Cimeira do Clima

Amnistia “extremamente desapontada” com COP26

| 23 Nov 2021

“O resultado da COP26 um fracasso catastrófico”, diz Amnistia Internacional. Foto © Francis McKee, CC BY 2.0, via Wikimedia Commons.

 

A Amnistia Internacional (AI) manifestou esta terça-feira, dia 23, o seu desapontamento com os resultados da Cimeira do Clima, que terminou há pouco mais de uma semana, a 13 de novembro, em Glasgow, na Escócia. 

Em comunicado, a organização de defesa dos direitos humanos afirmou estar “extremamente desapontada com o resultado da COP26”, por ter sido alcançado “apenas um progresso mínimo e incremental para a proteção dos direitos humanos no contexto da crise climática”.

Na nota enviada às redações, a AI não poupa nas palavras: “O resultado da COP26 um fracasso catastrófico”, comparando com aquilo “que os Estados poderiam e devem fazer para proteger os direitos humanos da população global, em conformidade com as suas obrigações ao abrigo do direito internacional dos direitos humanos”. 

Nos resultados finais, destaca a organização, “permanecem muitas lacunas no resultado da COP26, que se curvam aos interesses das empresas de combustíveis fósseis em vez de protegerem os direitos humanos”.

Para a AI, “o resultado não exige a eliminação gradual do petróleo e do gás, permite a continuação da utilização e produção de carvão e permite subsídios “eficientes” aos combustíveis fósseis. A organização sublinha ainda que subsistem medidas inadequadas de proteção ambiental e dos direitos humanos, que colocam os povos indígenas e as comunidades locais afetadas por estes projetos ainda mais em risco, podendo ser expulsos das suas terras para dar lugar a tais projetos”.

A AI defende que os estados devem reconhecer “que perpetuar a economia de combustíveis fósseis e outras fontes de emissões de gases com efeito de estufa é uma decisão diária de violar os direitos humanos daqueles que são e serão afetados pela crise climática”. 

Para os próximos 12 meses, de acordo com as propostas da organização não-governamental, “os Estados devem implementar as principais mudanças legais e políticas necessárias e a significativa mobilização de recursos, internamente e para os Estados ricos, internacionalmente”. 

Entre as medidas a curto prazo, os estados “devem colocar em prática planos imediatos para eliminar os combustíveis fósseis e realizar uma transformação rápida e justa do uso de energia de uma forma que proteja e avance os direitos dos trabalhadores, as comunidades que dependem de economias baseadas em combustíveis fósseis e outros cujos direitos humanos estão em risco”. 

Segundo a AI, “os estados ricos devem aumentar significativamente sua contribuição para o financiamento do clima, incluindo o comprometimento de recursos para perdas e danos. Os estados devem, com razão, esperar um escrutínio e pressão intensos sobre esses pontos da sociedade civil, dos povos indígenas e do público em geral, dentro de suas fronteiras e globalmente”.

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This