Seminário de história medieval

André Vauchez fala sobre os santuários, casa do cristianismo ocidental

| 3 Nov 21

Assis no inverno, um dos lugares de peregrinação que marcou a construção da Europa. Foto © Miguel Marujo.

 

“O cristianismo nasceu no Ocidente, os santuários são a sua casa.” Esta é uma das ideias do historiador francês André Vauchez que na próxima quinta-feira, 4 de Novembro, às 18h, fará uma conferência acerca do tema “Santuários e Peregrinações”, que pode ser acompanhada através de transmissão digital.

A sessão integra-se no Seminário Internacional de História Religiosa Medieval, uma parceria do Centro de Estudos de História Religiosa, da Universidade Católica (UCP-CEHR) e do Instituto de Estudos Medievais (IEM- NOVA/FCSH), retomando uma iniciativa semelhante que foi interrompida em 2013. Neste novo figurino está prevista a participação de investigadores estrangeiros, de que André Vauchez, autor de A Espiritualidade da Idade Média Ocidental – Séculos VIII-XIII (Editorial Estampa) é o primeiro exemplo.

Na conferência, o historiador desenvolverá aspectos do seu último livro, Les sanctuaires de l’Europe occidentale, IVe-XVIe siècle (Éditions du Cerf), publicado já em 2021. Nele, Vauchez, que tem dedicado boa parte da sua investigação aos temas da espiritualidade cristã medieval, apresenta santuários importantes e decisivos para o cristianismo como Assis, o Mont Saint-Michel e Rocamadour. Ou ainda São Martinho de Tours, as montanhas de São Miguel de Puglia e Normandia e Nossa Senhora do Loreto que, a par de Jerusalém e Roma, eram lugares de destino de muitos peregrinos “em busca de cura do corpo e da alma”. Estes lugares, na perspectiva que Vauchez desenvolve no livro, acabariam por tecer uma vasta e densa rede, que dotou o espaço ocidental de novas formas e centros de sacralidade.

Estes novos lugares sagrados, nascidos entre a Antiguidade Tardia e os Tempos Modernos, apareceram quase sempre albergando relíquias de santos, ou recordando visões de anjos ou da Virgem Maria. O também autor de Francisco de Assis – Entre História e Memória (ed. Instituto Piaget) fixa as diferentes fases da formação desses lugares, bem como o modo como se foram tornando populares no cristianismo ocidental, desde o primeiro ao XVIº século e como tais lugares ajudaram a configurar a vida religiosa e o espaço de cristandade.

Com esta conferência, explica Filomena Andrade, do IEM-NOVA/FCSH, Vauchez tentará problematizar o tema em análise, apontando as suas potencialidades e os rumos de investigação que tem suscitado.

André Vauchez, um dos mais conceituados medievalistas, especializado em história religiosa e da espiritualidade, defendeu a sua tese em 1978, sobre “A santidade no Ocidente nos últimos séculos da Idade Média (1198-1431)”, lecionou em várias universidades e é actualmente membro do Institut Universitaire de France. Entre as suas obras, contam-se ainda uma sobre os heréticos e as heresias na Idade Média e uma biografia de Catarina de Siena.

Além das duas instituições referidas, o seminário 2021-22, dedicado ao tema genérico “Santuários, relíquias e peregrinações”, é organizado também em parceria com a Peregrinatio – rede de investigação para o estudo da peregrinação na Idade Média, sediada no Instituto de Estudos Medievais da Nova.

O seminário tem um ritmo mensal e pretende ser “um espaço de debate de novas perspectivas de investigação sobre o tema”, aberto a investigadores, estudantes ou todos os interessados. Mais informações podem ser encontradas na página do CEHR.

 

Esta é a Igreja que eu amo!

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde menos se espera, aí está Deus

Onde menos se espera, aí está Deus novidade

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This