Andreas Mogensen: o sentido da vida de um astronauta

| 31 Jan 19

“Algo que me apercebi na estação espacial foi que o universo é largo e infinito. E, quer a terra quer os humanos são apenas uma pequeníssima parte de tudo isso”, reflete Andreas Mogensen, ao mesmo tempo que sorri. Calmo, descontraído, simpático, a falar para um auditório cheio de alunos, a receber indicações para ser filmado para um documentário, mesmo quando essas indicações envolvem estar rodeado de crianças.

Mas Andreas Mogensen tem de ser uma pessoa calma. Afinal, ele foi o primeiro dinamarquês a tornar-se astronauta.

A entrada de Andreas no Pavilhão do Conhecimento. Foto © Maria Wilton

Nascido em Copenhaga, Dinamarca, em 1976, Andreas recorda que aos dez anos, como muitas crianças, já tinha o desejo de se tornar astronauta: “Lembro-me de pensar o quão bom seria voar livremente, como um pássaro.”

O caminho até ao voo foi árduo: terminou a licenciatura em 1995 e virou-se para um mestrado em engenharia aerospacial no Imperial College, em Londres. Como parte do seu programa, passou seis meses em Lisboa, a fazer Erasmus, no Instituto Superior Técnico.

Depois disso, trabalhou durante oito anos, até que em 2009, foi selecionado para ser astronauta, ao terminar o seu doutoramento no Centro de Pesquisa Espacial, na Universidade do Texas: “Desde o ano 2000 que somos um ser espacial, porque vivemos ininterruptamente na Estação Espacial Internacional (EEI). E, a um dado momento, eu quis fazer parte disso.”

Depois de ser selecionado, eram necessários pelo menos quatro anos de treinos para estar verdadeiramente apto, lembra o dinamarquês, em conversa com o 7MARGENS no auditório do Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa: “São necessários testes físicos muito exigentes.”

Teve que aprender a falar russo, a fazer primeiros socorros e a consertar a maioria dos sistemas da EEI. Para se preparar, fazia grandes caminhadas num enorme tanque de água, treinava sob temperaturas extremas e esteve em cavernas durante semanas, tudo para o seu corpo se adaptar ao espaço.

“Na verdade, adaptar-me a viver em gravidade zero não foi muito difícil porque flutuar não requer qualquer esforço. O mais difícil foi adaptar-me a ter gravidade outra vez, na Terra”, afirma Andreas.

A 2 de setembro de 2015 chegou o momento da sua missão de dez dias, de nome “Iriss”. Subiu para a Estação Espacial Internacional, que orbita a 400 km de altitude, no foguetão Soyuz, com o objetivo de trocar com um astronauta que iria regressar a terra.

“Na estação espacial, demoramos 1h30 a dar a volta à Terra. Em 24 horas, vemos 16 vezes o pôr e nascer do sol.” O astronauta conta que, na EEI, o lugar preferido de todos os tripulantes é a cúpula. Por ser toda em vidro e se poder ver de modo panorâmico: “Vi coisas muito curiosas do espaço. De dia, o planeta parece não ser inabitado, não se vêem sinais de humanos. À noite a história muda, porque o planeta ilumina-se.”

Notou na importância que a água tem na vida humana quando viu o rio Nilo completamente rodeado de luz e, mais longe, tudo escuro. E verificou a diferença que faz a evolução tecnológica, quando viu a Coreia do Sul toda iluminada e a Coreia do Norte quase sem luz.

Mais importante que tudo, notou a fragilidade humana, aquilo que nos mostra o facto de não ver fronteiras, a partir do espaço: “Notei que a atmosfera é uma linha frágil, tão ténue e no entanto tão necessária para proteger a vida. Faz-nos pensar como apenas isso possibilitou a vida.”

Foto © Maria Wilton

Durante os dias em que esteve no espaço, fez um vídeo diário para a sua filha mais nova ver mais tarde, já que na altura ela tinha apenas dois anos: “Eu estava a tentar documentar todo o processo de treino que estava a fazer para que todos pudessem ver o quão árduo é verdadeiramente. No processo, gravei também umas partes para a minha filha para que ela visse o que é estar no espaço.”

As gravações no Pavilhão do Conhecimento tinham também um outro intuito: a participação no documentário de Miguel Gonçalves Mendes, O Sentido da Vida, em que sete pessoas contam as suas histórias e “de que forma a sua atuação nos influencia na nossa tentativa de apaziguamento com o mundo, com a morte e com vida.”

Em produção desde 2015, o documentário deverá estar concluído em julho de 2020. Incluirá as imagens captadas por Andreas Mogensen a bordo do voo espacial e no Pavilhão do Conhecimento, aquando da sua visita a Portugal, no final de 2018. A produção tem em curso uma campanha de crowdfunding para concluir o documentário.

 

Breves

Igreja Ortodoxa Russa: Número de voluntários duplica para responder aos pedidos de ajuda novidade

Cerca de 7 mil voluntários, 96 linhas telefónicas e mais de 100 projetos sociais: estes são alguns dos números que resumem a ação caritativa da Igreja Ortodoxa Russa nos últimos dois meses, em resposta à pandemia de covid-19. Em algumas das dioceses, o número de voluntários cresceu para mais do dobro, tornando assim possível dar resposta ao número também crescente de pedidos de ajuda naquele que é o terceiro país do mundo com mais casos registados de infeção.

Covid-19: Maior estátua católica do mundo passa a usar máscara para incentivar prevenção

A maior estátua católica do mundo, representando Santa Rita de Cássia e situada num santuário no interior do Nordeste do Brasil, passou esta sexta-feira a usar máscara, com o objetivo de alertar para a importância da prevenção durante o período de pandemia. O gesto simbólico foi promovido pela paróquia onde se localiza o santuário e ocorreu no dia em que se celebrava a memória desta santa, conhecida como a padroeira das causas impossíveis.

Igrejas evangélicas negam ligação ao partido Chega

Na sequência de uma reportagem publicada na revista Visão desta quinta-feira, onde se refere que o partido Chega, liderado por André Ventura, é apoiado por “lóbis evangélicos”, a Aliança Evangélica Portuguesa (AEP) divulgou um comunicado garantindo que “as igrejas evangélicas não promovem partidos políticos, nem angariam militantes para movimentos desta natureza”.

Suíça: Mulher leiga nomeada como delegada episcopal

A diocese de Lausana-Genebra-Friburgo, na Suíça, terá uma mulher leiga como delegada episcopal, um cargo que, na Igreja Católica, tem sido quase exclusivamente ocupado por padres. Marianne Pohl-Henzen foi nomeada pelo bispo Charles Morerod e assumirá funções em agosto, ficando responsável por gerir diversas entidades eclesiais e respetivos recursos humanos na parte alemã de Friburgo (uma das cinco vigararias daquela diocese).

Boas notícias

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

Ofertas de material hospitalar ou de protecção, troca de pessoal médico, um judeu e um muçulmano que param ao mesmo tempo para rezar juntos e uma música gravada para apoiar uma organização de voluntários judeus, muçulmanos e cristãos. A pandemia serve também para que rivais, inimigos ou “diferentes” colaborem uns com os outros e esqueçam divergências.

É notícia

Cultura e artes

“O adeus dos monges da Cartuxa” recebe Prémio de Jornalismo Dom Manuel Falcão

“Nas mãos, colocam-lhe um terço. Sob o corpo, uma tábua. Desce à terra e nesta é posta uma cruz de ferro, sem identificação. No claustro do Mosteiro de Scala Coeli, às portas de Évora, o ritual repetiu-se 120 vezes entre os séculos XVII a XIX; houve seis defuntos no século XX e duas cruzes foram acrescentadas nesta era. As últimas.” É desta forma que começa a reportagem “Cartuxa: o adeus dos peregrinos do silêncio, que venceu o Prémio de Jornalismo Dom Manuel Falcão.

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Papa Francisco: as “histórias boas” dão-nos “força para prosseguirmos juntos”

“Para não nos perdermos, penso que precisamos de respirar a verdade das histórias boas: histórias que edifiquem, e não as que destruam; histórias que ajudem a reencontrar as raízes e a força para prosseguirmos juntos”. Começa assim a mensagem do Papa para o  Dia Mundial das Comunicações Sociais, que a Igreja Católica assinala a 24 de maio, mas que Francisco publicou a 24 de janeiro, dia da memória de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas, e em que parecia já adivinhar a importância que as “histórias boas” teriam nos meses seguintes.

Igrejas evangélicas negam ligação ao partido Chega

Na sequência de uma reportagem publicada na revista Visão desta quinta-feira, onde se refere que o partido Chega, liderado por André Ventura, é apoiado por “lóbis evangélicos”, a Aliança Evangélica Portuguesa (AEP) divulgou um comunicado garantindo que “as igrejas evangélicas não promovem partidos políticos, nem angariam militantes para movimentos desta natureza”.

Pessoas

Adolfo Nicolás (1936-2020): O imitador de Charlot que chegou a geral dos jesuítas

Adolfo Nicolás (1936-2020): O imitador de Charlot que chegou a geral dos jesuítas

Quando foi escolhido para responsável dos jesuítas no Japão, o padre Adolfo Nicolás decidiu ir viver num bairro pobre. Nas Filipinas fez o mesmo. Os que o conheciam dizem que era um excelente conversador e grande imitador de Chaplin. Espanhol, esteve quatro décadas no Japão até ser escolhido, em 2008, como o 30º geral dos jesuítas. O padre Arturo Sosa, que lhe sucedeu no cargo, recorda-o como um “homem sábio, humilde e livre, dedicado ao serviço total e generoso”.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Lares de idosos no fio da navalha novidade

Por más razões, os lares saltaram para as primeiras páginas da comunicação social. Ao longo das últimas semanas, os mortos nestas instituições, legais e ilegais, motivados pela pandemia do covid-19, atingiram cerca de 40% do número total das vítimas mortais (e cerca de 50% em toda a Europa). Trata-se de um elevado número de cidadãos que permaneceram muito esquecidos dos poderes públicos, na fase mais aguda desta devastadora pandemia: a população mais idosa, a mais vulnerável à contaminação pelo vírus.

O trabalho num quarto só para si – e a semana de quatro dias (Opinião da reitora da Univ. Católica) novidade

Nestes dias do grande confinamento, reler Virginia Woolf e o seu notável Um Quarto Só para Si (A Room of One’s Own) adquire um sentido renovado. Dum escritório só para mim, sinto-me afinal herdeira de um texto que se tornou quase projeto de missão: que para a independência da mulher, em particular de uma profissional criativa, como a mulher escritora, se exigia ter um rendimento fixo e um quarto só para si. Nos dias do grande confinamento, contudo, o quarto não é garantido – apenas alguns o têm só para si – e muito menos o rendimento é fixo.

Covid e educação: aproveitar as oportunidades

Estamos a viver um tempo inusitado, inesperado e imprevisível, que deixou também as escolas e o sistema escolar em apuros, sob um elevado stresse organizacional e profissional. A mudança é disruptiva, em vez de incremental, é reativa em vez de antecipatória, é imposta, em vez de desejada. Isto marca desde logo um tempo muito peculiar e sem precedentes. Um tempo que requer uma atenção redobrada.

Fale connosco