Andreas Mogensen: o sentido da vida de um astronauta

| 31 Jan 19 | Ciência, Saúde e Tecnologia, Pessoas, Últimas

“Algo que me apercebi na estação espacial foi que o universo é largo e infinito. E, quer a terra quer os humanos são apenas uma pequeníssima parte de tudo isso”, reflete Andreas Mogensen, ao mesmo tempo que sorri. Calmo, descontraído, simpático, a falar para um auditório cheio de alunos, a receber indicações para ser filmado para um documentário, mesmo quando essas indicações envolvem estar rodeado de crianças.

Mas Andreas Mogensen tem de ser uma pessoa calma. Afinal, ele foi o primeiro dinamarquês a tornar-se astronauta.

A entrada de Andreas no Pavilhão do Conhecimento. Foto © Maria Wilton

Nascido em Copenhaga, Dinamarca, em 1976, Andreas recorda que aos dez anos, como muitas crianças, já tinha o desejo de se tornar astronauta: “Lembro-me de pensar o quão bom seria voar livremente, como um pássaro.”

O caminho até ao voo foi árduo: terminou a licenciatura em 1995 e virou-se para um mestrado em engenharia aerospacial no Imperial College, em Londres. Como parte do seu programa, passou seis meses em Lisboa, a fazer Erasmus, no Instituto Superior Técnico.

Depois disso, trabalhou durante oito anos, até que em 2009, foi selecionado para ser astronauta, ao terminar o seu doutoramento no Centro de Pesquisa Espacial, na Universidade do Texas: “Desde o ano 2000 que somos um ser espacial, porque vivemos ininterruptamente na Estação Espacial Internacional (EEI). E, a um dado momento, eu quis fazer parte disso.”

Depois de ser selecionado, eram necessários pelo menos quatro anos de treinos para estar verdadeiramente apto, lembra o dinamarquês, em conversa com o 7MARGENS no auditório do Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa: “São necessários testes físicos muito exigentes.”

Teve que aprender a falar russo, a fazer primeiros socorros e a consertar a maioria dos sistemas da EEI. Para se preparar, fazia grandes caminhadas num enorme tanque de água, treinava sob temperaturas extremas e esteve em cavernas durante semanas, tudo para o seu corpo se adaptar ao espaço.

“Na verdade, adaptar-me a viver em gravidade zero não foi muito difícil porque flutuar não requer qualquer esforço. O mais difícil foi adaptar-me a ter gravidade outra vez, na Terra”, afirma Andreas.

A 2 de setembro de 2015 chegou o momento da sua missão de dez dias, de nome “Iriss”. Subiu para a Estação Espacial Internacional, que orbita a 400 km de altitude, no foguetão Soyuz, com o objetivo de trocar com um astronauta que iria regressar a terra.

“Na estação espacial, demoramos 1h30 a dar a volta à Terra. Em 24 horas, vemos 16 vezes o pôr e nascer do sol.” O astronauta conta que, na EEI, o lugar preferido de todos os tripulantes é a cúpula. Por ser toda em vidro e se poder ver de modo panorâmico: “Vi coisas muito curiosas do espaço. De dia, o planeta parece não ser inabitado, não se vêem sinais de humanos. À noite a história muda, porque o planeta ilumina-se.”

Notou na importância que a água tem na vida humana quando viu o rio Nilo completamente rodeado de luz e, mais longe, tudo escuro. E verificou a diferença que faz a evolução tecnológica, quando viu a Coreia do Sul toda iluminada e a Coreia do Norte quase sem luz.

Mais importante que tudo, notou a fragilidade humana, aquilo que nos mostra o facto de não ver fronteiras, a partir do espaço: “Notei que a atmosfera é uma linha frágil, tão ténue e no entanto tão necessária para proteger a vida. Faz-nos pensar como apenas isso possibilitou a vida.”

Foto © Maria Wilton

Durante os dias em que esteve no espaço, fez um vídeo diário para a sua filha mais nova ver mais tarde, já que na altura ela tinha apenas dois anos: “Eu estava a tentar documentar todo o processo de treino que estava a fazer para que todos pudessem ver o quão árduo é verdadeiramente. No processo, gravei também umas partes para a minha filha para que ela visse o que é estar no espaço.”

As gravações no Pavilhão do Conhecimento tinham também um outro intuito: a participação no documentário de Miguel Gonçalves Mendes, O Sentido da Vida, em que sete pessoas contam as suas histórias e “de que forma a sua atuação nos influencia na nossa tentativa de apaziguamento com o mundo, com a morte e com vida.”

Em produção desde 2015, o documentário deverá estar concluído em julho de 2020. Incluirá as imagens captadas por Andreas Mogensen a bordo do voo espacial e no Pavilhão do Conhecimento, aquando da sua visita a Portugal, no final de 2018. A produção tem em curso uma campanha de crowdfunding para concluir o documentário.

 

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Fale connosco