20 anos de Guantánamo

Amnistia pressiona Biden para fechar prisão

| 10 Jan 2022

Manifestação a pedir o fecho de Guantánamo: a Amnistia pede que Biden honre o seu compromisso. Foto © Gamma-Rapho via Getty Images /cedida por Amnistia Internacional

 

A diretora do programa Segurança com Direitos Humanos da secção americana da Amnistia Internacional, Daphne Eviatar, informou nas páginas da organização que nesta terça-feira, 11 de janeiro, vão ter lugar várias ações para pressionar o Presidente Biden a “fechar de uma vez por todas” a prisão de Guantánamo “um local de tortura e detenção injustificada por tempo indeterminado” aberto há 20 anos.

Condicionadas pelo surto pandémico que grassa nos EUA, as ações vão ter carácter online, mas nem por isso devem ser menos veementes. A porta-voz da Amnistia lembra que “o Presidente Biden deve manter o seu compromisso de fechar Guantánamo de uma vez por todas. Quanto mais tempo a prisão permanecer aberta, mais tempo continuará a minar a credibilidade dos EUA no que diz respeito aos direitos humanos”.

A prisão militar da Guantánamo foi posta a funcionar a 11 de janeiro de 2002 na base americana da Baía de Guantánamo, na ilha de Cuba, para ficar fora da alçada dos tribunais americanos. Ali foram torturados vários suspeitos de ligação aos ataques de 11 de setembro, bem como a outras ações terroristas. 39 muçulmanos continuam presos em Guantánamo. Nenhum deles, segundo a Amnistia Internacional, obteve “um julgamento justo” o que significa que “continuam detidos indefinidamente em violação dos direitos humanos internacionalmente reconhecidos”.

 

Jovens vão dizer aos bispos o que querem discutir, num modelo inédito de catequeses da JMJ

Inspirado no processo sinodal

Jovens vão dizer aos bispos o que querem discutir, num modelo inédito de catequeses da JMJ novidade

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 vai inaugurar um novo modelo de catequeses com os bispos, em que os jovens serão “os verdadeiros protagonistas”. Pela primeira vez na história das Jornadas, os jovens de todo o mundo são desafiados a refletir previamente sobre os temas dessas catequeses (as quais mudam de designação e passam a chamar-se encontros) e a partilhar com a organização da JMJ os resultados dessa reflexão. Os encontros, que ocuparão as manhãs de dias 2, 3 e 4 de agosto, serão preparados tendo em conta esses contributos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Em Lisboa

Servas de N. Sra. de Fátima dinamizam “Conversas JMJ”

O Luiza Andaluz Centro de Conhecimento, ligado á congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima, acolhe na próxima quinta-feira, 30 de março, a primeira de três sessões do ciclo de “Conversas JMJ”. Esta primeira conversa, que decorrerá na Casa de São Mamede, em Lisboa, pelas 21h30, tem como título “Maria – mulheres de hoje” e será dedicada ao papel da mulher na sociedade atual.

Cristãos “horrorizados e magoados” com escalada de violência na Terra Santa

Apelo à ação do governo israelita

Cristãos “horrorizados e magoados” com escalada de violência na Terra Santa novidade

Os ataques contra cristãos têm vindo a intensificar-se desde o início do ano na Terra Santa, e em particular nas últimas semanas contra a comunidade católica, que se assume cada vez mais assustada e receosa. O padre Francesco Patton, Custódio da Terra Santa, sublinha que “não é coincidência que esses incidentes graves estejam a a ocorrer especificamente agora” e pede ao governo israelita que aja com determinação para pôr fim a esta escalada de tensão.

“Uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”, lembra o Papa

Vídeo de abril

“Uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”, lembra o Papa novidade

Na edição de abril d’O Vídeo do Papa, Francisco pede com determinação que “desenvolvamos uma cultura da paz”, assinalando que “uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”. Previamente gravado e divulgado esta quinta-feira, 30 de março, o vídeo assinala também os 60 anos da publicação da encíclica Pacem in Terris, escrita pelo Papa João XXIII, que se cumprem no próximo dia 11.

Igreja condena “Doutrina do Descobrimento” e pede perdão aos povos indígenas

Declaração conjunta repudia bulas papais

Igreja condena “Doutrina do Descobrimento” e pede perdão aos povos indígenas novidade

O Vaticano reforçou esta quinta-feira, 30 de março, a sua posição a favor dos direitos dos povos indígenas das Américas, África e Austrália ao repudiar os fundamentos papais do século XV que estiveram na base da posterior “Doutrina do Descobrimento”, formulada para conferir caráter legal à expropriação das terras dos povos indígenas pelo colonos europeus.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This