Política da Comissão Europeia

Ambientalistas católicos contra nuclear como “energia verde”

| 11 Jul 2022

Uma central de energia nuclear. Foto © Lukáš Lehotský | Unsplash

Uma central de energia nuclear. Foto © Lukáš Lehotský | Unsplash

A CIDSE– rede de atores católicos e da sociedade civil pela justiça global e outras organizações católicas de justiça social e ambiental, sediadas sobretudo na Europa, manifestaram a sua oposição à votação do Parlamento Europeu de 6 de julho último, que considerou o gás e a energia nuclear como opções “verdes”.

Com tal decisão, a Comissão Europeia pretende colocar aquelas fontes de energia a contabilizar nos investimentos sustentáveis para reduzir o impacto das mudanças climáticas. Apesar da oposição que se fez sentir na sessão plenária dos deputados em Estrasburgo, a proposta da Comissão Europeia foi aprovada, embora sob condições: vigência com limite temporal até 2035; instalações de gás apenas em casos de substituição de instalações a carvão; e condições específicas para tais projetos.

Na véspera da votação, a CIDSE, o Centro Social Europeu Jesuíta (JESC) e o Movimento ‘Laudato Si expressaram a sua preocupação e apelaram aos legisladores para que “preservem a integridade da taxonomia da UE e toda a liderança climática da UE rejeitando esta proposta.

“A Taxonomia da UE é uma ferramenta preciosa que ajudará a transferir biliões em combustíveis fósseis para atividades sustentáveis, a fim de cumprir as metas do Green Deal”, explicaram as organizações católicas.

Do seu ponto de vista, a medida afronta uma perspetiva de promoção de “uma transição verdadeiramente ecológica respondendo tanto ao ‘grito da terra’ como ao ‘clamor dos pobres”, segundo a encíclica Laudato Si’.

Mais concretamente, prejudicaria o cumprimento das metas climáticas globais do Acordo de Paris e as metas da UE de reduzir as emissões em 55 por cento até 2030, e “marcaria um retrocesso preocupante na realização de uma transição verdadeiramente ecológica e justa”.

O carater “enganoso” da classificação da energia nuclear como “verde” residiria no facto de ela ser “uma fonte de energia social, ambiental e economicamente insustentável, porque não pode proporcionar uma transição justa e de longo prazo”. Além, naturalmente, dos riscos de segurança que este tipo de energia comporta.

Quanto ao gás, a própria Comissão Europeia tinha concluído que, para atingir a meta de redução de emissões da UE em 2030, o consumo de gás fóssil na União precisaria de diminuir em 32-37 por cento até ao final desta década.

Os defensores da proposta da Comissão Europeia de classificar como verde o gás e a energia nuclear dizem, segundo o boletim Earth Beat do jornal National Catholic Reporter, que ambos são fontes de combustível que constituem “ponte necessárias durante a transição de combustíveis fósseis para energia renovável”.

A votação do Parlamento Europeu ocorreu num contexto de algum dramatismo, relacionado com “incertezas energéticas” que a Europa enfrenta, “ao tentar acabar com sua dependência do petróleo e gás russos em resposta à invasão russa da Ucrânia”, faz notar o Earth Beat.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This