Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

| 21 Jul 21

vigilancia ilegal pegasus Foto Amnesty International

O Governo húngaro dever introduzir leis que garantam a salvaguarda contra a recolha descontrolada e o potencial uso indevido de dados pessoais, pede a Amnistia Internacional. Foto © Amnesty International.

 

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

“O Governo húngaro deveria esclarecer se sabia ou se aprovou a vigilância de jornalistas, empresários e outros. Se as autoridades húngaras sabiam destas violações, têm de explicar em que se basearam para autorizá-las”, afirma Dávid Vig, diretor da Amnistia Hungria, citado num comunicado enviado ao 7MARGENS.

“Esta investigação demonstra a necessidade urgente de reforma. O Governo húngaro dever introduzir leis que estejam em conformidade com os padrões internacionais e que garantam a salvaguarda contra a recolha descontrolada e o potencial uso indevido de dados pessoais”, prossegue o responsável.

A Amnistia Internacional apela ainda à empresa NSO Group para que “pare imediatamente de vender o seu equipamento a países com histórico de colocar defensores dos direitos humanos e jornalistas sob vigilância ilegal”. De acordo com a organização não governamental, há cada vez mais evidências de que o software Pegasus é usado para “repressão e abuso” e não apenas na “luta contra o crime”.

 

Na Terra Santa o ecumenismo é uma realidade

Semana da unidade dos cristãos

Na Terra Santa o ecumenismo é uma realidade novidade

A Terra Santa “é o lugar onde as comunidades cristãs estão mais próximas da unidade”, afirmou Francesco Patton, padre franciscano responsável pelos locais santos da Palestina. “Na Terra Santa falamos menos sobre a teoria do ecumenismo e praticamos mais a unidade” – salientou Patton a propósito da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que decorre entre 18 e 25 de janeiro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix novidade

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This