Covid-19

Amnistia quer mortes evitáveis investigadas no Brasil

| 6 Jul 21

Brasil, Bolsonaro, pandemia, Ildo Nascimento

Amnistia Internacional quer apurar responsabilidades com mortes evitáveis no Brasil. Ilustração © Ildo Nascimento (https://www.instagram.com/ildo.nascimento.31/), cedida pelo autor

 

A Amnistia Internacional (AI) lançou uma petição com o objectivo de pressionar para que se apurem todas as responsabilidades no modo como “a gestão desastrosa da pandemia” no Brasil “tem criado um prejuízo humano incalculável e agravado a crise de direitos humanos” no país.

“O modo de actuação e as omissões por parte de elementos do governo, contribuíram fortemente para a perda de vidas, pelo que o seu comportamento não deve prevalecer impune”, diz a organização em comunicado enviado ao 7MARGENS, referindo os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito.

Segundo país com mais vítimas mortais e terceiro com mais casos de infecção, recorda a AI, o Brasil regista “números recorde de infeções de covid-19 e já ultrapassou meio milhão de mortes. A AI quer garantir, assim, que “estas violações de direitos humanos” têm responsáveis, pressionando o Ministério Público Federal, em particular o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, “para que actue em conformidade, respeitando todos os trâmites judiciais no apuramento das responsabilidades”.

A petição Brasil: Responsabilização por mortes evitáveis por covid-19, que está disponível na página digital da AI, recorda que o discurso negacionista, o colapso do sistema de saúde e os diversos obstáculos à vacinação massiva tiveram um grande impacto no aumento do número de mortes provocadas pela doença, pelo que, “para todas as mortes evitáveis, devem ser apuradas as devidas responsabilidades”.

 

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A votar, a votar!

[Segunda leitura]

A votar, a votar! novidade

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

Direitos humanos, paz e casa comum: como se reescreve um Papa?

Ensaio

Direitos humanos, paz e casa comum: como se reescreve um Papa?

As intervenções de um Papa na Assembleia Geral das Nações Unidas (AGONU) aconteceram em cinco momentos da História e resultaram de um estatuto jurídico reconhecido internacionalmente ao líder máximo da Igreja Católica, incomparável quer relativamente aos líderes das outras religiões, quer aos das nações. Isto, por si só, é relevante a nível da política e das relações internacionais.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This