensores indígenas da Amazónia em que exigem aos governos dos nove países envolvidos “a adoção de políticas efetivas de proteção dos direitos humanos” dos povos indígenas e dos seus líderes.

Dia sim, dia não, é assassinado um ativista índio, afirmam as organizações representativas dos povos da Amazónia que referem terem sido mortos, durante o primeiro trimestre de 2021, 19 líderes, só nas áreas que integram a Colômbia e o Peru. O número de destacados membros dos povos indígenas assassinados nos últimos anos não tem parado de subir em toda a bacia do Amazonas. A COICA estima que tenham sido 135 em 2019 e 202 no ano passado. “O dramático aumento de assassinatos durante a pandemia põe em perigo os ativistas indígenas, as suas comunidades e a maior selva tropical do mundo e a biodiversidade que nós protegemos” declarou na sexta-feira, dia 16 de abril, José Gregorio Díaz Mirabal, coordenador-geral da COICA, ao serviço de informação das Obras Missionárias Pontifícias, de Espanha.

A declaração do estado de emergência divulgada na quarta-feira aponta como razão principal das mortes seletivas de ativistas “o avanço das atividades extrativas por parte de empresas que obtiveram contratos de exploração junto dos diversos Estados” e que “procedem à desflorestação agressiva, desenvolvem atividades relacionadas com o narcotráfico”, impõem “a militarização” de grandes zonas e mantêm “um conflito armado que tem sido diplomaticamente silenciado.”

 

O que têm dito os papas sobre a paz

Debate e oração no Rato, em Lisboa

O que têm dito os papas sobre a paz novidade

As mensagens dos Papas para o Dia Mundial da Paz é o tema da intervenção do padre Peter Stilwell neste sábado, 3 de Dezembro (Capela do Rato, em Lisboa, 19h), numa iniciativa integrada nas celebrações dos 50 anos da vigília de oração pela paz que teve lugar naquela capela, quando um grupo de católicos quis permanecer em oração durante 48 horas, em reflexão sobre a paz e contra a guerra colonial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Ministro russo repudia declarações do Papa

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This