Região enfrenta "vaga devastadora"

Amnistia Internacional apela a mais vacinas para a África Austral

| 10 Jul 21

vacina covid foto unsplash AI

A ONG tem a decorrer a petição “Uma dose de Igualdade”, um apelo global para que as empresas farmacêuticas retirem as proteções à propriedade intelectual da vacina. Foto © Unsplash.

 

A Amnistia Internacional, em conjunto com outras 27 organizações não governamentais, está a apelar aos governos, líderes regionais e empresas, para que intensifiquem os esforços no combate à pandemia e aumentem os recursos para vacinar, rapidamente, o maior número de pessoas possível, particularmente na África Austral, “região a enfrentar uma terceira vaga de covid-19 devastadora, mas onde o acesso à vacinação permanece uma miragem”.

Este apelo é composto também por um pedido aos países mais ricos e aos grupos como o G20 e o G7, “para que os direitos de propriedade intelectual não prevaleçam sobre o direito à saúde em todos os países”, pode ler-se no comunicado enviado ao 7MARGENS pela ONG.

A região da África Austral tem sido uma das mais atingidas pela pandemia, contabilizando cerca de 70 mil mortes por covid-19. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, atualmente, encontra-se a atravessar a terceira vaga, a mais mortífera até à data. Países como a Zâmbia e a Namíbia enfrentam os maiores números registados de novas infeções, enquanto a África do Sul, que tem sido o epicentro da pandemia na região desde março de 2020, se debate com a rápida subida do número de casos.

Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional, destaca que “várias zonas do mundo têm pouco ou nenhum acesso a vacinas e, por essa razão, uma pessoa continua a morrer de COVID-19 a cada 11 segundos – a maioria em países com rendimentos mais baixos. A igualdade no acesso às vacinas não deve basear-se no local onde se vive, é um direito humano básico”.

Numa altura em que foi ultrapassada a barreira das quatro milhões de mortes por covid-19 no mundo inteiro, a responsável deixa a questão: Quantos mais milhões terão de morrer antes que o conhecimento e a tecnologia para produzir vacinas suficientes para todos estejam universalmente disponíveis?”.

A Amnistia Internacional tem a decorrer a petição “Uma dose de Igualdade”, um apelo global para que as empresas farmacêuticas retirem as proteções à propriedade intelectual, que restringem a produção e fornecimento de vacinas, e cumpram as suas obrigações de direitos humanos, “para que todas as pessoas possam ter uma oportunidade real e justa no acesso à vacina contra a covid-19”.

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This