Região de Xinjiang

Amnistia denuncia prisões arbitrárias de minorias na China

| 6 Jul 2022

Pessoas de minorias étnicas, predominantemente muçulmanas, “estão a ser presas por acusações de ‘terrorismo’ ou outras acusações falsas”, acusa a Amnistia Internacional. Ilustração: Detidos num campo de internamento em Xinjiang China © Molly Crabapple/Amnistia Internacional.

 

A Amnistia Internacional (AI) reuniu mais 48 novos casos de pessoas que foram arrastadas para o sistema prisional e para os campos de internamento em Xinjiang, na China, num total de 120 indivíduos que foram presos pelas autoridades de Pequim.

Segundo o comunicado da organização de defesa dos direitos humanos, na China, na região autónoma uigur de Xinjiang, pessoas uigures, cazaques ou de outras minorias étnicas, predominantemente muçulmanas, “estão a ser presas por acusações de ‘terrorismo’ ou outras acusações falsas”, mas também “por terem viajado para fora do país; por terem pagado a educação dos filhos em estabelecimentos fora do país; ou apenas pela sua religião ou etnia”.

Os testemunhos de familiares de minorias étnicas na região de Xinjiang, que integram agora a campanha Free Xinjiang Detainees, dão conta que estes “uigures, cazaques e outras minorias étnicas têm enfrentado prisão em massa, tortura e perseguições sistemáticas, organizadas pelo Estado e que constituem crimes contra a humanidade”. Para a AI, é evidente que há “um número cada vez maior de famílias separadas de forma dolorosa e forçada, sem conseguirem contactar com os seus entes queridos que permanecem detidos e presos”.

Num dos testemunhos divulgados, Gulaisha Oralbay, uma mulher cazaque, contou que seu irmão, Dilshat Oralbay, jornalista e tradutor uigure aposentado, foi persuadido pelas autoridades chinesas a regressar a Xinjiang, vindo do Cazaquistão, em 2017. O passaporte foi confiscado imediatamente após o regresso, e Dilshat foi preso vários meses depois. “Não há tribunal, apenas o colocaram na prisão [e disseram-lhe que seria] por 25 anos”, disse Gulaisha. “Eu acho que [ele] nem sabe o motivo [da prisão]. Alguém disse [que era] porque ele viajou para o Cazaquistão, e dão diferentes desculpas; não há justificações claras e razoáveis.” As duas irmãs de Gulaisha e Dilshat, Bakytgul e Bagila Oralbay, também estão detidas.

A alta-comissária da ONU para os direitos humanos, Michelle Bachelet, disse estar a ser finalizado o relatório sobre as graves violações de direitos humanos em Xinjiang, mas a AI lamenta que, “com este atraso, tenha sido encerrada mais uma sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU sem que tenha sido possível discutir as conclusões sobre Xinjiang”, apelando à divulgação do relatório.

Para Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional, “o seu contínuo fracasso em denunciar crimes contra a humanidade e outras graves violações de direitos humanos em Xinjiang é um obstáculo à justiça”.

(Ilustração da página principal: © Molly Crabapple/Amnistia Internacional.)

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This