Petição ao Qatar e FIFA

Amnistia quer justiça para migrantes, “a equipa que tornou este Mundial possível”

| 19 Nov 2022

Trabalhadores migrantes num dos estádios do Qatar, que acolhem o Mundial de futebol. Foto © Amnistia Internacional.

Trabalhadores migrantes num dos estádios do Qatar, que acolhem o Mundial de futebol. Foto © Amnistia Internacional.

 

Nas vésperas de soar o apito para o arranque do Campeonato do Mundo de Futebol, a Amnistia Internacional (AI), juntamente com outras organizações e entidades, volta a apelar ao Qatar, o país organizador, e à Federação Internacional de Futebol (FIFA), que “compensem os trabalhadores migrantes que, para que esta competição fosse possível, foram explorados e vítimas de abusos”.

A construção dos dez estádios da prova neste país do Médio Oriente terá ainda provocado mais de 6500 mortos, entre os seus trabalhadores, na esmagadora maioria migrantes de países asiáticos, de acordo com uma investigação publicada pelo jornal britânico The Guardian, e então noticiada pelo 7MARGENS, números que as autoridades qataris recusam aceitar. 

A FIFA e as autoridades de Doha falam em apenas três mortos durante os preparativos para o Mundial 2022. O Comité Supremo do país acrescenta que outros 36 trabalhadores dos estádios também morreram, mas por motivos “não laborais” – ou seja, morreram após um dia de trabalho de “causas naturais”. 

Por tudo isto, a Amnistia apela à assinatura de uma petição dirigida ao ministro do Trabalho no Qatar, Ali bin Samikh Al Marri, e ao Presidente da Federação Internacional de Futebol, Gianni Infantino.

Para a organização defensora dos direitos humanos, “o Campeonato do Mundo no Qatar ficará marcado pelas sucessivas ‘grandes penalidades’ sobre os trabalhadores migrantes que sofreram às mãos das autoridades do país para que esta competição pudesse ser uma realidade”.

No texto que acompanha a petição, a Amnistia diz que “a situação é ainda mais grave se considerarmos o silêncio de Gianni Infantino, presidente da FIFA, sobre estas violações de direitos humanos e sobre as devidas compensações a estes trabalhadores”. Mas Infantino falou este sábado, para atacar o que apelidou de “hipocrisia” dos países europeus. “Essa lição de moral — unilateral — é apenas hipocrisia. Não quero dar nenhuma lição de vida, mas o que está a acontecer aqui é profundamente, profundamente injusto”, atirou, para logo a seguir acrescentar: “Pelo que nós, europeus, temos feito nos últimos 3 000 anos, devemos desculpar-nos nos próximos 3 000 anos antes de começar a dar lições de moral às pessoas.”

De acordo com a Amnistia, “ao longo dos últimos anos foram apresentadas inúmeras evidências sobre as consequências para as vidas dos trabalhadores migrantes e, ainda, uma proposta concreta para ajudar as vítimas e as suas famílias”. Ignorada até hoje.

Como já tinha sido noticiado pelo 7MARGENS, em maio passado, “a Amnistia e uma coligação de organizações lançaram uma campanha apelando ao Qatar e à FIFA que estabelecessem um programa de reparação para as centenas de milhares de trabalhadores que enfrentaram abusos, tais como taxas de recrutamento ilegais, salários não pagos, ferimentos e, nos piores casos, a morte”. Mas, nota a AI, “até à data, a questão da indemnização permanece por abordar pela liderança da FIFA, mesmo apesar de uma sondagem global realizada pela Amnistia em 15 países ter revelado que 84% dos prováveis espectadores do Mundial são a favor da proposta”.

A Amnistia quer, agora que a bola vai correr nos relvados, “colocar sob os holofotes do mundo o apelo por justiça para a equipa que tornou este campeonato possível: a dos trabalhadores migrantes”.

 

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum

América Latina

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum novidade

Depois da Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e da Rede Eclesial Ecológica Mesoamericana (REGCHAG), nasce agora a Rede Eclesial Gran Chaco e Aquífero Guarani (REGCHAG), com o objetivo de proteger os territórios que lhe dão nome e as respetivas comunidades, face a ameaças como o desmatamento, a contaminação e o desrespeito pelos modos de vida.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This